sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

E SE JESUS NÃO TIVESSE NASCIDO?

O que seria de mim se Jesus não tivesse nascido?

O que seria do mundo sem a linda história do Natal de Jesus?

Seria possível cantar algo tão lindo como Aleluia de Handel ou Jesus a Alegria dos Homens de Johann Schop, se Jesus não tivesse nascido?

Contamos a história com os famosos AC e DC. Como a contariamos se Jesus não tivesse nascido?

Foi por isso que, por boca do profeta Isaías, Deus se pronunciou nos seguintes termos: “Mas para a terra que estava aflita não continuará a obscuridade. Deus nos primeiros tempos, tornou desprezível a terra de Zebulom e a terra de Naftali; mas, nos últimos, tornará glorioso o caminho do mar, além do Jordão, Galiléia dos gentios”.  (Isaías 9.1)

Imagine você um mundo cheio de budas e maomés, um mundo repleto de ghandis e de confúcios. Esse seria um mundo vazio, sem sentido, cheio de idéias mas vazia de ideais, cheia de pesadelos porque não tem esperança, uma existência incerta e cheia de insegurança.

Agora imagine um mundo só com Cristo. Veja o que ele fez, o que falou, como viveu, morreu. Só Cristo basta. Não precisamos de mais nada, absolutamente mais nada.

Quando chega essa época do Natal parece que um certo encanto toma conta das ruas, das lojas, dos shoppings, das vielas, dos lares, das avenidas, dos prédios, das Igrejas. Não haveria isso tudo se Jesus não tivesse nascido e por mais que o tempo passe há sempre um remanescente fiel que acende a chama que parece se apagar.

Noite Feliz, é a canção que sempre cantamos nessa época do ano. Não haveria essa canção se Jesus não tivesse nascido. O que cantaríamos?

Oh! Que linda história é a história do nascimento do meu redentor. Oh! Como eu gosto de cantá-la, de ilustrá-la com encenações e traduzí-la com poesias.

Meu netinho Gabriel entrou na sala de casa. Ela está toda decorada com tudo aquilo que lembra que é epoca do Natal. Ele olhou, arregalou seus olhinhos de uma criancinha de apenas três anos, sorriu com um brilho especial em seu rosto e disse: - Que maravilhoso! Quando chegou a noite e ascendemos as luzes que decoram a varanda e a garagem da casa onde moramos, ele disse: - Vovó, como está lindo! Isso mesmo, tudo que lembra o Natal de Jesus, é lindo, maravilhoso. Isso porque Jesus nasceu.

Que mundo sem graça, em duplo sentido, seria esse mundo sem Jesus. Paulo diz que Jesus nasceu na plenitude do tempo. Nasceu no kairós de Deus, no tempo de Deus.

Já dei muitas voltas no quarterão da vida. Já vivi cincoenta e seis natais. Já cantei muitas músicas de Natal, e a magia é sempre a mesma, o encanto o mesmo, a alegria e a esperança se renovam, o coração acelera.

Que me permitam dizer a todos: a vida sem Jesus não tem graça, a vida sem Jesus não tem sentido, razão. Sem Jesus eu estaria por aí, sossobrando como um navio sem leme açoitado pelas tempestades da vida sem esperança de chegar a qualquer porto que fosse. Sem Jesus eu não poderia cantar sobre esperança, amor, humildade, paz, alegria.

Deus nos livre de vivermos em um mundo sem o Natal de Jesus.



segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

FELICITAÇÕES

"A TODOS LEITORES, E AQUELES QUE ME SEGUEM NESSE BLOG DE UMA FORMA ESPECIAL,
MEU SINCERO VOTO DE UM
NATAL COM CRISTO, PORQUE SEM ELE NÃO HÁ RAZÃO
PARA COMEMORARMOS O NATAL. QUE NO ANO DE 2011,
TODOS OS DIAS SEJAM DIAS DE NATAL, OU SEJA, DIAS
NOS QUAIS JESUS NASÇA E VIVA, FAZENDO DA VIDA
UMA EXISTÊNCIA CHEIA DE RAZÃO E PROPÓSITO"

LANÇAMENTO DE CARPE DIEM IV


APRESENTANDO A CANTATA
"UMA ORAÇÃO NO NATAL"




EU E MEU PEQUENO LEITOR - LUIGI


COMPANHEIROS DE MÚSICA E LITERATURA.


RODRIGO ALMEIDA....OBRIGADO PELO CARINHO.



CASAL ESPECIAL.....EDVAIR E TÂNIA


OUTRO CASAL ESPECIAL...CARLOS E IMAIR.


MINHA OVELHINHA ADÉLIA....


TEM GENTE QUE TRAZ ENCANTO PARA O PASTORADO. GENTE QUE NOS AMA APESAR DOS NOSSOS DEFEITOS...
GENTE COMO OSMIL....


QUANDO EU CHEGUEI EM MOGI DAS CRUZES...ERA SÓ, MÁRCIO E A ELAINE...
AÍ CHEGOU ESSA CRIANÇA LINDA, ANA JÚLIA (GRAÇA E ALEGRIA) 


MINHA ESPOSA QUERIDA.
ESSES SÃO MEUS NETOS....GABRIEL E SOPHIA...


COMO ALGUÉM DISSE NA HORA DA FOTO:
- É MAURÃO, A FAMÍLIA CRESCEU.
É VERDADE, CRESCEU MESMO. DEUS A TEM FEITO CRESCER.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

EU QUERO SER CRIANÇA PARA VIVER MAIS UM NATAL...


O Natal está chegando...as ruas vão ficando cada dia mais agitadas, as lojas mais cheias, as luzes decoram as casas, árvores, prédios e praças.

O Natal está chegando, e todos querem comemorar....com canções, com festas, ceias, vinhos espumantes....

O Natal está chegando e eu me lembro dos meus dias de infância quando esperava o presente, ansiava encontrar meus primos e comer aquele enorme e delicioso pernil assado no forno da padaria.

O Natal está chegando e eu me lembro dos pequenos poemas que tínhamos que decorar para recitar na Escola Dominical, das esperanças que se renovavam quando armávamos nossa árvore de Natal. Lembro-me dos algodões simulando uma neve que eu nunca vi.

Ah! O Natal está chegando e eu me recordo do primeiro Natal do qual me lembro. Era uma manhã e morávamos em um cortiço. Acordei com brinquedos sobre minha cama. Coisa simples, mas um tesouro para o coração de uma criança. Recordo-me do lindo sorriso do meu pai ao me ver feliz com tão pouco, dos seus olhos cor azul turquesa. Que saudades meu velho, meu querido....que saudades....Quantos natais, já, sem você.

O Natal está chegando e eu cresci. As lembranças dos encantos dos natais da infância me machucam. Não tenho mais paciência com ruas cheias e nem com lojas superlotadas. Ainda que os enfeites sejam mais sofisticados do que aqueles dos dias da minha infância eu os interpreto como arte, pura e simplesmente. Os brinquedos são mais sofisticados, mas por incrível que possa parecer, não têm graça. A família se reúne, e comemos boas comidas, há cantatas de Natal, muitas luzes acesas, presentes, abraços, poesias e encenações, mas....eu cresci...e estou a procura do encanto, da magia, da esperança do Natal da minha infância.

Não foram as crianças que apagaram a luz do Natal, não foram elas que tornaram o Natal uma época de recuperação do comércio, nem foram as crianças que transformaram o Natal em uma mera expressão artística....foram os malvados adultos como eu....

Eu quero ser criança de novo. Quero me emocionar com a história dos Reis Magos e daquela estrela que brilhou em Belém. Quero crer com toda força do meu coração e alma na história do menino que nasceu para salvar seu povo dos seus pecados.

Deus, não me deixe viver mais um Natal sem encanto, sem magia, um Natal sem alegria. Senhor me faz chorar com as canções, renova minhas esperanças. Senhor me enche da fé genuína que me faz olhar para o Natal com os mesmos olhos da criança que eu fui um dia, porque, afinal das contas fui eu que mudou. O Natal continua sendo a mais bela de todas as histórias. A história do nascimento do Salvador.

