SEJA BEM-VINDO E BOA LEITURA!

Fico feliz em que você visite o meu Blog. Faço parte dessa comunidade de gente que gosta de escrever e expor o que escreve sem nenhum receio de ser lido e contestado.

Fique a vontade nessa minha sala de leitura. Espero, sinceramente, que meus escritos ajudem você de alguma maneira, mas principalmente do ponto de vista espiritual.


Um abraço.

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

UMA ANÁLISE SOBRE O "DISCURSO" DA PRESIDENTE NO SENADO EM 29.08.2016

Quanto ao discurso da Excelentíssima Senhora Presidente da República feito no Senado Federal.

Excelentíssima Senhora Presidente:

01. A senhora não lutou pela democracia nos anos de 1960, ao contrário, lutou pela plantação de um governo comunista autoritário no modelo cubano.

02. Não há em seu lugar um presidente ilegítimo, mas, sim, o vice-presidente que a senhora escolheu desde o primeiro mandato iniciado em 2011.

03. O processo de impedimento não possui como motivação a questão de gênero, que o digam as senadoras Ana Amélia (PP – RS), Lúcia Vânia (PSB – GO), Marta Suplicy (PMDB – SP), Maria do Carmo Alves (DEM – SE), Rose de Freitas (PMDB – ES), Simone Tebet (PMDB – MS).

04. Neste processo não está em jogo as chamadas conquistas sociais, mas a sua atitude fiscal irresponsável, âmago da denúncia.

05. Este julgamento não viola a democracia, mas, sim, julga as acusações de crime de responsabilidade.

06. Comparar este atual processo com o julgamento militar contra a senhora na década de 1970 é falacioso. Lá, as acusações foram de terrorismo, assalto, sequestro e propagação da ideologia comunista (deixo claro que não estou aqui emitindo nenhum juízo de valor direto contra ou a favor do ocorrido).

07. Neste processo não há nenhum risco aos projetos favoráveis aos afrodescendentes, mulheres, LGBT, possuidores de necessidades especiais etc., pois tais projetos não foram plantados pela senhora, mas pela esquerda que, inclusive, faz oposição ao seu governo.

08. O processo de Impeachment não é uma ação da direita conservadora, mas, sim, de partidos que vão do centro à esquerda radical (embora não possua senadores, lembro aqui a posição do PSTU, por exemplo). Aliás, estão do seu lado os senadores Roberto Requião (PMDB – PR) e a pecuarista Kátia Abreu (PMDB – TO, que veio do PFL/DEM)

09. Eduardo Cunha não é o responsável e nem o autor da denúncia e do processo que pesam contra a senhora. Miguel Reale Júnior, Janaína Paschoal e Hélio Bicudo, um dos fundadores do PT, é que são os autores. E o processo em andamento foi deflagrado pelo voto dos deputados federais.

10. A senhora pode ser honesta, conforme suas afirmações garantidas por lei, desde que prove sua inocência diante das acusações de caixa dois em sua campanha e do caso de Pasadena, Califórnia.

11. A retirada do seu governo não é um ato autoritário de seus opositores na eleição passada, pois quem está em seu lugar é o vice-presidente eleito com a mesmíssima quantidade de votos que a senhora obteve.

12. A sua saída do governo não agravará a crise no Brasil, até desconfio que ocorrerá o contrário.

13. Não há, senhora presidente, nenhuma ameaça contra os presidentes que serão eleitos no futuro, assim como não houve nenhuma ameaça contra o presidente eleito após o Impeachment de Collor. Pelo contrário, os próximos presidentes terão o cuidado para não afrontar os limites de suas competências (assim espero).

14. Concordo que a senhora ocupou o cargo de presidente pelo voto popular direto. Mas lembro que todos os seus atuais juízes, excetuando o presidente do STF, foram igualmente eleitos pelo voto popular direto.

Concluo dizendo que estas 14 considerações são um esforço de não conformar minha mente ao seu discurso esquerdista idiotizante. Quero e exijo a liberdade de sempre me posicionar em contrário a esta ideologia.

Rev. Alfredo Souza.


sábado, 13 de agosto de 2016

PAI

PAI....
Já faz exatamente 42 anos que partiste.

Hoje depois de quatro dias de reunião, cansaço, algumas alegrias e algumas tristezas, eis que chego em casa, tiro minha roupa, tomo um banho quente, coloco meu pijama, deito em minha cama e ligo a televisão. Deparo-me com um musical – BOCELLI E O CINEMA tendo como diretor nada mais nada menos do que David Foster. Pronto: um mundo de lágrimas, um mundo de emoções.

Pai: foste tão jovem! Apenas 59 anos. Eu já tenho 62 anos e quando ouço Harry James, Duke Ellington, Tony Bennet, Andy Willians, Frank Sinatra, Bing Crosby, e outros, eu pareço viajar no tempo e me encontrar na sala sentado ao teu lado diante daquela enorme rádio vitrola Broadcast ouvindo essa gente toda em 78 rotações. Posso ouvir Glen Miller com seu clássico Monlinight Serenade, ou Urbe Green com o Voo da Abelha.

Fechei meus olhos e comecei a lembrar de quando você tocava seu trombone com uma embocadura limpa, som limpo, sem vibratos. Lembrei-me de tua sensibilidade ao empunhar o instrumento que tanto amava e fazia sair dele a tua alma em forma de música. Lembrei que um dia me disseste: - Maurinho, não confie em alguém que não goste de música. A música é o suspiro da alma.

Pai: são 42 dias dos pais sem você, mas eu jamais me esqueci dos teus lindos olhos azuis, do teu coração sentimental, do teu jeito Fred Asteriano de dançar, de tua elegância, do teu perfume, do teu amor declarado e escancarado por mamãe. Também não me esqueço de tuas dores porque certamente você não as sente mais, mas eu sim.

Pai: sinto tua falta. Como eu gostaria que você conhecesse meus filhos e meus netos. Como eu gostaria que eles te conhecessem só para ver que eu não sou um calabrês exagerado quando penso em você. Como eu gostaria que você tivesse vivido um pouco mais comigo! Mas quis Deus que você se fosse tão jovem, ainda cheio de sonhos (eu amava seu jeito de sonhar).

