terça-feira, 29 de março de 2011

PERDÃO – LIBERDADE PARA VIVER (Mateus 18.15-35)

“O sândalo nos ensina a viver. Perfuma a quem o fere”.
G. Khalil Gibran
Ficamos chocados e perplexos ao assistir pela televisão mais um ato de barbárie, ocorrido em 01 de Setembro de 2004. Era mais uma ação terrorista injustificável, mais um momento de brutalidade que faz com que pensemos seriamente o quão danoso é, ao homem e à humanidade, o distanciamento de Deus.

Refiro-me ao seqüestro de aproximadamente 1200 pessoas e a morte de mais ou menos 360, em Beslan na Ossétia do Norte, sudeste da Rússia. Nada justifica um ato como esse. O terrorismo é uma forma clandestina, traiçoeira, um modo cruel e injusto de reinvidicação.

Atos como esse mostram o quão intransigente, intolerante, radical e vingativo é o ser humano. Levará décadas para que um mal desse tipo possa ser assimilado. Sem dúvida levará muito tempo para que essa ferida se feche e pare de doer. Aqueles que perderam entes queridos nessa atitude de beligerância tão injustificável sentirão, durante muito tempo, insegurança e vulnerabilidade podendo desenvolver algumas outras patologias mais terríveis. Para que haja cura, e para que haja um novo horizonte de paz é preciso perdoar. Sim, perdoar! Esse é o caminho. Não estou aqui advogando anistia aos culpados. Cada terrorista deve cumprir sua merecida pena, mas se as vítimas se deixarem possuir por um espírito de inconformismo e pela sede de vingança, certamente irão se aprisionar juntamente com seus agressores.

Em 1987 o Ira fez explodir uma bomba em uma pequena cidade a oeste de Belfast. Gordon Wilson, um crente metodista e sua filha de apenas vinte anos estavam entre as vítimas. Ela acabou morrendo, mas seu pai se tornou um agente da paz ao dizer no seu leito de hospital: - Eu perdi minha filha, mas não tenho ressentimentos. Palavras amargas não vão trazer Marie Wilson de volta à vida. Eu vou orar, hoje à noite e todas as noites, para que Deus lhes perdoe.

Wanderlei Cordeiro de Lima ganhou a Medalha de Bronze na Olimpíada, de 2004 na Grécia, mas ao perdoar o agressor que o impediu que ganhar a Medalha de Ouro demonstrou que o pódio era pequeno demais para a grandeza de sua atitude. Ele merecia muito mais do que o ouro.

Quando não perdoamos somos à nossa moda, terroristas intransigentes, intolerantes, contra nós mesmos. Muitos de nós está preso no tempo, preso nos eventos que nos feriram.

Esse tipo de ocorrência tende a nos fazer brutos, cruéis, amargos, intolerantes, sem prazer pela vida. O caminho para a cura é, indubitavelmente, o perdão. O caminho para a paz interior é o perdão. Não há outra saída, não há outro caminho, não há absolutamente nenhum anti-depressivo que seja mais poderoso do que o perdão.

O perdão é o sol que brilha anunciando o alvorecer de um novo dia.

O perdão o liberta daquele que o ofendeu porque enquanto não houver perdão ele se sentará em tua mesa e comerá com você, ele sairá de férias com você, ele vai para a cama com você.....

O perdão pode ser a mais "doce vingança" principalmente para quem não acredita em perdão.

O perdão é o antídoto para a depressão que aprisiona o coração no passado e nos faz viver amargos e com carrancas.

O amor é que traz a alegria, tanto para quem dá quanto para quem recebe. 

O perdão é a cadeia que se rompe e nos faz andar livres, de queixo erguido.

O perdão é a atitude que nos faz produzir melhor e muito mais, é a motivação para uma vida toda. Foi o perdão de Jesus que fez a prostituta voltar para casa com uma nova vida.

