segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

AOS ATEUS E SEUS CORRELATOS

Eu fico realmente estupefato com a atitude de algumas pessoas que tentam desconstruir a fé cristã na Bíblia, no Salvador.
Fazem uma enorme ginástica vernacular, citam leituras, autores, filófosos e por aí vai, somente com o objetivo de dizer que nós cristãos estamos errados.
Esses tais parecem se incomodar demais com a fé cristã na existência de um Deus criador, mantenedor, sustentador e salvador. Esses tais investem grande soma de tempo escrevendo, lendo, elocubrando, fazendo enorme ginástica e malabarismo com idéias, pensamentos, conceitos, com um objetivo só; destruir a fé em Deus, e no seu Cristo.


Não sei porque agem assim. Será que não olham para o mundo e não percebem que sempre foi assim, ou seja, será que não percebem que o homem é um ser religioso? Eu às vezes não sei se me divirto ou se me entristeço com alguns que se pronunciam com discursos contra a ideologia direitista, depois malham a esquerda, e não colocam nada no lugar. São pródigos em dinamitar, mas jamais constroem qualquer coisa no lugar.
Em minha trajetória de vida tenho observado alguns espíritos que se revoltaram contra o cristianismo. Talvez tenham tido uma infância onde os pais os obrigaram a fazer coisas que eles, quando puderam dar a grita, se mostraram radicais. Assim como foram seus pais, assim eles são também; radicais. Os pais radicais religiosos, os filhos radicais anárquicos, sem prumo, sem rumo, sem norte.

Outros experimentaram a dureza de alguns que se dizem cristãos e se cansaram. Aí o jeito foi ler e dar ouvidos e fé a todo aquele que revela a mesma gana, ou seja, malhar o cristianismo, dinamitar a fé cristã, criticar os três primeiros capítulos de Genêsis. Dá para se perceber que a questão não é iluminar as mentes com outro conceito, mas simplesmente tentar ridicularizar o conceito de um Deus criador como é apresentado em Gênesis. E passam a crer em qualquer outra teoria. É a idéia que agrada o seu paladar ideológico.


Eu tenho uma coisa para dizer a essas pessoas: - Deixem-me morrer na minha "ignorância".
Ela me é menos prejudicial do que o mundo que vocês me oferecem. Na verdade, em alguns casos específicos, eu posso perceber certa amargura, certa revolta, alguns sentimentos de profunda tristeza, no coração dessas pessoas. É como se elas estivessem pedindo socorro. É uma forma de gritar sua insatisfação pela vida.
Ora, não queira me arrastar para dentro de seu mundo. Se você, ateu, tem razão, bom proveito com ela. Eu continuo crendo mesmo sendo esse ignorante, enfeitiçado pelo sagrado, seduzido pelo metafísico. No final das contas se eu estiver errado não terei perdido nada, mas se você estiver equivocado estará perdido pela eternidade. Lá você pode espernear como fez o rico da parábola, mas não haverá possibilidade nenhuma de refrigério.

Não é o que eu desejo para você. Mas por favor, não fique triste porque eu sou feliz assim.

O CORAÇÃO E AS PALAVRAS


Falar sem pensar pode resultar em um discurso vazio, sem sentido.
Pensar demais para falar pode te fazer intempestivo. O que você fala tem que ser dito da forma e no tempo certo. "Como maças de ouro em salvas de prata, assim é a palavra dita a seu tempo" (Prov. 25.11)
A questão toda é o pensamento. A fala é a roupa que veste o pensamento. Ou como já disse alguém: As palavras vestem idéias. Pois é....já disse Jesus com singular sabedoria: "Raça de víboras, como podeis falar coisas boas, sendo maus? Porque a boca fala do que está cheio o coração" (Mateus 12.34).
Se o coração é amargo, as palavras são fel. Se o coração é revoltado, as palavras são de revolta. Se o coração não ama, a disposição sempre será para o orgulho e para a guerra. O proverbista escreveu: "Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coraçao, porque dele procedem as fontes da vida" (Prov. 4.23). "A língua dos sábios adorna o conhecimento, mas a boca dos insensatos derrama a estultícia" (Prov. 15.2). "A língua serena é árvore de vida, mas a perversa quebranta o espírito" (Prov. 15.4). "O coração do justo medita o que há de responder, mas a boca dos perversos transborda maldades" (Prov. 14.23).
Veja com cuidado o que você fala. Analise suas motivações.... O filósofo escreveu: "Penso logo existo". Deduzo que se o que penso não é aproveitável, saudável, minha vida e existência irá corresponder a tudo isso.
Veja com cuidado o que você fala. Analise suas motivações.....Talvez o mais inteligente discurso seja o teu silêncio. Assim você não corre o risco de ser entendido como dissoluto e medíocre e abençoa os ouvidos de quem te ouve (ou te lê).