Pai: daqui a pouco (são 23h19’) vamos comemorar o Dia dos Pais. Felizes aqueles que têm seus pais para abraça-los, beijá-los, presenteá-los. Felizes aqueles cujos pais são presentes não apenas no coração, mas fisicamente. Felizes aqueles que podem dizer: Papai: hoje é o seu dia e eu quero dizer que amo você.

Um beijo Vincenzo Aiello. Minhas mãos já estão parecidas com as tuas.....e eu também sou tão sonhador quanto tu foste um dia.

terça-feira, 9 de agosto de 2016

ENSAIO - UM POUCO SOBRE A MÚSICA CANTADA NO CULTO CRISTÃO

UM ENSAIO SOBRE O USO DA MÚSICA SACRA NO CULTO CRISTÃO.
(ILUMINAÇÃO A SERVIÇO DO REINO E GLÓRIA DE DEUS).

“Então falou Deus todas essas palavras; Eu sou o Senhor, teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. Não terás outros deuses diante de mim. Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não as adorarás, nem lhes darás culto; porque eu sou o SENHOR teu Deus; Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem, e faço misericórdia até mil gerações daqueles que me amam e guardam os meus mandamentos. Não tomarás o nome do Senhor, teu Deus, em vão, porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão. Lembra-te do dia de sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor, teu Deus; não farás nenhum trabalho, nem tu, nem o teu filho, nem a tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o forasteiro das tuas portas para dentro; porque em seis dias, fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo o neles há e, ao sétimo dia, descansou; por isso o Senhor abençoou o sábado e o santificou". 
(Êxodo 20.4-6)

O segundo mandamento proíbe a confecção de imagens de qualquer ser (até de mesmo de qualquer pessoa da Trindade) com o propósito de adoração. É disso que trata o segundo mandamento. Mas o segundo mandamento tem estrita relação como o primeiro, o terceiro e o quarto. Os quatro primeiros mandamentos regulam nosso relacionamento com o Ser de Deus.

Portanto, olhemos atentamente  para essa relação que há entre os quatro primeiros mandamentos do Decálogo, 

A) (1º Mandamento) Deus deve ser adorado como único Deus . 

B) (2º Mandamento) Não é permitido usar de imagens para adorá-Lo. Naquele contexto histórico se tratava de esculturas.

C) (3º Mandamento) Devemos estar atentos e tomar o devido cuidado para que, no culto (na vida como um todo), não cometamos o equívoco de tomar o nome Dele em vão .

D) (4º Mandamento) Devemos santificar (separar) um dia para essa adoração (seja individual ou comunitária - o padrão é esse - um dentre sete dias deve ser usado para ser santificado - separado para Deus)  Os cristãos primitivos passaram a considerar o domingo como sendo esse dia.

Assim, o segundo mandamento não está falando de cânticos, nem, por incrível que possa parecer, fala da exposição da Palavra, ou da celebração sacramental, ou do uso de instrumentos na adoração, nem do uso só de Salmos (metrificados ou mesmo parafraseados) como música inspirada para o Culto e adoração a Deus, como se as outras músicas que são baseadas na Palavra com correção teológica não tivessem valor (é preciso frisar que quando o Decálogo foi escrito ainda não havia a salmodia como a vemos no livro dos Salmos).

O segundo mandamento doutrina e proíbe a confecção de imagens de escultura com o objetivo precípuo que é adorar os seres retratados nas imagens esculpidas. Com enorme, gigantesco respeito aos que vão além disso, reitero que o segundo mandamento é explícito em proibir a confecção de imagens de escultura com o devido e precípuo propósito que é de prestar adoração e culto.

Precisamos levar em consideração o contexto do qual os israelitas saíram quando o Decálogo foi transmitido a Moisés. Os Hebreus foram submetidos a mais de 400 anos de escravidão no Egito. Os deuses adorados no Egito eram deuses falsos e eram esculpidos. O Egito era uma nação politeísta e idolatra. Deus diz logo no princípio do Decálogo: “Eu sou o Senhor, teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão” .(Êxodo 20.2) Aqui Deus diz quem Ele é e o que Ele havia feito por eles.

Agora eles caminham para uma terra desconhecida. Era a Terra Prometida! E essa Terra Prometida estava infestada, igualmente, de deuses, religiões idólatras e pagãs. O povo de Israel não devia se esquecer que há um só Deus, ou seja, aquele que os tirou do jugo egípcio. O povo de Deus não podia se deixar contaminar com o politeísmo (Primeiro Mandamento) e a idolatria (Segundo Mandamento). O povo de Israel deveria evitar qualquer tendência à idolatria. Essa tendência ficou evidenciada no episódio em que Arão e Miriã insuflados pelo povo esculpiram um bezerro de ouro representando a Jeová (Êxodo 32).  O povo de Israel precisava aprender que o nome de Deus é tão Santo quanto o próprio Deus é santo (Terceiro Mandamento) e que havia um dia especial, dentre sete, para ser santificado a Ele (Quarto-Mandamento).

FALANDO SOBRE PALAVRAS NO CULTO CRISTÃO.

Falando com precisão é o terceiro mandamento que tem uma relação mais direta com aquilo que cantamos, com aquilo que pregamos e por que não dizer, com as nossas orações. Sim, porque cantar de forma irresponsável, pregar da mesma maneira e orar sem conhecer substancialmente o Deus a quem nos dirigimos pode fazer com que tomemos o nome de Deus em vão.

È disso que fala o terceiro mandamento. O segundo mandamento fala a respeito do uso do nome de Deus, seja em que contexto for e, por ser usado mais no Culto, com especial atenção para esse momento.