O perdão foi a solução que Deus encontrou para nos reconciliar com Ele, e por isso enviou seu próprio filho pra morrer por nós. Alguém já disse que se errar é humano, perdoar é divino. Essa é mesmo uma inquestionável verdade.

Seja livre para viver...perdoe! Nós oramos: Pai perdoa as nossas dívidas, (ofensas) assim como, perdoamos os nossos devedores (ofensores). O perdão nos liberta, o perdão cura a nós mesmos, para que não sejamos vítimas duas vezes.

sexta-feira, 18 de março de 2011

AVIVAMENTO: UMA OBRA DO ESPÍRITO SANTO DE DEUS.

Para muitos a emoção da devoção pessoal se foi, a alegria do Senhor desapareceu, não há propósito na caminhada nem vigor espiritual, o que reina é uma monotonia sem vida. Alguns ficam, ávidamente, esperando ouvir um sermão que os desperte do sono e da letargia. Imaginam que um ato apelativo às emoções irá ajudá-los, confundindo emoção com obra legítima de avivamento no Espírito Santo.

Para muitos não há prazer em se envolver na obra de Deus e desenvolver qualquer ministério. Cantar no Coral, qualquer que seja, ser aluno da Escola Dominical, participar da Reunião de Oração, trabalhar em qualquer departamento, ou sociedade da Igreja, se tornou um fardo um peso, algo sem valor.

A todo momento o mundo mergulha, mais e mais, no pecado. Multidões sem rumo, sem conhecimento de sua verdadeira natureza criada à imagem de Deus, degradam a dignidade humana. Há cristãos entrando na onda do divertimento de BBB, Casa dos Artistas, A Fazenda, deixando-se seduzir pela casa na praia no verão e no campo no inverno. Na verdade são cristãos tentando preencher um vazio existencial que só Deus pode preencher por completo.

O caráter sagrado do lar e da família é profanado. O espírito de anarquia envolve a terra como denso nevoeiro.

Frequentar a Igreja se tornou um ítem em nossa agenda, uma obrigação cerimonial, uma forma de darmos satisfação aos nossos líderes religiosos, ou a nós mesmos, mas uma coisa inócua, vazia de sentido.

Outros estão mergulhando no trabalho procurando contornar a montanha dos problemas pessoais de ordem conjugal, problemas de ordem sentimental e de cosmovisão equivocada, no afã de evitar o caminho da depressão. Muitos não assumem que o correto é escalar e conquistar a montanha, com Deus, ao invés de cometer o suicídio da alienação.

Precisamos experimentar urgentemente um avivamento pessoal, individual, e se isso acontecer com cada um de nós, ou pelo menos com um bom número de irmãos, certamente a Igreja toda será beneficamente atingida.

Mas o que é o Avivamento?

O AVIVAMENTO É A GENUÍNA OBRA DO ESPÍRITO SANTO, CUJA ARMA É A PALAVRA DE DEUS NA SUA PUREZA E TOTALIDADE, CUJA FINALIDADE É GLORIFICAR CRISTO EM ALMAS REDIMIDAS PELO SANGUE DE JESUS DERRAMADO NA CRUZ DO CALVÁRIO,

AVIVAMENTO É MOVIMENTO DO ESPÍRITO SANTO PARA ENTRONIZAR CRISTO NOS CORAÇÕES, NOS LARES E NA IGREJA.

E quais as condições para que possamos experimentar o avivamento pessoal e o avivamento na Igreja? Qual é o resultado lógico e consequente desse avivamento?

1º) INTIMIDADE COM A PALAVRA DE DEUS.

A Plenitude do Espírito Santo só é possível se tivermos uma relação integral com a Palavra de Deus.