"A TODOS LEITORES, MEU SINCERO VOTO DE UMA NATAL COM CRISTO, PORQUE SEM ELE NÃO HÁ RAZÃO PARA COMEMORARMOS O NATAL. QUE NO ANO DE 2011, TODOS OS DIAS SEJAM DIAS DE NATAL, OU SEJA, DIAS NOS QUAIS JESUS NASÇA E VIVA FAZENDO DA VIDA UMA EXISTÊNCIA CHEIA DE RAZÃO E PROPÓSITO"

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

CONSIDERAÇÕES DE UM CIDADÃO BRASILEIRO

A guerra contra o narco-tráfico no Rio de Janeiro precisa ser vista com olhares muito perscrustadores. Invadir comunidades, chamadas favelas, deve ser entendida como parte do encaminhamento para a cura desse câncer que corrói a sociedade em todos as suas camadas em todo o mundo. Sim, invadir e dominar os locais de refúgio, os guetos onde os líderes desse nefasto comércio se escondem, é apenas parte. A terapia para tratar dessa doença vai mais longe.
Exponho aqui minhas considerações sobre esse assunto. Nunca me envolvi com drogas, pela graça e misericórdia de Deus. Nasci financeiramente pobre, mas fui rico na educação que meus pais me deram, apesar de ler com luz de vela e lampião, tomar banho de canequinha, ganhar o pão fazendo carretos nas feiras livres e ter vivido minha adolescência com muita carência.

É preciso que o país empreenda uma luta ferrenha nas fronteiras, naqueles locais por onde a droga entra. Precisamos controlar os "sacoleiros", as fronteiras tanto por terra, por ar e por mar. Não podemos ser o canal de comunicação das drogas para todo o mundo e para os morros e favelas. Que os países produtores de drogas sejam realmente fiscalizados nas fronteiras com nosso Brasil. Interessante o Evo Morales nacionalizar o gas extraído por empresa brasileira e colocar os brasileiros para correr. Mas onde está o pudor quando se trata da pasta de cocaína, e cocaína, tão produzidas em seu país e enviadas para todo o mundo? O Brasil precisa ser mesmo muito criterioso em suas fronteiras e não ser mais consumidor e nem uma mula continental para todo o mundo.

É preciso que as famílias de classe média e alta da sociedade se reestruturem, repensem o valor da família e dos princípios mais elementares da vida, porque são os filhos e filhas dessa classe que compram e consomem essas drogas. Precisamos abandonar a hipocrisia e encarar essa verdade.  Trabalhar como loucos só para construir e manter um status quo acima da média pode custar a vida dos filhos. A Bíblia diz com sabedoria: "Ensina a criança no caminho em que deve e quando for velho não se desviará dele" (Provérbios 22.6) Nessa questão sugiro que assistam o filme Hook- A Volta do Capitão Gancho, com Robin Willians e Dustin Hoffmann.

É preciso que todos aqueles que foram investidos de poder na política e na polícia e que se corromperam facilitando o tráfico e o crime, não só apenas no Rio de Janeiro, mas em todo país, sejam identificados e punidos exemplarmente. E que haja controlo constante daqueles que recebem do Estado o poder e a autoridade, para que os usem com responsabilidade, honestamente e sem exageros.

O governo precisa estar atento para a questão da moradia. Comunidades chamadas favelas existem, também, porque o governo faz vistas grossa à essa questão. Há áreas que devem ser desocupadas, ou reestruturadas, para oferecer nessa restruturação, as condições de moradia com dignidade porque nessas comunidades há muita gente honesta e trabalhadora. Se a geografia privilegia os criminosos que constroem suas "mansões" e fortalezas nos altos dos morros, se faz necessário, na ocupação, aproveitar o ensejo e contruir um forte com sistema de monitoramento 24 horas por dia, lá em cima com um sistema de entrada e saída seguros. Além disse é preciso aumentar, em muito, o número de UPP, Unidade de Polícia Pacificadora, com policiais realmente preparados, que conheçam as realidades dessa gente que, muitas vezes por falta de opção e desespero, se deixa seduzir pelos "benefícios" que os chefes do tráfico lhes oferecem.

Grande parte desse morros são inabitáveis e são áreas de enorme risco no tempo das chuvas de verão principalmente. O governo deve remover esses moradores dali e oferecer, em outro local, uma moradia, quem sabe do mesmo tipo que o sr. Paulo Maluf construiu em São Paulo, por exemplo, porque como já disse aqui, essas comunidades são compostas, em sua grande maioria, de gente honesta e trabalhadora.

Precisamos abandonar a hipocrisia e olhar essa questão com seriedade e responsabilidade. Precisamos de um sistema prisional que dê ao indivíduo condições para que ele seja mesmo ressocializado e não mais escolado para o crime. Não nutro a esperança de que muitos possam ser devolvidos à sociedade em condições de exercer sua plena cidadania encarando a vida de frente, com seus deveres, responsabilidades e privilégios, mas o Estado tem a obrigação de oferecer recursos para essa ressocialização. Nossos presídios são "vulneráveis demais". Os presídios são verdadeiras universidades do crime. Para quê segurança máxima se os cuidados são mínimos. Deve-se ter um e não negligenciar o outro.

Além disso, é preciso que tenhamos leis mais duras. A impunidade é o fermento da violência. Dizer que o crime não compensa, principalmente no Brasil, é fazer apenas discurso, já que temos maus exemplos da classe política dessa nação que se deram muito bem, pelo menos em nível de nossa humanidade. Não tenho dúvidas de que terão que prestar contas a Deus o Criador e Mantenedor de todas as coisas, mas por aqui, tem muitos deles que estão bem guardados em condomínios de luxo e com segurança, 24 horas por dia. Um paradoxo, um contrasenso, não? 

Se vamos punir, punamos a todos indiscriminadamente; pobres e ricos, cultos e incultos, colarinhos brancos ou de qualquer outra cor....mas que todos sejam contemplados com o mesmo rigor da lei.

O governo precisa rever urgentemente questões prioritárias como a Educação e a Saúde. O rico continua tendo privilégios nessas questões e ele não é melhor que o pobre. Ora, ambos são feitos da mesma massa, têm as mesmas necessidades básicas, não entendo qualquer justificativa em favor de suprir essas necessidades de forma diferente. A injustiça social também fomenta e estimula a criminalidade. É certo que não a justifica, mas que explica, explica.

Creio que é possivel expandir essas considerações. Eu as fiz mais movido por um sentimento de amor pela pátria e por civismo. Não posso deixar de opinar sobre essas questões. Elas estão na soleira de minha porta, eu me deparo com elas pelas ruas por onde ando, eu as ouço nas conversas, eu as vejo nos jovens e nas famílias fraturadas, eu as sinto na carne ao ver gente do meu sangue e mui próximas a mim vitimadas.

Eu escrevo isso aqui, com humildade, sabendo que não tenho as respostas para todas as perguntas a respeito de assunto tão complexo. Por isso eu me submeto às críticas procurando com isso, contruir, pelo menos com minhas palavras, um mundo mais justo e mais digno para as futuras gerações, porque, afinal das contas, sabemos que colhemos aquilo que semeamos.

Um abraço no Rio de Janeiro, Cidade Maravilhosa de gente alegre e criativa.


terça-feira, 30 de novembro de 2010

LANÇAMENTO DE CARPE DIEM IV - 19/12/2010 - 19H00 - IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL EM MOGI DAS CRUZES - AV. HENRIQUE EROLES, 137 - ALTO IPIRANGA - MOGI DAS CRUZES

Prefácio e Depoimento do Rev. Haroldo Reimer

Sinto-me privilegiado em poder escrever um breve prefácio ao Carpe Diem IV. Preciso, porém, confessar algo que nunca compartilhei a ninguém.

Creio que foi no ano de 2007 que o Rev. Mauro me ofereceu uma cópia do primeiro Carpe Diem. Agradeci a gentileza, levei o livro para casa e o acomodei no meio de outros livros que não havia lido ainda. Realmente não estava muito ansioso por ler o livro. O título “Carpe Diem” me desanimou.

Não entendo latim, e o fato do livro ter o título em latim me levou a crer que o conteúdo era mais um tratado intelectual em linguagem que impressiona, mas que poucas pessoas entendem. Torna-se necessário ter um dicionário à mão a fim de saber o que o autor quer dizer, e freqüentemente, se dá para entender algo, chegamos à conclusão que pouco (ou nada) tem contribuído para o nosso crescimento espiritual.

Quando afinal abri o livro, descobri meu engano. O título, sim é latim, mas o miolo é uma mina de ouro, escrito em linguagem do povo, falando o que povo quer, e precisa ouvir.