Mas o segundo mandamento tem uma estrita relação com a idolatria. E idolatria não é apenas fazer imagem de escultura e nos prostrarmos diante dela em adoração e culto. Qualquer ser ou coisa à quem adoramos cultualmente falando é idolatria. Pode não ser um ato de adoração à um ser representado por uma imagem esculpida, mas pode ser uma imagem esculpida em nosso coração. Portanto, não devemos idolatrar o coral? Sim, não podemos e nem devemos! Mas também não devemos idolatrar o Pregador! 

No Culto que prestamos a Deus, é a Deus que nos voltamos por inteiro e com santa solenidade e reverência. Essa santa solenidade e santa reverência não são atitudes estritas e explicitadas apenas pelo aspecto exterior, mas também interior. Não é porque lemos a Bíblia em pé que isso implica em reverência à Palavra. Se ficarmos em pé e lermos a Bíblia sem a devida atitude interior de solenidade, reverência, humildade e fé nos equivocamos lamentavelmente. Deus conhece nossos corações! Precisamos nos ajoelhar por fora e por dentro. Deus vê nosso coração! Em Isaías 29.13 Deus critica severamente o seu povo por se aproximar dele com os lábios e ao mesmo tempo ter seus corações longe Dele.

Assim sendo, devemos ter como tarefa de grande seriedade e responsabilidade usar as palavras com exatidão no Culto que prestamos a Deus e, porque não dizer, em todas as nossas manifestações, até nas mais simples, porque se o fizermos de forma irresponsável podemos cometer a torpeza de tomar o Santo nome de Deus em vão.
  
SOBRE OS CÂNTICOS NO CULTO CRISTÃO

Muito bem! Eu amo os Salmos e prego em muitos deles. Recito alguns salmos de cabeça.

Canto alguns Salmos, mas creio que, com todo respeito, dizer que os Salmos são os únicos textos que devem ser cantados nos Cultos que prestamos a Deus porque são inspirados, seria o mesmo que dizer que ler uma passagem bíblica e explicá-la sob a forma de Sermão Expositivo é um equívoco. E o equívoco se agiganta se os que assim pensam usarem o segundo mandamento como alicerce de sua argumentação, porque não é diretamente disso que o segundo mandamento fala. Não vamos colocar no texto o que não está no texto. Isso é um equívoco. Vamos nos ater ao texto. Ele por si só é riquíssimo! É de idolatria que fala o segundo mandamento.

Tenho ouvido há anos, quando alguém está sendo apresentado para pregar, que Deus irá falar por meio do seu servo. E isso está correto. Quando o pregador empunha a Escritura, a lê, explica e a aplica com retidão, precisão, fidelidade, obedecendo as regras da boa hermenêutica e fazendo um bom uso da homilética, Deus falou por ele simplesmente porque as palavras ditas pelo pregador se encontram alicerçadas na Palavra de Deus. Os Teólogos dizem que o pregador está debaixo da Iluminação do Santo Espírito quando assim procede. Ele está sob a Iluminação do Santo Espírito que Inspirou as Escrituras. Podemos dizer que o pregador está “inspirado” pela Palavra, assim com a Palavra foi “inspirada” pelo Espírito Santo. Inspirar é trazer para dentro. Quando inspiramos o ar, nós o trazemos para nossos pulmões. Quando uma pessoa está inspirada pela Palavra de Deus, ela está cheia dessa Palavra em seu coração e isso sai por seus lábios porque “a boca fala do está cheio o coração” (Mateus 12.34b). Perceba com atenção: quando há estrita relação entre o que diz o pregador fundamentando o seu discurso na Bíblia com a Palavra Inspirada de Deus, esse discurso é abençoador. O mesmo deve ocorrer com a música que usamos no Culto e na adoração a Deus.

Se a tese de alguns que afirmam que os únicos textos que devem ser cantados na Igreja são os Salmos, (e dizem isso porque os demais cânticos são fruto de iluminação e não de inspiração), o que dizer, portanto, da Exposição Bíblica que não é senão uma forma de explicar e aplicar o que a Escritura diz e isso sob a Iluminação do Espírito Santo?

O estudo, por exemplo, do Hino Congregacional, de adoração e testemunho intitulado em nossa língua "Canta Minha Alma", ou "Quão Grande És Tu", ou "Grandioso és Tu", composto pelo Pastor sueco Carl Gustaf Boberg, irá mostrar que ele tem suas profundas raízes na Palavra de Deus. É como se fosse um Sermão pregado com base na Palavra (não o é pela forma, mas o é no conteúdo). Não podemos negar o valor e conteúdo pedagógico dos hinos e cânticos contemporâneos quando os mesmos revelam profunda coerência com as Escrituras e são usados com correção no Serviço Religioso. Atenção! Não estou dizendo que a Música substitui o Sermão, mas creio que quando ambos são usados sob Iluminação, quando são “inspirados pela Palavra de Deus” (veja com cuidado o uso que faço aqui do termo “inspiração”) devem ser considerados legítimos e abençoadores.

Concordo com aqueles que primam pela excelência no uso das músicas no momento Litúrgico. Mas, devemos estar cientes que não foram as músicas cantadas nos Cultos Públicos as responsáveis pelas grandes dissensões nos limites da Igreja Cristã. Repito que devemos ser muito criteriosos e cuidadosos quanto à escolha das músicas que iremos usar no Culto e na adoração. Devemos ser mesmo muito criteriosos. Dizer sobre Deus, em qualquer aspecto, sem que isso corresponda ao seu Ser é cometer o pecado da quebra do terceiro mandamento e Deus não considera, aquele que assim procede, como inocente.

Isso porque, como já vimos, é exatamente no momento do Culto que corremos o sério risco de tomar o nome de Deus em vão. Mas, veja: isso também pode ocorrer se cantarmos somente os Salmos Metrificados. Sim porque se fizermos isso de forma displicentes, simplesmente decorada, repetitiva, estaremos tomando o nome de Deus em vão. O Salmista não cometeu esse pecado ao compor inspiradamente o Salmo, mas nós sim ao cantá-lo de forma irresponsável. A situação se agrava, se cantarmos algo que não vivemos mesmo que seja um Salmo. Por exemplo: cantar o Salmo 133 e ao mesmo tempo promover a dissolução e cizânia?