Salmo 1 nos ensina o caminho do sucesso, de uma vida de gozo constante e de muitos e naturais frutos.
João 17.17 nos ensina que a Palavra de Deus é aquilo que Deus usa como instrumento nas mãos do Espírito Santo para apontar o caminho para uma vida de santidade e que agrade a Deus.
II Timóteo 2.15 nos ensina que nosso testemunho tem que ser fundamentado na Palavra de Deus e que ao manuseá-la o façamos com destreza e competência.
II Timóteo 3.14-17 nos ensina que a Bília é a Palavra de Deus que nos torna sábios para vivermos em qualquer tempo e circunstância glorificando a Deus e honrando seu nome.
Mateus 7.24-29 nos ensina que o praticante dos ensinos de Jesus não é tolo, pois sabe que sua vida tem que estar edificada sobre a rocha, porque as tempestades sem dúvida nenhuma vêm.

Veja você naquela clássica passagem de Ezequiel 37.1-14, intitulada O Vale dos Ossos Secos, que a Palavra de Deus teve que ser ministrada àqueles ossos. Da mesma maneira não podermos acreditar ser possível qualquer avivamento espiritual sem que a Palavra de Deus esteja no centro das atenções e considerações.

A Palavra de Deus, corretamente lida, despe-nos, tira a nossa roupa do orgulho, da arrogância, da mentira e da insinceridade.

A Bíblia mostra para nós o que e como somos na verdade. E isso nos leva a uma segunda atitude que é fundamental para que vivamos o avivamento.

2º) CONFISSÃO DE PECADOS

Não é possível qualquer admissão de um avivamento sem que olhemos para dentro de nós mesmos. E se olharmos para dentro de nós mesmos com os olhos de Deus, nos depararemos com um ser que precisa urgentemente de reforma. Alguém disse certa vez: "Se te olhas como Deus te vê, estás pronto a receber o que Ele te dá, a saber, Jesus seu Filho".

Ao olharmos para nós mesmos iremos nos deparar com um eu que precisa ser transformado e convertido todos os dias. Precisamos aceitar e confessar isso. Com certeza essa aceitação nos fará evitar os caminhos da auto-suficiência e do orgulho. Precisamos nos ver livres desse empecilho.

Provérbio 28.13 nos ensina que quando confessamos nossos pecados, Deus coloca ao nosso alcance sua misericórdia.
Salmo 32.1-6 nos ensina o caminho do bem estar psicológico, físico e espiritual que é a confissão ao invés da ocultação dos pecados. A confissão sincera produz refrigério. A confissão mecânica nos faz mais azedos e hipócritas.
Salmo 51.1-12 a confissão sincera e constantes dos nossos pecados faz com que, paulatina e gradativamente, recobremos a alegria de nossa salvação e comunhão com Deus.

Mas há uma terceira atitude que devemos tomar se quisermos redimensionar nossa vida e experimentarmos um avivamento pessoal e comunitário:

3º) PERSEVERANÇA NA ORAÇÃO.

Lucas 22.39-36 – A Oração Que Nos Fortalece
Isaías 6.1-4 – A Oração Que Se Apoia Na Fé Genuína

Todos os movimentos de avivamento tiveram como base, a prática da oração.

Oração Pessoal diária.

Em Ezequiel 37.1-14 também é dito ao profeta que orasse ao Espírito e aqueles ossos, agora juntos, formando o esqueleto, adquire vida. Um avivamento sem oração é algo impossível porque ele é resposta da oração e uma de suas características mais fortes. Todos os movimentos de avivamento legítimos se basearam e se fundamentaram basicamente nesses dois pilares, a saber, Palavra de Deus que é Deus falando conosco e Oração que é quando nós falamos com Ele de forma humilde e contrita.

O resultado natural do genuino avivamento é A EVANGELIZAÇÃO (amor pelas almas que se perdem).

Não podemos esperar que Deus derrame suas bençãos sobre as nossas vidas, se não estivermos dispostos a envolver-nos de alguma maneira na obra redentora.

Colocar a nossa vida sob o controle do Espírito Santo significa colocar-nos a disposição de Deus para sermos usados nas respostas as nossas próprias orações.