Carpe Diem IV é mais do mesmo. É alimentação para a alma, seu arroz e feijão, o bife e a salada de cada dia, que sustenta o seguidor de Cristo nesta jornada que chamamos vida, num mundo inimigo de Deus e hostil contra os que desejam ser amigos de Deus. É nutrição que faz crescer o filho de Deus em dedicação e santidade. É um desafio aos que crêem em Jesus para continuar firmes na luta contra as forças do mal e viver em obediência às ordens do nosso Senhor, levando a mensagem de salvação a todos ao nosso alcance.

Com toda sinceridade, recomendo este livro do Rev. Mauro a todos os crentes em Cristo. A leitura de Carpe Diem IV, um capítulo a cada dia, vai enriquecer a sua vida espiritual e ajudá-lo a encontrar vitória sobre as artimanhas do nosso inimigo e sucesso em viver uma vida que agrada o nosso Salvador e Senhor Jesus Cristo.

Obrigado, Mauro, estarei à espera do número V.

Haroldo Reimer

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

CERTO OU ERRADO? ESTA CADA DIA MAIS DIFÍCIL DECIDIR

Lamentável a atitude de alguns "alunos" e outros que engrossaram o caldo naquela "passeata" contra o Mackenzie na questão da homofobia.

Para começo de conversa eu não tenho fobia de homossexuais. Eu não tenho preconceito contra eles. O que eu tenho é um conceito sobre a prática homossexual. Eu creio que a Bíblia é meu livro único de regra, fé e prática, e se assim é e nela está escrito que a homossexualidade é transgressão da lei de Deus, eu me posiociono ao lado dela. É uma questão de coerência.

Isso está muito longe de ser fobia. Fobia têm os homossexuais contra aqueles que entendem que o que eles praticam é errado. E agem, como no caso do Mackenzie que é uma instituição que prima pela luta contra o preconceito e a discriminação. Esses aí, desavisados, emocionalmente desequilibrados, não sabem (não direi nem que se esquecem porque eles não sabem mesmo, é um grave caso de ignorância) que o Mackenzie nasceu também para assistir israelitas, negros escravos e protestantes em um tempo no qual eles eram discriminados. Menino sentar na mesma sala de aula com menina é uma coisa que começou no Mackenzie é o que ouvi falar. Em termos de Bolsa de Estudo o Mackenzie é pioneiro e um excelente exemplo coisa da qual posso falar com conhecimento de causa já que fui beneficiado como Bolsista assim como todos os meus filhos.

Conheço o Reverendo Augustus Nicodemos Lopes. Não vou aqui gastar nem uma linha sequer para descrever sua intelectualidade que é notória. Seria desnecessário discutir se ele sabe o que escreve e o que fala. É um homem idôneo. Mas no que concerne sua espiritualidade, sua vida cristã e atitudes de humildade isso eu faço questão testemunhar positivamente em qualquer tribunal a que for chamado. Ele não é homofóbico, como eu não sou e nem a Igreja Presbiteriana do Brasil o é. Temos nossas convicções firmadas nas Escrituras e não vamos nos curvar diante de quem quer que seja. Falo por mim, principalmente. Nem o Rev. Augustus e nem a IPB me comissionaram para escrever isso. Gritem o quanto quiserem. Chamem a Bíblia de livro ultrapassado, rotulem nossa religião e nossos valores morais e éticos. Não vou arredar pé.

O que estão fazendo não é uma reinvindicação inteligente e com bases sólidas. O que estão fazendo é terrorismo. Justamente aquilo que os homossexuais dizem sofrer, querem eles aplicar àqueles que não pensam como eles. Apitaço, cornetaço, cartazes, macho vestido de fêmea, gritaria, desmaios simulados, não vão me assustar e nem me fazer recuar um milímetro que for de minhas convicções.

Também não vou sair distribuindo pauladas em ninguém e tampouco vou ofender moralmente quem quer que seja. Violência não resolve problema nenhum. Sou a favor do diálogo franco, sincero e sem passionalidade. Vou mais longe...seria louco qualquer um que tentasse dialogar com aqueles que estavam participando da tal "passeata". Não tenho a menor sombra de dúvida que corria o risco de ser linchado. Teve até quem disse que iria fazer uma passeata dentro do Mackenzie, mostrando sua ignorância quanto a lei.

Não li o pronunciamento que dizem gerou todo esse embróglio. Fui informado, todavia, que esse texto está no site do Mackenzie desde 2007. Pergunto: Qual a razão disso agora? É preciso que se entenda que o Mackenzie, assim como outras Universidades, é lugar de pesquisa, de estudo, de refino da intelectualidade, de intercâmbio de conhecimentos. O Mackenzie não é Motel. No Mackenzie o educando entra para pesquisar e adquirir seu diploma na área que almeja. Assim se os homossexuais querem praticar o sexo do seu jeito, não é no Mackenzie, como não é na USP ou em qualquer outra instituição do gênero que deverão fazê-lo. Para as Universidades o que importa é que o educando encontre um ambiente favorável para o aprendizado.

Podem me rotular como quiserem, mas busco a coerência. Para mim é a Bíblia que determina o que é certo e o que é errado. Não sou pelo relativismo que tem jogado a moralidade da sociedade contemporânea na lata do lixo. O relativismo tem sido responsável por vivermos como um barco sem leme. Para muitos incautos, que não fazem uma leitura correta da história da humanidade, quanto pior melhor. São os abutres de plantão esperando a carniça. São aqueles que têm muita avidez por desconstruir, mas são totalmente inábeis para construir em qualquer sentido que se entenda esse verbo.

A PLC 122/2006 deve ser chamada de A Lei da Mordaça. Interessante a hipocrisia no mundo de hoje. Pode-se fazer piada com o nome do Presidente, mas não podemos dizer, com base nas Escrituras, que homossexualidade é pecado. Durma-se com um barulho como esse.

O Rev. Augustus Nicodemos Lopes tem meu apoio. O Mackenzie tem o meu apoio.

Não os apoio porque tenho dívida de gratidão, mas porque não posso me calar diante daqueles que tentam calar a voz da minha consciência, luta inglória porque Deus criou a consciência e por mais que alguém tente se enconder, ela sempre o encontra. E a consciência de todos, inclusive dos próprios homessuxais os encontra....ainda que tentem se esconder por trás de uma lei tão anti-democrática.

A homossexualidade é um erro. Quem diz isso? A Bíblia. Queimem-na. Já tentaram isso outras vezes.....Ponto final

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

CONTEÚDO: MUITOS DA CIDADE PARA CRISTO

CONTEÚDO: MUITOS DA CIDADE PARA CRISTO: "Olhe para a cidade onde Deus, em sua soberania tem feito você morar. Perceba a dinâmica dela ao seu redor. Olhe as pessoas e pense nelas m..."

MUITOS DA CIDADE PARA CRISTO

Olhe para a cidade onde Deus, em sua soberania tem feito você morar.

Perceba a dinâmica dela ao seu redor.

Olhe as pessoas e pense nelas mais do que nas coisas, porque pessoas são mais importantes que coisas.

Questione: Quantas dessas pessoas são de Cristo, foram eleitas antes da fundação do mundo?

O questionamento é mais perscrutador se pensarmos a respeito das pessoas com as quais temos tido contato todos os dias, como nossos vizinhos, no comércio que freqüentamos e assim por diante. Pode ser gente de nossa própria casa, parentes, esposa, esposo, filhos, noras, genros, netos. Há muitos que precisam ouvir o evangelho porque é ele, o evangelho, que sob a luz do Espírito Santo, produz a regeneração e faz nascer a fé sem a qual não podemos agradar a Deus e nem nos aproximarmos dele.

Atos dos Apóstolos fala do cristianismo em seus primórdios e mostra o quão humanos e limitados eram os homens que Deus usou para a propagação do evangelho. Pedro, aquele que negou a Cristo, foi o que pregou os primeiros sermões que serviram para a conversão de aproximadamente 5000 almas. Encarou os judeus de todas as partes do mundo e disse: - As autoridades da religião judáica foram responsáveis pela morte do Messias, mas Deus, por seu grande poder, O ressuscitou.

Felipe fez a inserção do evangelho para o samaritano e o gentio. Barnabé, Marcos, Lucas, Silas, Paulo, todos homens que Deus usou, mas homens, pura e simplesmente.A leitura de Atos mostra o quanto eles eram como nós, pessoas limitadas, frágeis, simples e em alguns momentos, inseguras.