Eu sou músico e intérprete! Fui criado por um pai que me ensinou música. Amo cantar! E sei o quão perigoso é esse dom quando usado para a promoção do ego. Alguém já disse que o elogio é o sussurro do diabo em nossos corações. Mas não podemos nos esquecer de que isso serve para quem canta, para quem prega a Palavra, ou ora ou faça qualquer outra coisa, ainda que legítima, na Liturgia.

Em algumas Igrejas o Coral é considerado um segundo púlpito. Já ouvi alguém dizer, depois dos famosos cânticos espirituais, no momento em que passava a palavra ao pregador, o seguinte: "Irmãos o Culto está uma benção e se parássemos por aqui eu já estaria satisfeito". Vê-se que há uma compreensão lamentável do que vem a ser o Culto Cristão. Culto Cristão não se restringe aos cânticos. Infelizmente há cultos em que grande parte do tempo é consumido com cânticos. Deve haver bom senso e equilíbrio na elaboração da Ordem Litúrgica para que ela seja inteligível, coerente e que haja perfeita consonância entre o Sermão Pregado e as músicas entoadas.

O Culto Cristão deve ser oferecido para Deus, para a Glória e Honra de Deus. Minha intensão em Cultuar a Deus é satisfazer o coração do meu Senhor. Já sai do Culto bastante machucado e inquieto porque Deus abriu meu coração e semeou ali a sua Palavra e eu não podia lutar contra ela. Já sai, muitas, e não poucas vezes, insatisfeito comigo mesmo, mas tendo a absoluta certeza de que Deus foi servido.

Sei do perigo que a música pode representar. Há em nossos dias e no meio cristão um mercado fonográfico evangélico que a única coisa que promove é o culto à personalidade (idolatria). Mas não é por isso que iremos ser radicais e inviabilizar o bom uso da música na adoração e no Culto que oferecemos ao nosso Deus. O maior livro da Bíblia é o livro dos Salmos que são poesias para serem entoadas acompanhadas por instrumentos musicais existentes naqueles dias e naquele contexto.

Há "cantores evangélicos" que cantam heresias e cobram muito caro por tal aberração. E não faltam pessoas nas filas para pedir autógrafo. Mas há também muita Igreja séria onde a música erudita e cristã é praticada com zelo e esmero, com o único propósito de prestar adoração a Deus. Há muitos intérpretes sérios, realmente comprometidos com a Palavra e com Reino de Deus. Há muitos poetas entre os cristãos cuja obra literária é fonte de benção e motivação cristã evidenciada pela ação iluminadora do Santo Espírito de Deus nas suas composições.

Falando sincera e francamente; não foi a música que despertou Joseph Smith, Joseph Bate, Ellen G. White, James White, John Nevins Andrews, Charles Taze Russell, Luigi Fransescon, David Berg, e muitos outros e outros movimentos, como o moderno Neo-Pentecostalismo e até alguns pentecostais a se tornarem seitas totalmente estranhas ao cristianismo bíblico. Na verdade foi o uso incorreto e indevido das Escrituras que produziu ao longo do tempo o surgimento de movimentos heréticos e estranhos ao cristianismo bíblico. Foi o abandono do exame criterioso das Escrituras que gerou tantos movimentos espúrios.

O que enfraquece a Igreja é o uso incorreto ou o abandono da Escritura porque ela é a única regra de fé e vida. É a exposição fiel das Escrituras o meio de instrução para nossa santidade. E somente um povo santo pode comparecer diante de um Deus Santo para o momento da Adoração e Culto. Digo com toda autoridade que o Espírito Santo me confere que cantar salmos metrificados, única e exclusivamente, é um exagero, um ato de preciosismo.

Quem foi regenerado de verdade e é santificado por Deus por meio de sua Palavra revela um cuidado extremado em cantar apenas aquilo que é devido à Glória de Deus, seja por meio de Hinos, Cânticos Contemporâneos ou os Salmos do livro dos Salmos.

A questão Litúrgica está atrelada á questão Teológica. E a Teologia deve gerar vida santa. A Teologia não existe para satisfazer anseios no âmbito da intelectualidade, mas sim para abençoar o coração e produzir santidade. Muita gente, infelizmente, ainda não percebeu que cometem o pecado da Teologilatria! (permitam-me o neologismo). Boa Teologia produz boa Liturgia, com boas orações, bons cânticos, boa mensagem pregada, correta celebração sacramental, ofertório abençoado. Tanto a Prédica quanto a Cantoria devem ser baseadas e fundamentadas na Palavra de Deus e devem promover a Glória de Deus e não a glória do pregador ou de quem canta (seja um cântico congregacional, coral, canto gregoriano, uma música solo, um dueto, um quarteto ou qualquer outra modalidade).

Muitos escrevem textos enormes falando do Princípio Regulador do Culto, outros são afeitos ao normalismo. Será que é preciso tudo isso mesmo? Creio não ser necessário. Crentes maduros se notabilizam pelo bom siso e bom senso. Sim, o PRC é valiosíssimo quando trata dos pontos necessários que devem compor a Liturgia. Não podemos desprezar o PRC, muito pelo contrário, devemos fazer uso dele e produzir uma Ordem Litúrgica que seja pedagógica em todos os sentidos. No Culto que prestamos a Deus buscamos entendimento, não entretenimento. É a Palavra de Deus sendo exposta de forma fiel e variada que produz entendimento, conforto para a jornada da vida, sabedoria e o verdadeiro temor de Deus (Provérbios 1.1-7).