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

FELIZ NATAL E MUITO BOM ANO NOVO

Queridos que me seguem nesse meu Blog e pacientemente me leem:
 
Que esse Natal supere em muito todos os que já se foram.
 
Que nesse Natal haja poderosa inspiração de amor, humildade, paz e alegria.
 
Não há como pensar e falar sobre Natal de Jesus sem pensar o quanto Deus nos amou (João 3.16), como foi possível o Rei dos Reis nascer em uma estrebaria em uma humilde manjedoura (Lucas 2.12), que maravilhosa paz Jesus veio trazer em nosso novo relacionamento com seu Deus e Pai (Lucas 2.14) e o quanto devemos ser alegres (Lucas 2.10) por termos a esperança imorredoura de uma vida eterna na presença desse Maravilhoso e Único Deus.
 
Que haja muito trabalho em 2013, mas que também tenhamos saúde em todo o tempo para que, a cada etapa vencida, em cada projeto concluído, possamos sentir no peito o prazer de quem cumpriu sua missão é foi útil.
 
Deus os abençoe.
 
Mauro Sergio Aiello

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

NATAL: É O ANIVERSÁRIO DE JESUS


E o manto escuro da noite desceu sobre a terra cobrindo a Palestina.  O frio fazia com que as pessoas se recolhessem em suas casas. O som silencioso da noite foi quebrado pela fala dos anjos. Era o anúncio de que o Salvador havia nascido. Magos vindos de longe sabiam, mais que o próprio Herodes, o “rei dos judeus” a respeito do Messias, o verdadeiro Rei, e o adoraram como tal.

Uma estrebaria acolheu o casal José e Maria. Não havia outro lugar para eles. Um berço improvisado, uma manjedoura humilde foi ali colocada. Então a luz da estrela se destacou no céu e naquele berço! O brilho do céu e da manjedoura iluminou os corações dos magos, dos pastores, o meu o teu e de todo o que crê.

Nasceu o Salvador, nasceu Jesus, o sonho se tornou realidade! Cumpriu-se o que dissera Deus no Éden: A semente da mulher feriria a cabeça da serpente. Cumpriram-se as profecias sobre a vinda do Messias. Enquanto o céu vibrava com o advento do Messias, as potestades e o próprio inferno silenciavam. Eis que o próprio Deus vestido da pela humana habita entre suas criaturas, em meio à sua criação. Ele veio para reconciliar o homem com Deus.

Como seria possível alguém criar uma história tão linda quanto essa? Seria o homem tão pródigo em produzir algo tão extraordinário? Seria ele tão nobre em escrever algo tão cheio de sentido e de nexo? Nada há que se compare na literatura mundial, tão repleta de tão lindos relatos mitológicos, lendários, ou reais, com a historia do nascimento de Jesus, o Verbo que se fez carne e habitou entre nós. É uma linda história que vem de encontro ao anseio da alma humana, ainda para aqueles que a julgam destituída de sentido.

O terrível episódio do pecado da desobediência dos primeiros pais encontra na história do natal de Jesus, uma resposta Divina apropriada. O primeiro Adão criado perfeito, em um mundo perfeito, e que vivia em um Jardim onde todas suas necessidades eram mitigadas, foi tentado e desprezando a Palavra que Deus dissera, desobedeceu porque deu crédito à palavra do Diabo. O segundo Adão nasceu no seio de uma humilde família, em uma nação subjugada e humilhada, em um mundo cheio de imperfeições, estava em um deserto, com fome, foi tentado não por uma serpente, mas pelo próprio Diabo em pessoa, mas venceu porque, mesmo como homem, preferiu dar crédito à Palavra de Deus e não ao que disse Satanás.

Não entendo porque alguns ainda insistem em que não devemos comemorar tão notável e Divino feito. Eu bem sei que Jesus não nasceu no dia 25 de Dezembro, mas como ninguém sabe ao certo o dia, por que é que deveríamos deixar de comemorar tão grande e relevante evento. Não falo dos exageros comerciais, nem das bebedices e glutonarias. Refiro-me às Oratórias, Cantatas, Encenações, Poesias, famílias reunidas em torno da mesa, presentes sendo dados e recebidos, das luzes que mui apropriadamente iluminam as casas, das decorações que lembram que o Salvador veio ao mundo. É como se eu desse um upgrade em minha espiritualidade. Se eu comemoro a data do meu natalício, porque deveria deixar de comemorar com gala, pompa e circunstância o nascimento do meu Salvador, Senhor e Rei?