Em Corinto, Paulo usou o mesmo método que usara nas outras cidades, ou seja, entrava na sinagoga e pregava o evangelho sobre dois assuntos especiais, a saber:

(1) O Messias tinha vindo, a promessa havia sido cumprida, mas ele foi morto por causa da incredulidade das autoridades religiosas.

(2) Todavia, ao terceiro dia, o Messias ressuscitou dentre os mortos. Ele mesmo, Paulo, havia visto o Cristo ressurreto.

E como sempre acontecia, Paulo era mal compreendido e rechaçado. Em Corinto não foi diferente. Nessa cidade muitos que o ouviram na sinagoga o amaldiçoaram. Ele havia vindo de Atenas onde pregara no areópago, sendo também zombado e ignorado justamente quando começava a falar sobre a ressurreição de Jesus. Agora em Corinto acontece esse tipo de violência verbal terrível. Ele teme por sua própria vida e saindo da sinagoga passa a pregar aos gentios. Paulo era homem como eu e você. Foi nesse contexto que Deus falou com ele. “...: Não tenha medo, continue falando e não fique calado, pois estou com você, e ninguém vai lhe fazer mal ou feri-lo, porque tenho muita gente nessa cidade. Assim, Paulo ficou ali durante um ano e meio, ensinando-lhes a palavra de Deus”. (NVI Atos 10.9-11) Aqui nesse texto há lições que servem, indiscutivelmente, para todos nós, ainda que tanto tempo nos separem.

1) A pregação do evangelho sempre encontrará dura resistência em qualquer lugar. Aqui em nossa cidade, não é diferente, em absoluto. A igreja não é só diferente do mundo em seus valores morais e éticos. A Igreja se opõe ao mundo; são antagônicos. Vamos sempre ser confrontados, muitos irão zombar, e outros até perseguir duramente. O evangelho se distingui de tudo o mais ao nosso redor. Ele é diferente no seu conteúdo soteriológico, ou seja, a sua teologia da salvação é fundamentada totalmente na graça de Deus. O que você precisava que fosse feito por tua salvação, Cristo realizou (Romanos 1.16,17). Boas obras não salvam. O evangelho também é ímpar e singular na questão dos valores éticos e morais. O convertido, o regenerado, aquele que nasceu de novo, passa a ter um coração tranformado, com valores diferentes do mundo. Onde antes reinava a carne, o mundo e o diabo agora reina Cristo.

2) Deus está no comando da atividade evangelística seja em que circunstância for. Aconteça o que acontecer conosco em nossa ação evangelística, Deus está no comando. É preciso continuar. A questão mais grave é ocorrer conosco o que aconteceu com Paulo, ou seja, desanimar. Sim, Paulo desanimou! Você acha isso impossível? Eu não! Ele era como eu e você, um ser humano, uma pessoa com emoções. É preciso que entendamos que Deus está no comando. Esse episódio nos ensina isso. Foi preciso uma intervenção divina para que Paulo fosse despertado de sua depressão que nasceu nos embates da lida missionária. Eliseu ficou deprimido, Paulo também, e conosco pode acontecer o mesmo, mas não nos esqueçamos de que Deus está no comando e suprirá nossas necessidades e nos manterá em segurança.

3) Deus tem muitos desta cidade (Mogi das Cruzes). Ao olhar as ruas e a dinâmica de nossa cidade, vejo as pessoas e penso que aqui em Mogi das Cruzes (você aí que me lê coloque aqui o nome da cidade onde você reside, pois ela é de tua responsabilidade), há muitas pessoas que foram eleitas e que esperam que lhe comuniquemos o evangelho.

Então, prezados irmãos lancemos nossas redes, descruzemos os braços.....Há muitos dessa cidade (seja ela qual for) para Cristo.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

O PECADO (Você vai ler?)

Nada há de mais danoso, nada há de mais letal do que o pecado. Nossos primeiros pais praticaram-no pela primeira vez e todos nós, seus descendentes, nascemos com essa enfermidade que acomete o coração e a alma. Do ponto de vista genético espiritual, nascemos pecadores e por conta disso pecamos. Por isso Paulo afirma que todos pecaram (Rom. 3.23), e também afirma que o salário do pecado é a morte (Rom. 6.23)

Muitos têm tentado se esquivar dessa questão ao argumentar que não existe pecado, mas que o homem tendo descendido dos animais irracionais ainda vai levar um tempo para se humanizar. Outros tentam relativizar o pecado ao afirmar que há determinadas condutas que são consideradas pecado em uma cultura, mas que são facilmente aceitas em outra cultura como algo normal.

A questão toda é que a doutrina do pecado não é nada popular, você e eu, prezado leitor, sabemos muito bem disso. E nem gostamos muito de tratar dessa questão. Há aqueles que alegam que não é politicamente correto tocar nesse assunto. Outros afirmam que devemos somente falar da graça de Deus e se sua misericórdia e deixar que o Espírito Santo cumpra essa tarefa.

Mas veja você em que situação nos encontramos: Não haverá condições de entender a doutrina da encarnação, nem a doutrina da regeneração, tampouco a doutrina da santificação ou evangelizarmos com eficiência sem um entendimento suficiente da doutrina do pecado. A primeira verdade que precisamos considerar com respeito às nossas vidas é entender que o pecado nos afasta de Deus e impede que tenhamos com Ele, e com todos os demais semelhantes, um relacionamento saudável. O que nos separa de Deus é o pecado e o que nos afasta uns dos outros não são os desníveis sociais e intelectuais, ou políticos partidários, ou qualquer outra coisa; o que nos afasta de Deus e uns dos outros é o pecado. Por isso é preciso que aceitemos que somos pecadores, que temos pecado de várias formas e que precisamos saber como solucionar esse problema.

Paulo disse que o “salário do pecado é a morte”, porém assevera como um hino de louvor ao concluir...”mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor”. Deus condenou toda a humanidade à pena de morte, mas providenciou um caminho de salvação. Jesus é esse caminho de salvação. Aliás, foi ele mesmo quem disse: “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida, ninguém vem ao pai se não por mim”. (João 14.6) Por isso Paulo disse que a vida eterna é em Cristo Jesus.

Assim concluímos: O único que salva é Jesus. A forma ou o modo do batismo cristão, não salva. Guardarmos esse ou aquele dia, não salva. Essa ou qualquer outra pessoa, não salva. Só Jesus salva. Foi ele, e ninguém mais, quem morreu na cruz do calvário, vicariamente, ou seja, no meu e no teu lugar. Quem crê nEle e em sua obra, não será julgado, mas quem não crê, já está condenado. (João 3.18)

Jesus salva, primordialmente, a alma do inferno. Jesus tem poder para curar enfermos, para fazer alguém prosperar financeiramente, se isto estiver de acordo com os propósitos eternos de Deus o Pai. Mas Jesus veio ao mundo, primordialmente, para salvar-nos da condenação eterna, para nos reconciliar com Deus o Pai. (Romanos 510,11)

Jesus assumiu nosso lugar na cruz e pagou a dívida que tínhamos para com Deus.

Em Jesus, Deus manifestou sua justiça com respeito ao pecado, punindo Cristo no lugar do pecador.

Compreender corretamente a questão do pecado nos fará olhar para a cruz com fé, sermos socorridos nela e salvos por Cristo da justa condenação dos nossos pecados.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

A LEI DA HETEROFOBIA

Pois é....

Agora vou dar o meu grito.

Não dá mais para aguentar tanta hipocrisia e a intolerância dos "apologetas da tolerância".

Os homossexuais que pratiquem o sexo do jeito como o desejarem fazer, mas empurrar tal prática por minha garganta abaixo, lamento dizer, não posso tolerar, muito menos concordar.

Atacar o Mackenzie já é um ato de terrorismo contra a livre expressão de valores éticos e morais, contra a livre expressão de nossa cosmovisão a partir das Escrituras Sagradas. Nela, a homossexualidade é considerada pecado, é pronto. E se o Mackenzie é uma instituição confessional e se nessa sua confessionalidade ela se fundamenta na Bíblia, nada mais natural do que ter sua posição, suas fronteiras, bem nítidas e demarcadas. Qual é o problema? Não se está fomentando violência contra os homossexuais. Eu estudei no Mackenzie, meu filhos também, minha história se confunde com essa instituição de ensino centenária, responsável. Convivi com homossexuais lá dentro, conversei com eles, tomei cafezinho com eles, entrei na mesma Biblioteca que eles frequentam para estudar (Prédio 3), mas como cristão nunca os destratei e nem os discriminei. Lá entramos para estudar, pesquisar, refinar nossos conhecimentos intelectuais. O Mackenzie nasceu para atender os judeus, os protestantes e os negros escravos em um período no qual essa classe de gente tinha pouca oportunidade em qualquer instituição de ensino. O Mackenzie é o grito contra o preconceito e a discriminação.