Será que a sabedoria cristã é tão pobre que nenhuma composição humana pode ser utilizada como música cantada no Culto que prestamos ao nosso Deus? Será que um cântico, ou hino, produzido por uma pessoa como, por exemplo, Fanny Crosby, não tem utilidade litúrgica só porque não é inspirado? Será que a música de Paulo César da Silva intitulada "Autor da Minha Fé" que fala de uma forma tão poética e bíblica sobre a volta de Cristo, sem tocar nos problemas escatológicos, deve ser considerada descartável como testemunho ao mundo de como nós os cristãos esperamos e aguardamos com alegria aquele dia de nossa plena redenção? Perdoem-me, mas isso seria o mesmo que dizer que um Sermão do Rev. Hernandes Dias Lopes não tem validade nenhuma simplesmente porque ele não é inspirado. Daqui a pouco vão dizer que devemos chegar à Igreja, ler a Bíblia, cantar apenas Salmos, ler as Orações da Bíblia e ir embora. Deixe-me dizer algo grave: Já ouvi sermões muito menos bíblicos que muitas músicas, e por incrível que possa parecer, Deus estava naquele lugar fazendo brotar água da rocha, apesar da incorreção humana, simplesmente porque o Deus da Bíblia é assaz misericordioso.

Creio que precisamos avaliar a Trinocentricidade, e Biblicidade das letras das músicas produzidas para o Culto Cristão, do mesmo jeito que a mensagem deve ser baseada nesses princípios. Se a composição humana não inspirada se fundamentar na Palavra e estiver em perfeita consonância com a Palavra ela pode e deve ser usada no Culto! Se o contrário ocorrer, ela deve ser desprezada. Se um Sermão for fiel às Escrituras ele deve ser considerado válido, mas se não estiver alinhado com as Escrituras, deve ser desprezado. Deus não falou!

Eu creio que falta equilíbrio emocional para alguns irmãos valiosos que têm uma enorme tendência de pender para os extremos. Eu tremo em proferir esse juízo de valor sobre esses que eu considero meus irmãos em Cristo. Mas em meus debates e conversas com grande parte desses radicais é exatamente isso que eu tenho visto de forma clara e inequívoca.

Finalizo dizendo que respeito a todos que preferem ficar apenas com os Salmos e que estou livre e feliz em poder me sentar com eles e adorar a Deus em companhia deles, em uma verdadeira koinonia. Já fiz e farei isso sem nenhum traço de tristeza, nem de preconceito!

Eu só gostaria que não confundissem o que é contragosto com pecado, o que é novo com pecado, o que é diferente com pecado e ainda, que não confundissem aquilo que é fruto da iluminação, com pecado.

Gostaria de afirmar um ponto e esse é: não é a música o problema de enfraquecimento espiritual dos crentes e das Igrejas. O enfraquecimento dos crentes e da Igreja está atrelado diretamente ao abandono total da leitura, meditação e prática das Escrituras (Salmo 1, 2 Timóteo 3.10-17).

Eu só gostaria que não me considerassem um cristão de segunda categoria só porque além dos Salmos eu me disponho a contar o que Deus tem feito por mim, em mim, para mim, através de mim e até apesar de mim em forma de composições não inspiradas, mas iluminadas pelo mesmo Espírito que produziu a Santa Escritura.

Soli Deo Glória.

sábado, 6 de agosto de 2016

A OLIMPÍADA 2016 (Ponderação).

Meu pais geme por conta do desajuste econômico. Meu país geme por conta do desajuste social. Os maiores responsáveis por esse caos são os políticos, aqueles que recebem do povo os votos e a chancela para tomarem decisões e determinarem o rumo a ser seguido. 

Meu amado Brasil geme por conta da impunidade a começar com aqueles que com seus colarinhos brancos enfiam as mãos sujas no dinheiro que deveria ser direcionado para a saúde e a educação, as duas pilastras sobre as quais a sociedade deve ser amparada, mas no caso do Brasil tanto uma quanto a outra não passam de oportunidades para empresários enriquecerem. O povo está à mercê desses empresários que andam de limousine na Times Square enquanto milhares morrem em macas pelos corredores dos hospitais em um país cheio de periferias.

Por isso sou e continuarei sendo contra a realização da Olimpíada aqui no Brasil. O pais está em crise; o pais geme; o país sofre. Vivemos um processo doloroso de Impeachment da atual Presidente e tudo por conta da malversação dos recursos que lhe são alocados para gerir financeiramente o país. A infeliz e incompetente Presidente se vulnerabilizou por se manter nos limites ideológicos do seu partido (PT) e pelo apego ao "poder". Seus correligionários se enchafurdaram em corrupção e arranjos maquiavélicos para terem dinheiro suficiente com o qual se garantam no comando da nação. Mas, mesmo que eu também entenda que muitos que se lhe opõe, são igualmente, ou incompetentes, ou corruptos, ou ambos ao mesmo tempo, o processo é legítimo e é no meio dessa guerra que o Brasil recebe as delegações de quase todo mundo para a Olimpíada que acontece no Estado do Rio de Janeiro. 

Assisti do começo ao fim, o espetáculo da abertura dos Jogos Olímpicos 2016. Assisti pela Rede Globo pela qual nutro tremendo asco, mas que, sinceramente, em termos de esporte ainda continua sendo a equipe de ponta. Hoje pela manhã, li o que pude na internet a respeito do referido espetáculo, vi alguns lances de outras redes e alguns cometários. Li, também, alguns depoimentos em órgãos de imprensa de alguns países e o que mais me chamou a atenção foi que destacaram a simplicidade artística. Bem, segundo li, foram precisos R$270.000.000,00 de reais para tornar o espetáculo simples em algo belo.

E foi simplesmente belo! Foi belo parte do Hino Nacional sendo cantado por Paulinho da Viola. Tão belo que senti falta da segunda parte. Foi bela a mensagem que buscaram passar por toda coreografia, um show de imagens de câmeras multimídias, e assim por diante. Até Anita se saiu (dublando claro) bem. Gisele desfilou sob o som de Garota de Ipanema com maestria. O Presidente Interino até que não foi tão vaiado. Foi simples, rápido e objetivo. Ele é suficientemente inteligente! 