Devemos estar dispostos a nos envolver com a evangelização de outras pessoas, com a conquista de outras pessoas.

Avivamento sempre desemboca, em evangelização. Avivamento é o rio que desagua no mar da evangelização.

Por isso precisamos de avivamento, para que possamos cumprir com a Grande Comissão.

Foi assim que os morávios enviaram mais missionários para o mundo do que todo o restante da Igreja em duzentos anos. Com o avivamento a Igreja cresce, os corações se derretem diante do Deus Todo-Poderoso.

CONCLUSÃO:

Não é possível viver a experiência do avivamento sem que nos emocionemos. Mas essa emoção não é a causa do avivamento, e sim um dos seus resultados. É impossível um coração avivado não se emocionar com a multiforme manifestação do poder de Deus. Mas se é uma emoção que se originou no verdadeiro e genuíno avivamento, então será uma emoção saudável e não um mero êxtase, um deslocamento da racionalidade para o campo da psicose e do mundo das ilusões (vide o fenômeno dos "dentes de ouro" na década de 90 no Brasil).

Avivamento sem doutrinamento é constestar o que encontramos em Atos 2.42-47.

Avivamento sem oração é negar a intimidade com Deus e sem intimidade com Deus não há avivamento.

Avivamento sem confrontação com o pecado é mera religiosidade, mero cerimonialismo, assim como viveu Israel por diversas vezes. (Isaías 1.1-20)

Que Deus nos dê um avivamento genuíno, verdadeiro, essa deve ser nossa oração.

domingo, 13 de março de 2011

O NOVO, DE NOVO.

Tem gente viciada no novo, mas infelizmente o novo também envelhece.

É tolice imaginar que o novo pode nos satisfazer, simplesmente porque é novo. Ora o novo tende a envelhecer.

O importante é saber manter uma relação, seja em que nível for, em patamares onde podemos sempre recomeçar, reiniciar, reformar, remodelar, a partir daquilo que já temos. Muitos por desejarem o novo, acabaram por se decepcionar, não poucas vezes.

Veja, não tenho nada contra o novo. Outro dia mesmo comprei um carro novo, simplesmente porque o velho já apresentava uma série de problemas que me convenci, economicamente falando, que o melhor mesmo seria trocar por um novo porque teria menos problemas e gastaria menos.

Emprego novo pode destruir a estabilidade. Casa nova nem sempre implica em maior harmonia na família. Amigos novos não implicam em abandono dos velhos amigos. Poucas coisas são tão importantes como velhas e boas amizades. Igreja nova não resulta em melhor espiritualidade. Nossos problemas geralmente vão conosco para a outra comunidade.

Veja, a questão de termos que buscar algo novo, está vinculada às nossas motivações. Analise tuas motivações sempre e lembre-se que nosso coração  é enganoso e desesperadamente corrupto. Você não pode atravessar uma avenida se não tiver a mais absoluta certeza de que não há carros vindo em sua direção e que poderão atropelar você. Com certeza a motivação errada em ter o novo, levará você à uma frustração enorme.

Um velho abraço.

Mauro Aiello

SEJA BEM-VINDO E BOA LEITURA!

Fico feliz em que você visite o Blog Conteúdo. Faço parte dessa comunidade de gente que gosta de escrever e expor o que escreve sem nenhum receio de ser lido e contestado. Fique a vontade nessa minha sala de leitura. Espero, sinceramente, que meus escritos ajudem você de alguma maneira, mas principalmente do ponto de vista espiritual. Se você quiser me ajudar ore por mim e peça a Deus que me mantenha firme na fé cristã. Se você não é um cristão como eu, eu gostaria de conhecer você e falar para você sobre minha fé. É só ir na seção dos comentários e fazer contato.

Um abraço.


FAMÍLIA.....

FAMÍLIA.....
O MAIOR PATRIMÔNIO DE UM HOMEM É SUA FAMÍLIA

FILHOS

FILHOS
QUERIDOS