Agora vem os homossexuais tentando calar nossa voz quando afirmamos que, de acordo com as Escrituras, a prática dos mesmos é pecado? Não se está insuflando o apedrejamento. Não se está conclamando o povo a isolar os homossexuais como os leprosos o eram nos dias de Jesus. Em absoluto! Agora tentar usar de terrorismo contra o Mackenzie, já é exagero de quem não tem emocionalidade equilibrada. Já é ir longe demais.

Vou então, estudar a possibilidade da criação da Lei Heterofóbica, porque declarar que sou heterossexual será um crime daqui a pouco.

Vivemos mesmo em um mundo hipócrita onde tentam nos convencer de que o certo está errado e de que o errado está certo. Isso é fruto do pós-modernismo que jogou na lata do lixo qualquer conceito sobre verdade absoluta instituindo o relativismo. Hoje, mais do que nunca, se deixarmos a Bíblia de lado, se torna difícil, muito difícil definir o que é certo e o que é errado.

Que a Democracia pedromine. Que a liberdade de expressão seja o suor da democracia e que eu possa expressar o que penso sem ter que me esconder como fazia nos tempos dos porões do Dops.

Lamentável, simplesmente lamentável.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

AINDA HÁ TEMPO! (Escrito por Rodrigo Almeida)

Se pudéssemos voltar ao passado, o que mudaríamos em nossas vidas? Talvez, aquele que usou a mão para bater, a usasse para afagar. O que ofendeu, dissesse palavras de carinho. Aquele que partiu, voltasse. Quem mentiu, lutasse pela verdade. O que odiou, pudesse amar.

Muitas vezes nos questionamos: Por que não fizemos o que era correto? Por que preferimos viver a vida sem valorizar o tempo? Uma pessoa que não valoriza o tempo é alguém que não valoriza a vida. Quanto vale uma hora de conversa, ou dois minutos de elogios? Qual é o valor de um minuto de abraço, ou dos segundos que um beijo nos toma? Quanto vale o tempo de uma família reunida?

Por que não valorizamos o tempo de nossas vidas? Qual o motivo de andarmos perdidos na escuridão da individualidade, do que juntos pelo caminho iluminado? Se procurarmos uma razão, certamente iremos achar. Se buscarmos um motivo, este se revelará diante de nós.

Por que esperar uma vida toda, para descobrirmos o seu valor? Por que aguardar que o fim se aproxime, para pensar nos erros do começo? A palavra lançada não voltará. A atitude tomada não deixará de existir, o tempo perdido não retomará o valor que lhe era devido.

Preocupamo-nos com o que perdemos ontem, no que ganharemos amanhã, mas não valorizamos o que nos é dado hoje. Somos ingratos sem ao menos sermos dignos, somos egoístas muito antes de sermos merecedores.

Qual o valor do seu dia? O hoje deve ser a nossa preocupação, para que o amanhã não seja tomado pelo arrependimento. Somente poderemos mudar o futuro, se valorizarmos o presente. É preferível viver a alegria do presente a chorar as lágrimas do que passou.

Como recebemos o presente que nos é dado a cada manhã? Qual é o valor do tempo? Pergunte a filha que viu sua mãe partir: Qual o valor do tempo que viveram juntas? Questione ao mutilado, o valor de seus próprios passos. Ouse refletir sobre a solidão de quem nunca teve uma família, ou daquele que vendo seu filho enfermo, não teve tempo para curá-lo.

Ainda há tempo!tempo!

Para que as nossas memórias sejam cristalinas, para vivermos um novo dia, para valorizarmos o presente que nos é dado. Para estender a mão ao que clama.

Ainda há tempo!

Para o beijo que não foi dado, para o carinho omitido, para o perdão que foi retido, para amarmos e sermos amados.

Ainda há tempo!

De mudar o presente, de valorizar o momento, de preferir o amor ao ódio, de fazermos o que é justo e correto. De descobrirmos que não somos o fruto do mero acaso, que a nossa vida tem um propósito, uma razão.

Ainda há tempo!

Para secarmos a lágrima, sermos felizes e vivermos unidos. Para sofrermos a tristeza do outro e juntos nos alegrarmos para sempre.

Ainda há tempo ...

Rodrigo Almeida

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

VAIDADE E AMBIÇÃO Proverbios 22.4

O mundo se apresenta a nós na mesma experiência trágica com que se apresentou aos nossos primeiros pais, no Éden. A história se repete e, se não estamos espiritualmente preparados, caímos também.

Vejam bem: Egoísmo é a estrada que nos leva ao pecado da ambição desmedida e irracional. Egoísmo é uma atitude mental reprovável, pois nos faz olhar para nós de forma única e exclusiva. A tentação a que nossos pais foram submetidos foi terrível. A proposta era sutil. Foi assim que o episódio da queda se desenrolou: “É certo que não morrereis. Porque Deus sabe que no dia em que comerdes se vos abrirão os olhos e. como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal”. (Gn 3.4-5) - disse Satanás. Vejam bem o ardil. Satanás não disse que eles seriam como Deus é, mas sim que eles, como Deus, passariam a conhecer o bem e o mal. Adão e Eva só conheciam o bem. Eles foram feitos moralmente, à semelhança de Deus. De fato eles não conheciam o mal. O pior é que ao conhecerem o mal, se tornaram servos dele, escravizados por ele.

Hoje vejo aquele fatídico episódio se repetindo em minha vida e nas vidas daqueles a quem amo e pastoreio. Vejam o que lemos na Bíbia: “Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derre-dor, como leão que ruge procurando alguém para devorar”. (I Pedro 5.8) Se vocês pensam que o episódio do Éden tendo como “vítimas” nossos primeiros pais é um fato isolado, se enganam. Ele se repete comigo e com você. Vejamos: O diabo chega de mansinho e sussurra: - Você precisa melhorar sua condição social. Veja o carro de fulano. Veja a casa de beltrano. Veja como eles prosperam. E fazemos exatamente como Eva que olhou, achou agradável aos olhos, tomou e comeu. Então mergulhamos no trabalho, buscamos nos envolver socialmente com pessoas nas quais vemos possibilidade de ascenção social e, ambicionando um melhor status quo, vivemos única e exclusivamente para nós mesmos. Deus? Ah! Ele pode esperar porque no momento estamos preocupados com nossa ascensão social visíveis no carro que queremos ter, na casa onde almejamos morar. Compreendamos que não há nada de errado em termos um bom carro e morarmos bem, o equívoco lamentável é subtrair Deus do nosso projeto de ascensão social. Como é fácil esquecermos da palavra de Deus que nos adverte: “Agrada-te do Senhor e ele satisfará os desejos do teu coração”. (Salmo 37.4) Aqui temos uma exortação a que nos aproximemos de Deus de maneira integral e compromissada e uma promessa de que ele atenderá os anseios dos nossos corações.

Conheci um casal que frequentava a Igreja com assiduidade e responsabilidade, mas que de repente evaporaram. Procurei-os e perguntei qual a razão do sumiço. Confidenciaram-me que se preparavam para o casamento e que estavam preocupados em fazer seu “pé de meia” e por isso não tinham mais tanto tempo para a Igreja. Quando desse –me disseram - voltariam. Eu fiquei atônito e boquiaberto. Resultado: Casaram, construíram um patrimônio, descasaram e estão tão longe de Deus quanto o diabo da cruz de Cristo. Fico a me questionar: será que eles eram mesmo convertidos?

O egoísmo gera dois filhos gêmeos: a ambição e a vaidade. Tiago e João nutriram essas coisas em seus corações quando pediram a Jesus que ao voltar em sua glória eles se sentassem um ao lado direito e outro ao lado esquerdo do mestre. Disseram estar dispostos a pagar o preço que tal proposta valia. Jesus disse: “Não sabeis o que pedis”. (Marcos 10.38)

Olhe para dentro de você. Se Deus não estiver no topo das prioridades, se ele não for tua ambição, o maior desejo do teu coração, pode esquecer; nada vai te satisfazer, é tudo vaidade, pura e tola ambição.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

JUSTAMENTE MISERICORDIOSOS.



