Mas há algo que lavou minha alma, apesar de tudo. O Brasil parece que será descoberto pelo mundo. Creio que, tanto os atletas quanto os turistas de várias nações que afluirão para o Rio de Janeiro e quem sabe resolvam passear pelo país, irão aprender que nossa capital é Brasília e não Buenos Aires, que falamos o Português e não o Espanhol, que vivemos em grande centros, temos a terceira mais cidade do mundo (São Paulo, maior até que New York), que não vivemos em uma selva cercado por macacos (monkeis), que a mulher brasileira é tão digna e honrada quanto qualquer mulher de qualquer outro país, que somos um país que é o resultado de uma super mistura de portugueses, africanos, italianos, árabes, espanhóis, holandeses, franceses, japoneses, russos, alemães, e outras nações, e que vivemos bem mesmo com uma enorme diversidade religiosa. 

Será a oportunidade de descobrir um país até aqui tem sido muito mal visto pelos de fora, simplesmente por conta do lamentável preconceito que é fruto da nossa natureza caída que nos leva a sermos demais orgulhosos e arrogantes e sempre pensarmos que somos melhores que os que nos circundam. 

Ainda mesmo sem concordar com a Olimpíada no Brasil, e mesmo sabendo que essa é a primeira na América do Sul, eu assisti um lindo e simples espetáculo, bonito aos olhos e aos ouvidos. Não vi arrogância e nem opulência e ainda vi, no ato de se semear as sementes pelos atletas, um gesto bonito de esperança de que esse país tão marcado pelo desmatamento possa mover o Brasil em outra direção.

Gostei e me emocionei e outra vez me senti feliz em ser brasileiro porque, mesmo com todas as nossas idiossincrasias, esse é o chão em que Deus nos fez brotar e como cristão eu creio que tenho algo a ver com essa pátria terrena. 

Que haja paz, justiça, harmonia nesse Jogos Olímpicos 2016 e que o Brasil semeie a semente de um futuro melhor inspirado na mensagem passada pelo espetáculo de abertura da Olimpíada 2016.

Para você que é meu leitor e que não pode ver...aqui vai um momento muito especial do espetáculo em vídeo (é só clicar) e algumas imagens. Um abraço brasileiro....

video














terça-feira, 2 de agosto de 2016

VOCÊ QUER ISSO DE VOLTA?

"Prender Lula só porque lavou dinheiro ocultando duas propriedades?
Só porque ganhou imóveis e reformas de empreiteiras às quais tinha favorecido?
Só porque recebeu propina fingindo que fez palestras que nunca deu?
Só porque fez o BNDES emprestar 8 bilhões para Odebrecht fazer obras sem concorrência em países bolivarianos?
Só porque comandou uma organização criminosa que quebrou a Petrobrás?
Só porque contratou sondas superfaturadas da Schahim para receber comissões e dinheiro sujo para a campanha?
Só porque mandou acobertar o assassinato do prefeito Celso Daniel pagando com dinheiro da comissão das sondas?
Só porque fez a Petrobras fornecer nafta à Braskem abaixo do valor de mercado por vários anos, causando prejuízo superior a 5 bilhões segundo o TCU?
Só porque saqueou os palácios ao ir embora, levando não só presentes de Estado como até a prataria da casa?
Só porque escolheu e elegeu uma presidente incompetente, despreparada, desequilibrada e burra, propositadamente, esperando com isso sucedê-la 4 anos depois?
Só porque a elegeu tapeando o povo numa campanha criminosamente mentirosa, irrigada com dinheiro roubado da Petrobras?
Só porque permitiu que sua quadrilha saqueasse os fundos de pensão de quase todas as Estatais, prejudicando as aposentadorias de centenas de milhares de petroleiros, carteiros, bancários?
Só porque permitiu que a Bancoop lesasse milhares de bancários para favorecer a OAS e ganhar um triplex no Guarujá?
Só porque deu aval político e dinheiro para que organizações criminosas como o MST invadissem e depredassem impunemente fazendas, centros de pesquisa e prédios públicos?
Só porque sistematicamente comprou apoio político através do Mensalão e Petrolão?
Só porque colocou um cupincha no Sesi Nacional, que transformou a instituição num cabide de empregos para os companheiros e parentes vagabundos?
Só porque ajudou o enriquecimento ilícito de seus filhos em troca do favorecimento de empresas de telefonia e outras?
Só porque vendeu medidas provisórias isentando montadoras de impostos em troca de comissões?
Só porque inchou o governo e as estatais com centenas de milhares de funcionários supérfluos, quebrando o Estado e provocando déficit público Record?
Só porque loteou mais de 30 mil cargos de confiança com seus apaniguados, dando o comando das estatais e autarquias para petistas incompetentes que mal sabem administrar suas vidas?
Só porque elegeu outro poste como prefeito da maior cidade do país, também com dinheiro roubado das estatais?
Só porque comprou milhões de votos com programas de esmola como o Bolsa Família?
Só porque criou o Bolsa Pescador, e deixou 3 milhões de falsos pescadores se inscreverem para receber a sua esmola compradora de votos?
Só porque criou o MONOPÓLIO DAS INDÚSTRIAS PETROQUÍMICAS no país?
Só porque aumentou nossa carga tributária de 33 para 40% do PIB?
Só porque aumentou nossa dívida pública para quase três trilhões de reais, tornando-a impagável?
Só porque favoreceu o sistema financeiro com taxas exorbitantes de juros, transferindo renda dos pobres para os ricos?
Só porque conseguiu fazer o Brasil torrar toda a bonança da maior onda de alta das comodities na década passada?
Só porque loteou todas as agências reguladoras fazendo-as inúteis na proteção dos cidadãos?
Só porque tentou aparelhar até o STF nomeando ministros comprometidos com a proteção à sua ORCRIM?
Só porque deixou a Bolívia expropriar a refinaria da Petrobras sem fazer nada?
Só porque humilhou nossas Forças Armadas nomeando ministros da Defesa comunistas e incompetentes?
Só porque favoreceu comercialmente ditaduras como as de Angola, Venezuela e outras?
Só porque esfriou relações e esnobou as maiores economias do mundo, direcionando nossas relações exteriores para países inexpressivos comercialmente, apenas no afã de ganhar prestígio e votos na ONU?
Só porque humilhou o Itamaraty orientando a política externa através de consiglieri mafiosos como Marco Aurélio Garcia?
Só porque nos envergonhou deixando nossas embaixadas e consulados sem dinheiro para pagar aluguéis?
Só porque comprou um aerolula da Airbus pelo triplo do que poderia ter comprado um Embraer e promovido nossa indústria aeronáutica?
Só porque descuidou dos programas de saúde pública através de ministros incompententes e desvio de verbas, permitindo a volta de doenças como a dengue e o zika?
Só porque aparelhou todas as universidades federais com reitores de esquerda, obtusos e incompetentes?
Só porque fez o Brasil ser motivo de chacota no mundo inteiro?
Só porque nos tirou o orgulho de sermos brasileiros?
Só por estes motivos?"
ORA. NÃO É JUSTO
Bruno Toscano

quarta-feira, 27 de julho de 2016

MAIS UM ANO DE VIDA.....