Aqueles que sabem o quão relevante é essa história, celebram o Natal mesmo morando em uma humilde casa, ou em uma mansão,  porque a maior de todas as riquezas não está dentro das casas, nem dentro dos grandes condomínios, nem do morro ou favela, mas sim no coração. Jesus mora dentro do coração de qualquer pessoa, de qualquer classe social, de qualquer nível intelectual. Jesus nivela os corações, abatendo o orgulhoso e erguendo o humilde fazendo de ambos filhos do Altíssimo Deus.

Ah! Se eu pudesse voltar no túnel do tempo e escolher meu novo personagem eu queria ser um daqueles pastores que viviam no campo e a quem o anjo do Senhor desceu e disse: “Não temais; eis que vos trago boas-novas de grande alegria, que o será para todo o povo; é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo o Senhor”. Lucas 2.10-11

Impossível tal incursão no tempo. Não posso ir até lá, mas posso e devo me alegrar e festejar “porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz; para que se aumente o seu governo, e venha paz sem fim sobre o trono de Davi e sobre o seu reino, para o estabelecer e o firmar mediante o juízo e a justiça, desde agora e para sempre. O zelo do Senhor dos Exércitos fará isto”. Isaías 9.6,7

Feliz Natal a todos os que me seguem nesse meu Blog, a todos os que me leêm com paciência e carinho.!
Mauro Sergio Aiello



terça-feira, 27 de novembro de 2012

FATO (Provérbios Para a Vida).


·  O coração da adoração a Deus, é adorar a Deus de coração.

·  Velho e obsoleto são duas coisas distintas. O primeiro tem a ver com o tempo de existência e o segundo tem a ver com a utilidade. A Bíblia é um livro antigo, mas está longe de ser obsoleto. Orar é um ato de comunhão com Deus, muito antigo, mas continua sendo útil.

·  Antigamente se dizia que se quisessemos medir a espiritualidade de uma Igreja era só convocá-la para orar. Hoje eu incluiria outro ítem: Diria que se quisermos medir a espiritualidade de uma Igreja convide seus membros para estudar a Bíblia. Mas se você quiser encher tua Igreja é só convidar a bandal tal, o cantor tal, fazer o congresso tal e assim por diante. Lamentável.

·  O preconceito contra o estudo da Confissão de Fé de Westminster nada mais é do que pura e lamentável preguiça em ler e estudar. Duvido que alguém assim goste mesmo de ler ao menos as Escrituras.

·  Difícil é quase tudo aquilo que relutamos em fazer.

·  Se você não sabe quem é Deus, se não sabes definir o Ser de Deus, então ainda não sabes qual é o propósito Dele para a tua vida.

·  Longe é quase sempre um lugar onde não queremos ir.

·  Se você me ama, vc me admira apesar dos meus defeitos. Se você não me ama, não me admira, apesar das minhas virtudes.

·  Lutar contra a verdade é um ato insano. Curve-se diante dela e sofra, mas não tente contorná-la.

·  O pecado emburrece e idiotiza as pessoas. Veja o caso do involuntário profeta Jonas. Ele raciocinou, insanamente, que podia fugir da presença de Deus indo para Társis e não para Nínive. Pois, é....eu não disse. Desobedecer a Deus é luta inglória.

·  O quanto mais sabemos sobre Deus e quanto mais O conhecemos pela fé, menor e mais dependentes nos sentimos e mais gratos por Ele nos permitir ser.

·  Quanto mais conhecemos Deus e quanto mais nos aprofundamos em nossa intimidade e comunhão com ele, mais nítido se torna qual nosso propósito e o que Ele quer de cada um de nós em particular.

·  Conhecer Deus na intimidade, e desenvolver essa intimidade em comunhão, é vital para que experimentemos a satisfação em nosso viver.

·  Ter amigos é muito difícil, mas ser amigo é mais difícil ainda. Todavia, se conseguirmos ser amigos de verdade, teremos verdadeiros amigos.

·  A liturgia é uma forma de expressão do quanto conhecemos Deus na intimidade. Dividir a adoração que Lhe prestamos com outro ser, ou nós mesmos, é prova evidente de que não O conhecemos com ùnico e verdadeiro Deus

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

TER FILHOS, EDUCÁ-LOS E CRIÁ-LOS É COMO PLANTAR ÁRVORES FRUTÍFERAS.