As testemunhas de Jeová dizem que nós os cristãos erramos quando dizemos que Jesus foi morto em uma cruz. Dizem que Jesus foi morto em uma estaca. Já lançaram isso em meu rosto um cem número de vezes. Uso o mesmo argumento que me ocorreu na primeira vez em que me disseram isso. Eu digo a eles: - Não importa a forma como Cristo morreu, ou seja, se foi em uma cruz como nós dizemos ou se foi em uma estaca como dizem vocês. A questão não é como Jesus morreu, mas porque Jesus morreu. E a partir daí eu lhes falo de duas coisas que se encontram na cruz: Justiça e Misericórdia. E me parece de forma muita clara que eles não entendem nada a respeito de Justiça e de Misericórdia. Então explico a eles.

Para a questão do pecado humano, era necessário que Deus manifestasse sua justiça. Ora Ele mesmo disse aos nossos pais, Adão e Eva, que se comessem do fruto proibido, eles morreriam. Deus não é homem para mentir e nem filho de homem para se arrepender. Tendo desobedecido, nossos pais, e todos os seus descendentes, receberam a pena da morte física, espiritual (foram alijados da comunhão com Deus) e eterna (uma existência sem a manifestação de Deus em um lugar chamado inferno). O Deus soberano havia criado um Jardim para nossos primeiros pais, um lugar de paz, harmonia e onde Ele tinha comunhão com eles. Tudo isso foi lançado por terra por conta do egoísmo. Nossos pais foram expulsos do paraíso. Que tragédia! Mas em maio ao caos Deus apontou o caminho da misericórdia. Ao dirigir-se à serpente ele disse: “Porei inimizade entre você e a mulher, entre a sua descendência e a descendência dela; este lhe ferirá a cabeça e tu lhe ferirás o calcanhar”. (Genesias 3.15) Aqui temos o anúncio da misericórdia de Deus, ou seja, a semente da mulher iria pisar na cabeça da serpente. Algo seria feito contra satanás e contra a morte que ele patrocinou ao tentar nossos primeiros pais.

O sepulcro vazio foi o golpe definitivo contra a morte. No momento em que a semente da mulher, Cristo Jesus, ressuscita dentre os mortos, a morte foi vencida (I Cor. 15.54-58). Justiça feita. Paulo escreveu “...o salário do pecado é a morte...” (Rom. 6.23). Jesus pagou esse preço.

Naquela cruenta cruz encontramos a justiça e a misericórdia de Deus. Sim, porque naquela cruz Deus aplicou em Seu Filho a justiça que deveria cair sobre nós. Aquela cruz não era dele e nem para ele. Era minha e tua. Mas Deus o Pai, por amor a nós, colocou-O ali, em nosso lugar. Ali a Justiça e a Misericórdia se encontraram de forma notável.

O evangelho é incomparável porque faz jungir Justiça e Misericórdia em um momento histórico sem igual. Toda a criação contemplou o enigma da cruz porque lá, Deus, justo juiz, manifestou sua justiça, mas demonstrou o amor que vai além de nossa compreensão agindo misericordiosamente em prol dos seus eleitos, aqueles a quem Ele escolheu antes da fundação do mundo.

Olhando para o enigma da cruz posso compreender o que disse Tiago ao escrever..."Falem e ajam como quem vai ser julgado pela lei da liberdade; porque será exercido juízo sem misericórdia sobre quem não foi misericordioso. A misericórdia triunfa sobre o juízo!”. (NVI Tiago 2.12-23)

Sejamos justamente misericordiosos! É assim que nosso Deus é!

terça-feira, 24 de agosto de 2010

A LOUCURA DAS ELEIÇÕES 2010

Sinceramente?

Eleições no Brasil virou coisa de louco, maluco, coisa de doido. Talvez você fique espantado com essas minhas palavras, mas é isso mesmo que eu penso. É coisa de louco varrido. Bem, você está pensando o quê? Você por algum acaso já viu alguns dos candidatos? Sim, os "candidatos". Considere você que nessas eleições apareceu aquela restritiva que é a tal da "ficha suja". Mas tem muito candidato aí que tem ficha limpa para quem eu, não só não dou meu voto, como nem ouço seus apelos e nem vejo seus rogos por votos no famigerado horário eleitoral que é uma afronta à democracia.

Para presidência, ainda não sei em quem votar, mas sei em quem não vou votar. A candidata do PT está, desde os primórdios, quando andava de "mãos dadas" com o Sr. Presidente em inaugurações de tudo que fosse possível, totalmente alijada de qualquer possíbilidade. Mas, espere um pouco; se você pensa que não irei votar nela pelo seu passado como terrorista, está redondamente enganado. Explico: Paulo, o apóstolo, também foi um "terrorista" contra o cristianismo. Sua ação foi avassaladora em Jerusalém. Leia Atos 8. O homem foi tão duro, que o próprio Cristo veio convertê-lo quando estava à caminho de Damasco com intenções nada elogiáveis. Mas sabe qual é a diferença entre Dilma e Paulo. A diferença está em que a primeira ainda se orgulha do que fez enquanto Paulo, arrependido, se tornou o maior missionário da história do cristianismo.

Se você pensa que isso é exagero de minha parte, dê uma olhada em que partido ela está. Veja quais foram os mocinhos bonzinhos que colocaram o Lula lá. São os mesmos amigos de Dilma, de ontem, hoje. A mesma turminha que "traiu" o Lula naquela questão do mensalão. A mesma Dilma que disse que não participou de uma certa reunião com uma certa funcionária, mas cujas provas foram concludentes além da confissão suficiente da tal funcionária. Não ela não mudou, a não ser de aparência e ficou um pouquinho mais refinada, bem diferente das combatentes das FARCs na Colômbia que continuam mal vestidas e mal produzidas, como ela andava nos dias do seu engajamento com o terrorismo que lutou contra a ditadura. O que uma dose de capitalismo não faz, não?

Não voto na Dilma, no Tiririca, na Mulher Pera, no Maguila, no Marcelinho Carioca, no Dinei (fui...então vá e não volte mais) e tantos outros que pensam que esse país é um picadeiro. Sem falar naqueles que se dizem pastores e estão querendo abocanhar um pedaço do dinheiro arrecadado às custas de gente que toma trem, pega ônibus, rala para ganhar seu suado dinheirinho e pagar seus altos impostos e taxas e sobreviver em um país sem educação, saúde, segurança e tantas outras carências tão notórias. A maioria, porque não quero cometer o pecado da generalização, esqueceu sua vocação, para o que foram arregimentados por Deus. Mas há alguns "pastores" quem nem foram chamados para Pastorear o Rebanho de Deus. São lobos vestidos de cordeiro, pregoeiros da "teoria da prosperidade", marqueteiros de plantão. Esses vão ser tão ruins na política quanto o são em suas "igrejas", a grande maioria delas, seitas, portas abertas em busca das moedas daqueles que creêm num cristianismo mercantilista.

Não mudo do Brasil como muitos fizeram. Quero mudar o Brasil e para isso tenho coragem de assumir minha cidadania e dizer que essa gente tem que voltar para o buraco de onde vieram. Estão eles pensando que a visibilidade que lhes deu a mídia televisiva, tão mequetrefe desse país, irá lhes redundar em assento na Assembléia Legislativa, Congresso Nacional e Presidência. O tal do Tiririca ainda usa o slogan: Vote em Tiririca: Pior do que está não fica. Veja bem o que ele está dizendo. Se ele for eleito as coisas vão continuar como estão, o melhor que ele pode fazer é não piorar. Mas piorar o que, eu pergunto. Quer coisa pior do que sua candidatura? O tal candidato ainda afirma que também não sabe o que faz um Deputado Federal. Agora perceba; com a inteligência que ele tem vocês acreditam que em quatro anos ele aprende? Não aprende, e eu não estou disposto a pagar uma fortuna para uma tentativa que já sei, será frustrada.