Ontem (26.07.2016) completei meu 62º ano de vida. São 62 voltas no quarteirão da vida. Sou enormemente grato a Deus por todos esses anos, pelas vitórias, pelas derrotas (doeram), pelas conquistas e perdas, pelos amores que vieram e se foram, pelos dias e noites, pelo tempo quente e pelo tempo frio, pelas músicas que cantei, e as que eu tanto gostaria de ter cantado, mas infelizmente não consegui. Sou grato porque a vida é um milagre e milagre é da responsabilidade de Deus. Ao homem só resta crer. Sou grato porque Ele tem me sustentado com sua fidelidade e amor. Sou grato por que Ele é o meu Pastor e nada me tem faltado. 

Sou grato a Deus. Alguém disse que uma das horas mais difíceis na existência de um ateu é aquele no qual ele sente o desejo de agradecer, mas não sabe a quem. Os mais duros agradecem a si mesmos, porque imaginam, tolamente, (deduzo eu), que cada dia é resultado dos seus esforços. Eu acredito que cada dia é fruto da misericórdia e graça do Deus da Bíblia que é soberano e tem todos os nossos dias registrados no livro da vida (Salmo 139).

Ontem, depois que todos foram embora eu me pus a refletir um pouco sobre esses sessenta e dois anos. Julgo que cada dia que passa eu me aproximo daquele inevitável momento do adeus. Perdoe-me a morbidez. Então pensei: "O que dirão de mim?". Compus esse texto. 

Confesso que me inspirei em um texto muito melhor do que o meu, da lavra de Vinicus de Moraes. Não me envergonho disso. Melhor imitar o excelente do que ser medíocre originariamente. Essa, portanto, é a minha versão, inspirada em Vinicius, mas totalmente minha.

O que dirão de mim quando eu não estiver mais por aqui?
Que digam que eu amei apesar de não conseguir amar como Deus em Cristo me amou. Mas digam de mim: - Ele tentou.
Digam que eu cantei porque a vida sem música é sem graça. Jesus cantou! Digam que eu cantei, principalmente porque Deus em Cristo me salvou.
Digam que eu chorei quando foi preciso, mas que eu também soube sorrir quando foi necessário, e que nunca me alegrei com o sofrimento alheio.
Digam que fui duro, mas que me arrependi e amoleci.
Digam que eu errei, mas que reconheci e pedi perdão.
Digam que fui romântico! Digam que escrevi! Mas meu assunto preferido foi o amor.
Digam que sonhei, ainda que a realidade tenha sido dura demais.
Digam que eu quis ser como Cristo foi, mas que isso se tornou impossível para mim.
Digam que eu abracei quando alguém precisava de um amigo e que jamais cruzei os braços diante das tarefas que a vida me impôs.
Digam que amei Angela, porque isso é uma verdade que eu queria que todos soubessem.
Digam que estou com Cristo e ainda que demore, ressuscitarei e serei erguido da terra para habitar a Eternidade com todos que, assim como eu, entregaram seus corações ao Senhor da Vida e da Morte, Cristo Jesus.
Se quiserem dizer.....
video

quarta-feira, 6 de julho de 2016

NA GRATIDÃO PODEMOS EXAGERAR



(Disponibilizo, com sua autorização, o texto de César Breder Chaves, meu genro. Adiciono aqui o que ele por humildade e sabedoria não disse, ou seja, que ele estudou sozinho, inglês e outras disciplinas para poder fazer os exames e ser aprovado. Foi um exemplo de dedicação e superação. Todos de nossa família nos orgulhamos dele e de sua conquista ao lado de sua esposa e filhos).

E mais um ciclo chega ao fim. Deixo a cidade de Hanover, New Hampshire, ansioso pelo que vem pela frente, mas com o coração grato a Deus por permitir que realizasse um sonho que parecia impossível.

Nesse momento me vem à memória uma história repleta de adversidades, desafios, superações e lições, mas marcada pelo valoroso apoio que recebi de muitas pessoas, apoio esse que gostaria de aqui registrar e honrar.

Tudo começou lá atrás, quando em meio a dias em que não sabíamos se teríamos o que comer, meus pais (Flávio Chaves e Inês) não se intimidaram e não mediram esforços para apoiar meus sonhos. O sacrifício que eles fizeram ao permitir que eu estudasse sozinho por 18 meses para o vestibular da FGV e o incentivo que me deram após 3 dolorosos fracassos foram incompreendidos por muitos, mas literalmente mudaram minha vida. Espero que Deus permita que eu tenha a mesma visão e a mesma humildade para engolir o orgulho e dar aos meus filhos um futuro melhor.

Contudo, esse sacrifício teria sido em vão se meus tios João e Ane Chaves Souza não tivessem, corajosa e gentilmente, sido meus fiadores no financiamento que fiz para pagar pela faculdade. E para ilustrar o risco que eles correram, não fosse por meu tio Osni, que fez um financiamento equivalente a um semestre da GV, eu não teria pagado sequer a primeira parcela do empréstimo - e teria perdido meu emprego também, já que bancários não podem ter seus nomes negativados no serviço de proteção ao crédito.

Porém, mal sabia eu, que começava ali uma série de dificuldades financeiras que iriam me acompanhar por vários anos e que quase me fizeram desistir do sonho de fazer um MBA no exterior. Mas Deus colocou em meu caminho pessoas muito especiais que não só me incentivaram, mas também viabilizaram esse sonho.

Ricardo Bonzo Filho, gestor responsável pela maior parte do meu desenvolvimento no banco, além de escrever todas as minhas cartas de recomendação para o processo de application para o MBA, ofereceu-se como uma espécie de fiador exigido pelo governo americano para emitir um visto de estudante.

Cesar Massao Okajima T'08 também escreveu todas minhas cartas de recomendação, mas mais do que isso, foi o grande responsável por eu ter aplicado pra Tuck (e provavelmente por eu ter sido aceito tb...).

Meu tio Eduardo Chaves, o qual descobri por acaso ser um tradutor juramentado, me presenteou com a tradução de meu diploma e histórico escolar, justamente num momento em que não tinha praticamente um centavo em minha conta para pagar por tal serviço.

E meu amigo Marcelo G. Cesar também merece uma menção especial. Naquelas incontáveis manhãs, horários de almoço e noites em que ficava no banco estudando para o GMAT, ele parece que sabia qual era a hora de entrar na sala e dar uma palavra de apoio. E além de pagar minha passagem para os EUA (e minha passagem de ida para o casamento de meu irmão), ele ajudou a abrir uma das portas mais importantes: a porta financeira.

Eu sempre soube que não teria condições financeiras para arcar com esse sonho, mas desde o início eu o coloquei nas mãos de Deus, na certeza de que se fosse da vontade dEle, as portas seriam abertas. E se não fosse, ao menos eu não iria me arrepender de sequer ter tentado.

Após ser recusado pelas poucas fundações e institutos que investem em brasileiros que querem fazer um MBA no exterior, eu me vi completamente sem alternativas. Até que um dia, inspirado numa combinação de soluções que pesquisara, eu compartilhei com o Marcelo uma ideia: criar um fundo de investimento no qual o valor investido seria revertido para minhas despesas durante o MBA, e o rendimento seria uma porcentagem fixa de toda minha renda durante 10 anos, contados a partir de um ano da minha formatura. Uma ideia muito interessante, por sinal, que permite que o pagamento não comprometa o meu salário de forma significativa, mas ao mesmo tempo torna o retorno para os investidores potencialmente muito atraente, uma vez que se eu for bem sucedido, eles receberão um valor muito superior ao investido.

Fiz uma série de cálculos e preparei uma apresentação, os quais o Marcelo revisou inúmeras vezes. O plano estava pronto. Faltava apenas um pequeno detalhe: quem iria colocar dinheiro nessa ideia maluca? Ricardo e Marcelo sondaram a pessoa que achávamos que teria maior potencial para fazer o primeiro aporte. A recepção da sondagem foi boa e então eu marquei um almoço com o potencial investidor.

De origem humilde e filho de dois funcionários públicos, Luis Otávio Matias saiu de José Bonifácio, no interior de SP, pra se formar em direito e começar uma carreira brilhante que o levou a se tornar Vice-presidente do maior banco da América Latina. Tive o privilégio de trabalhar sob sua liderança durante muitos anos no Itaú, mas nunca tive a oportunidade de desfrutar de sua intimidade a ponto de conhecer o tamanho de sua humildade e generosidade.

Admito que quando apresentei a ele o meu plano, esperava que ele fosse fazer um aporte no fundo, mas com ele no fundo eu poderia atrair mais investidores. Para minha surpresa, contudo, nada disso foi preciso. Luis Otávio topou ser o único investidor, e arcou com 100% de todas as minhas despesas. Não vou mencionar o valor aqui, mas você pode ter uma ideia se tentar estimar quanto seria necessário para começar sua vida completamente do zero num outro país e sustentar esposa e dois filhos ao longo de dois anos. Aluguel, mobília, carro, plano de saúde (que é absurdamente caro nos EUA), passagens para minha família, despesas com alimentação, remédio, internet, TV, celular, etc. Tudo isso foi viabilizado através do investimento feito pelo Luis Otavio. Eu não tinha sequer dinheiro para comprar agasalhos para suportar o frio de -25 graus em NH.

Às vezes gosto de pensar que foram minha criatividade e persistência que o atraíram a fazer esse grande investimento. Contudo, sei que na verdade ele foi motivado por sua generosidade e humildade. Humildade em reconhecer que uma pequena parte de seu sucesso se deve a oportunidades que não surgem para todos. E generosidade em entender que ao me ajudar estaria de certa forma retribuindo à vida pelas oportunidades que lhe dera.

Luis e eu acreditamos que essa história possa servir de inspiração para outras pessoas. Tanto para jovens que estão quase desistindo de perseguir seus sonhos por falta de recursos, quanto para pessoas que estão procurando uma maneira inteligente, eficaz, e mais importante, sustentável de ajudar o próximo.

Finalmente, não posso deixar de mencionar minha esposa. Eu poderia agradecer a ela pelo tempo cedido, por aguentar minha ansiedade (e stresse) ao longo do processo, pelas orações de joelhos a cada entrevista de emprego e pelas lágrimas roladas após tantos fracassos. Mas agradecer não é suficiente. Na verdade, agradecer não é justo, pois agradecer seria dizer que ela contribuiu para uma conquista minha, quando na verdade ela é tão dona dessa conquista quanto eu. Por isso, ela assina comigo esse post.

Amigos queridos, obrigado de coração pelo que vocês fizeram por nós. Vocês não só tornaram esse sonho possível. Vocês mudaram nossas vidas, e por isso ser-lhe-emos eternamente gratos. Que Deus retribua vocês pelo que fizeram, e que nos dê a capacidade de fazer por outros o que vocês fizeram por nós.

Cesar, Juliana, Biel e Bolão.


FAMÍLIA.....

FAMÍLIA.....
O MAIOR PATRIMÔNIO DE UM HOMEM É SUA FAMÍLIA

FILHOS

FILHOS
QUERIDOS