Se você pensa que estou exagerando quando escrevo que essas eleições é coisa de doido veja parte do elenco: Acelino Popó Freitas (PRB-BA), Maguila (PTN-SP), Marcelinho Carioca (PSB-SP), Romário (PSB-RJ), Vampeta (PTB-SP), Fabiano (PMDB-RS), Danrlei (PTB-RS), Gaúcho da Fronteira (PTB-RS), Kiko (DEM-SP) - Membro do grupo KLB, Leandro (DEM-SP) - Integrante do KLB, Netinho (PCdoB-SP) - Cantor do grupo Negritude, Reginaldo Rossi (PDT-PE) (dispensa apresentações), Renner (PP-GO) - Integrante da dupla Rick&Renner, Sérgio Reis (PR-MG) (e eu que o admirava), Tati Quebra-Barraco (PTC-RJ) - Funkeira, concorre a deputada federal (vai quebrar o quê?), Ronaldo Esper (PTC-SP) - O estilista, ladrão de jazigo, quer ser deputado federal, Pedro Manso (PRB-RJ) - Humorista, (eu falei de picadeiro), Dedé Santana (PSC-PR), Tiririca (PR-SP), dizem que é humorista (não é, com certeza), Batoré (PP-SP) - Humorista, Mulher Melão (PHS-RJ), Mulher Pera (PTN-SP).

Pode dizer que eu estou ficando maluco ao escrever sobre esse tema. Eu não quero é entrar na onda. Outro dia vi e ouvi alguém em um restaurante se divertindo com as ideossincrasias de alguns desses "candidatos" acima. Eu também, ri. Diverti-me, é verdade. Depois, sozinho, comigo mesmo, refletindo sobre esse momento político importante para meu Brasil, pensei: "É têm razão aqueles que acusam os brasileiros de fazerem piadas de suas próprias desgraças". O pior é que se essas piadas melhorassem um pouco o quadro, ainda seria em parte admissível, mas estou cansado de piadas sobre a triste realidade da classe política no Brasil porque elas só fazem mudar o foco. Com isso joga-se uma cortina de fumaça e temos que aguentar Clodovis, e tantos medíocres como ele na pólítica.

Já anotei os nomes acima. Neles eu não voto, incluindo a senhora Dilma. Não mesmo. A situação é tão maluca que ao invés de ficarmos analisando em quem vamos, possivelmente votar, decidimos primeiro em quem não votar.

Não sei quanto a você, mas essas eleições, não estão me divertindo. E se você me ver rir, é porque estou em estado de choque. Pode crer!

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

O TESOURO.

Jesus falou sobre o coração de uma forma singular como ninguém mais. Disse Ele que onde estiver nosso tesouro, aí estará nosso coração, por exemplo. Então nesse caso, resta-nos saber qual é o nosso tesouro porque, onde ele estiver, aí estará o nosso coração. Seria algo terrível, se descobríssemos que nosso tesouro na verdade não passa de quinquilharias, não é verdade? Sim, terrível, porque isso implica em que nosso coração repousa em coisas banais ao invés de estar em coisas que realmente valem a pena.

Já tenho muitas voltas pelo quarteirão da vida. E nessa minha jornada, tenho me deparado com situações nas quais eu mesmo me pergunto: Será que vale a pena? Será que todo esse meu esforço, essa minha dedicação, esse meu empenho, estão sendo gastos em coisas que são realmente valorosas, ou estou andando em círculo tentando preencher um vazio existencial que todos nós um dia possuímos?

A Bíblia está repleta de gente que tentou preencher, esse vazio. Zaqueu, Maria Madalena, a Mulher Samaritana, O Jovem Rico, os dois discípulos à caminho de Emaús, o Apóstolo Paulo, Judas Escariotes, por exemplo. Todos, de uma ou de outra maneira, buscaram preencher o vazio existencial com bem materiais, com religião ou em coleções de relacionamentos amorosos. Estes foram seus tesouros e nessas coisas eles colocaram seu coração. Mas eis que cada um deles se viu diante de uma realidade que surpreende a cada um de nós, ou seja, quando colocamos nosso coração em quinquilharias, a frustração se torna cruel realidade.

Não tenho nada contra a intelectualidade, mas se alguém pensa que ela é tesouro, e por isso põe nela o seu coração, haverá de se deparar com uma profunda tristeza e depressão psicológicas, quando descobrir que ainda falta alguma coisa. Quando o coração está no tesouro errado, a alma denuncia, dá uma grita, declara no silêncio da consciência, e somente os humildes podem pegar o caminho de volta.

Se alguém é tolo o suficiente para se enganar imaginando que a proeminência, a fama, o reconhe-cimento e a glória humana, são tesouros, e para alcançar isso investe tudo que é e tem, irá se deparar com a tristeza ao ver que quando as luzes se apagam, a audiência se retira, o que resta é a frustração e a solidão ainda que estejamos rodeados de muita gente. Elvis Presley não suportou tamanha agonia e insatisfação.

Jesus disse: “..de que adiantará ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?”. (Mateus 16.26). Nada há nesse mundo, que possa ser nosso tesouro, nossa alegria e prazer, com a maravilhosa exceção de Cristo Jesus. Ele é o Lírio dos Vales, a Estrela da Manhã, Nossa Esperança e Nossa Alegria, Nosso Tesouro onde nosso coração deve repousar. Bem disse Agostinho, Bispo de Hipona: “...nos criastes para Vós, e o nosso coração vive inquieto, enquanto não repousa em Vós”. (Confissões)

Devemos fazer uma avaliação sincera: Qual é o nosso tesouro? Nosso emprego? Nossa família? Nossos bens? Nosso progresso intelectual? Nosso status quo? Sim, devemos fazer essa avaliação, porque onde estiver nosso tesouro aí estará nosso coração.

O coração realmente convertido sente prazer em Deus porque Deus é o seu tesouro, seu bem maior. Lembre-se da parábola daquele homem que encontrou um tesouro no campo. Ele vendeu tudo o que tinha para poder comprar aquele campo onde estava o tesouro.

Prezado leitor, abandone qualquer outra intenção; se Cristo não for teu tesouro, você perdeu teu coração.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

O CAMINHO DA VERDADE E DA SEGURANÇA

Eu bem sei a que conclusão os reformadores chegaram quando foram definir as características principais e distintivas da verdadeira Igreja Cristã quando comparada àquela outra Igreja que se auto-denomina cristã. Eles afirmaram que (1) A pregação da Palavra de Deus e do Evangelho; (2) A correta observação dos Sacramentos e, (3) A aplicação da Disciplina Eclesiástica, são essas marcas distintivas. Eles na verdade estavam, ao fazer assim, contrapondo-se à Igreja dos seus dias que havia perdido de longe esses princípios e se distanciado totalmente da Bíblia.
Essas são mesmo características próprias da verdadeira Igreja Cristã, mas vejam, vocês que me lêem, em que situação nos encontramos hoje, ou seja, temos um número quase que incontável de Igrejas Locais e denominações que afirmam pregar o evangelho com a Bíblia, só praticam os dois sacramentos, (Batismo e Ceia) e observam uma certa prática de disciplina eclesiástica, mas que sinceramente não podem e nem devem ser consideradas Igrejas Cristãs.
Precisamos, portanto, de uma redifinição quanto a estas características e eu proponho as seguintes, que são quatro.
1) A verdadeira Igreja Cristã crê na Bíblia como único livro de regra, fé e prática. O termo único aqui é de crucial importância. Não admitimos inciclicas e nem tampouco bulas com o mesmo peso inspirado da Bíblia. Não admitimos nenhuma outra fonte de revelação como instruidora ao convertido sobre salvação e santificação. Sola Scriptura, mesmo! E que essa Escritura seja interpretada tendo como ferramenta o método Gramático-Histórico.
2) A verdadeira Igreja Cristã crê em Cristo como único e suficiente salvador. Solo Cristus, nada mais! Qualquer outra proposta, ainda que seja de adição do tipo Cristo e Maria, Cristo e o Sábado, Cristo e Boas Obras, deve ser refutada como lamentável equívoco. Qualquer outro item que anule a graça revelada a pessoa de Cristo Jesus, deve ser rechaçada de forma veemente.
3) A verdadeira Igreja Cristã adora o Deus trino sem nenhum traço de subordinação. Deus pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo são o mesmo Deus em três pessoas e não podemos cometer o pecado de adorarmos mais o Pai, do que o Filho ou o Espírito Santo. A Igreja precisa olhar com equilíbrio para essa questão porque há um só Deus, criador, salvador, mantenedor, provedor e que nos instrumentaliza.E não há uma quarta pessoa na trindade.
4) A verdadeira Igreja Cristã se responsabiliza pelo hoje, mas contempla o amanhã. A verdadeira Igreja de Cristo não é irresponsável com o dia de hoje, com nossa contemporaneidade. Ela se engaja nos problemas de ordem social e política, oferece seus préstimos, sua ética e principalmente se ajoelha em intercessão pelos governos, mas ela sabe que Jesus voltará e busca viver uma vida de vigilância e serviço em prol do Reino de Deus. Ela não se preocupa mais com o material do que o faz com o que é espiritual.
O Supremo Concílio da IPB neste ano de 2010, decidiu que aquelas Igrejas catalogadas como comunidades neo-pentecostais não são verdadeiramente Igrejas Cristãs e sim seitas. E creio que foi uma atitude corajosa. Nisso não há falta de amor e carinho por pessoas, mas um compromisso pela verdade bíblica. Com certeza essas igrejas não consideram com seriedade os quatro itens expostos acima que, em meu entendimento, são marcas distintivas da verdadeira Igreja Cristã. Louvamos a Deus porque a IPB se mantém firme e devemos orar para que continue assim!
A IPBMC deve esboçar essas quatro marcas e zelar em mantê-las como bússula que a conduz pelo caminho da verdade onde há segurança, pois esse é o caminho que Deus determinou para ela

segunda-feira, 5 de julho de 2010

PERDEMOS A COPA DO MUNDO. E DAÍ?

(Considerações - e até certo desabafo - de um brasileiro que ama o futebol, mas ama mais o Brasil)

O Brasil foi eliminado pela Holanda na Copa do Mundo de Futebol lá na África do Sul, belo país pelo que temos visto nas imagens e um povo bastante alegre, às vezes, alegres demais com aquelas vuvuzelas que certamente afetariam meu labirinto. Mas e daí?

Já estamos há 08 anos sem vencer uma copa do mundo. E daí? Isso também não importa porque já ficamos 24 anos sem sermos campeões. Até que em 1994 vencemos às duras penas lá nos USA nos pênaltis a nossa adversária, Itália. Depois fizemos a fatídica final contra a França em 1998, e a vitoriosa final na Ásia contra a Alemanha em 2002. Voltamos a cair em 2006 frente a mesma França que tem sido um carrasco do Brasil em Copas do Mundo e agora foi a vez da Holanda que já havia nos desclassificado em 1974 na Copa da Alemanha. Voltamos mais cedo para casa. Perdemos da Holanda. E daí?

Eu sou muito passional e fico muito agitado em partidas de futebol. Por isso resolvi lavar meu carro na hora do jogo. Simplesmente levei o carro para o quintal atrás da minha casa, me preparei e, durante os 90 minutos da partida fiquei ali lavando meu carro. Soube dos gols pelas manifestações. No final do jogo, com a derrota já sacramentada, me saí um morador de um prédio vizinho, na sacada de seu apartamento e grita a plenos pulmões. “Vamos trabalhar cambada. Vamos voltar pro trabalho”. Ri para valer, e muitos fizeram o mesmo pelo que pude ouvir. É isso mesmo. O Brasil perdeu, foi desclassificado, mas e daí? O mundo não acabou, oras bolas. O Brasil perdeu, mas e daí?

Não tenho me dado ao “luxo” de ouvir os comentaristas de futebol a respeito dessa desclassificação. Parece que o disco quebrou. É sempre o mesma lengalenga. Uns culpam o Dunga, outros alegam que havia jogadores que não tinham qualificações para estar no grupo. Os mais duros, como o Milton Neves, desandaram a falar do Felipe Melo. E assim por diante. Afinal de contas é comum numa hora como essa, procurarmos os culpados. Isso é natural, mas é preciso que haja equilíbrio. Não podemos evitar a avaliação porque ela, sendo feita com sobriedade e serenidade, pode nos ajudar a evitar cometermos os mesmos erros, mas é preciso que haja coerência e ponderação, o que me parece não é próprio de grande parte da mídia do futebol.

Há comentaristas e locutores que são mais torcedores do que qualquer outra coisa. O Galvão Bueno, por exemplo, com todo o respeito e admiração que lhe tenho, torce mais do que narra uma partida. E isso vai moldar, de certa maneira, o pensamento do brasileiro nesse campo esportivo. O Brasil foi desclassificado, mas e daí?

Futebol não tem lógica e cá entre nós se a lógica valesse, a Holanda tinha mesmo que vencer porque olhando do ponto de vista tático, ela é uma seleção mais bem assentada táticamente. Tem melhor equilíbrio em todos os seus setores. E devemos lembrar que em 1982 éramos mesmo muito melhores que a criticada Itália e perdemos por três gols a dois. Aquela lá doeu. Futebol não tem lógica. E o Brasil voltou para casa eliminado, mas e daí?

Futebol é só esporte e esporte é saúde e cultura. Talvez tenha doído mais para alguns do que para outros porque esse esporte que deveria ser entendido como cultura, saúde, evento para o congraçamento dos povos, virou uma grande oportunidade de se fazer muito dinheiro. A FIFA é uma das instituições mais ricas do mundo, mas e daí? No que é que isso consiste? Que benefícios isso tem trazido para aquelas nações onde há enormes bolsões de pobreza? Que benefícios isso tem trazido para aquelas nações onde não há educação de boa qualidade, a saúde está doente, a segurança está refém do crime organizado e a violência tem assumido uma multiformidade gigantesca? Isso lembra a você algum país em particular? Creio que sim e por isso eu repito a questão: O Brasil perdeu a Copa do Mundo, mas e daí?

Devo admitir que o bem humorado grito do meu vizinho tem tudo a ver: “Vamos trabalhar cambada. Vamos voltar pro trabalho”. Isso mesmo, vamos trabalhar! Vamos voltar para o nosso mundo onde temos que optar entre Marina, Dilma e José Serra.

Voltemos para o país que já se tornou um cassino a céu aberto, onde a hipocrisia é latente em todos os níveis, onde a religiosidade nos faz ter que encarar num sábado uma Marcha Para Jesus que é mais uma vitrine para o lustro do ego de alguns apóstolos do que Marcha para Cristo mesmo, e em outro sábado temos que engolir a Parada Gay num ato de afronta sem precedentes.

Voltemos para nosso país onde o aposentado é tratado como escória, coisa obsoleta, com exceção dos políticos aposentados.

Voltemos para o país onde a justiça é morosa e bastante condescendente.

Voltemos para o Brasil onde um jogador de futebol, sem nível de intelectualidade desenvolvido e que pouca contribuição traz à cultura do país, vale mais do que o professor, o médico e outros profissionais que se matam para sobreviver, o que é um paradoxo.

Vamos voltar para a realidade porque a Holanda, por exemplo, que nos desclassificou, nunca foi campeã mundial de futebol, e é um país com problemas geográficos e topográficos enormes se comparados ao Brasil, continua sendo um país rico de um povo extremamente educado. Vamos voltar para o trabalho porque perder para a Holanda não foi uma desonra.

Eu pergunto: perdemos a Copa do Mundo, mas e daí? Eu não vou chorar por isso porque afinal de contas o Felipe Melo e o Dunga que estão sendo crucificados, em meu entendimento errônea e cruelmente, vão voltar para suas vidas e terão que conviver com essa experiência que os marcou muito mais do que marcou a você e a mim. Mas eles estão muito bem do ponto de vista social e econômico se comparado à maioria dos brasileiros.

Por outro lado, muitos dos que se angustiaram e até choraram diante de um aparelho 14’ dentro do seu humilde casebre, tiveram que pegar o seu busum e voltar para o trampo porque afinal de contas é essa gente que movimenta esse país e é essa gente que, mesmo no anonimato, faz a grandeza do Brasil.

Vamos voltar para o trabalho cambada, sou assim para mim:

Vamos cair na real, pessoal. Vamos descer dessa aeronave chamada ilusão e pisar no chão da realidade.



SEJA BEM-VINDO E BOA LEITURA!

Fico feliz em que você visite o Blog Conteúdo. Faço parte dessa comunidade de gente que gosta de escrever e expor o que escreve sem nenhum receio de ser lido e contestado. Fique a vontade nessa minha sala de leitura. Espero, sinceramente, que meus escritos ajudem você de alguma maneira, mas principalmente do ponto de vista espiritual. Se você quiser me ajudar ore por mim e peça a Deus que me mantenha firme na fé cristã. Se você não é um cristão como eu, eu gostaria de conhecer você e falar para você sobre minha fé. É só ir na seção dos comentários e fazer contato.

Um abraço.


FAMÍLIA.....

FAMÍLIA.....
O MAIOR PATRIMÔNIO DE UM HOMEM É SUA FAMÍLIA

FILHOS

FILHOS
QUERIDOS