É bom ter filhos. Para quem vem de uma família numerosa como a minha, por exemplo, ter filhos aconteceu naturalmente. E se tivéssemos melhores condições financeiras, provavelmente teríamos mais filhos. Entretanto, não podemos deixar de admitir o quão difícil foi cria-los, educa-los, prepara-los para a vida. Ter filhos e cria-los, como convém fazer, não é tarefa das mais fáceis, ainda mais nestes dias da pós-modernidade onde o relativismo é tão patente.

Na lida pastoral, como Conselheiro, tenho visto e sido testemunha de lágrimas de muitos pais ao tomarem conhecimento de que seus filhos estão envolvidos com drogas, prostituição e outros tipos de coisas reprováveis. Em alguns casos é notória a responsabilidade dos pais, mas em outros percebemos que, a despeito de todo cuidado tomado, houve algo que “estragou” o filho, ou filha, de tal maneira que a situação carece mais de compreensão do que de repreensão aos pais.

Ao olhar para uma criança é comum nos perguntarmos: O que virá a ser, pois, este menino? Foi esse o questionamento das pessoas que viviam próximas dos pais de João Batista, Zacarias e Izabel, ao ouvirem e verem as circunstâncias extraordinárias com que ele veio ao mundo (Lucas 1.66). “O que, ou quem será no futuro esse menino?”. “Que tipo de homem se tornará essa criança?” “Que tipo de adulto ele se tornará?”. Esse tipo de questionamento é comum na mente, mesmo que não o transformemos em palavras. O que vira a ser essa menina, ou, o que virá a ser esse menino é a preocupação dos pais quando recebem seus filhos em seus braços pela primeira vez. A alegria de ter o filho ou filha nos braços é acompanhada dessa preocupação legítima.

Ao colocarmos filhos ao mundo temos que ter, a priori, esse tipo de preocupação. Não se gera filhos apenas. Gerar é o processo inicial. Educar e preparar para a vida é o passo seguinte, e o mais difícil, ainda que seja glorioso quando pleno de êxito.

O processo pedagógico caseiro é pleno de êxito quando podemos ter, pela graça e providência Divinas, a glória de ver que os filhos que geramos e educamos, se tornarem cidadãos integrados e produtivos. Quando olhamos para os filhos que se tornaram árvores e já produzem bons frutos, então nos damos por satisfeitos e sentimos como que tendo cumprido bem nossa missão.

É bom, todavia que estejamos atentos ao fato de que somente boas árvores produzem bons frutos. Jesus mesmo disse que uma árvore má não pode produzir bons frutos assim como também uma árvore boa não pode produzir maus frutos. (Mateus 7.17-19) Há uma relação direta entre árvore boa e bons frutos e também entre árvore má e maus frutos.

Se quisermos ver nossos filhos se tornando em boas árvores é preciso que saibamos como cultivar essa árvore de tal maneira que ela se torne frutífera no tempo próprio.

Ter filhos, cria-los e educa-los é como plantar árvores frutíferas.
O primeiro passo que precisamos dar nessa direção, é escolher o terreno onde iremos plantar essa árvore.

O bom agricultor é aquele que limpa o terreno, sulca a terra, aduba-a, e depois lança a semente ou planta uma muda. Os pais são como esses agricultores. Eles devem preparar a casa, o lar, fazendo dele um lugar apropriado para lançar a semente ou plantar a muda. Nessa relação pai e mãe, nesse convívio do casal, devem sobejar o amor, a consideração, o respeito, a solidariedade, a simpatia e empatia, o companheirismo, a cumplicidade, os bons hábitos e costumes, um linguajar sadio, um ambiente bem higienizado em todos os sentidos.

O agricultor que pura e simplesmente lança ao chão a semente ou planta uma muda deixando-os entregues às intempéries do tempo e da “sorte” irá se surpreender, com a mais absoluta certeza porque, ou a graça comum e providência divina fará nascer uma frondosa e frutuosa árvore ou a própria e contaminada natureza se encarregará de matar aquilo que ainda nem nasceu. O mais comum é ver a morte da semente que não germina ou o definhar de uma muda que enfraquecida por ser plantada em um terreno impróprio não aprofunda suas raízes e assim qualquer vento a derruba, qualquer enchente a carrega destruindo assim as pretensões de que um dia se torne árvore frutífera.

Tenho visto inúmeros casos assim, ou seja, pais que geram filhos, mas em cujos lares há tremenda e notória carência dos princípios mais elementares para que esses filhos possam crescer vigorosos e, com o passar do tempo, se tornarem árvores carregadas de frutos. Ou os pais são rigorosos demais e criam filhos insensíveis e sem livre iniciativa ou os pais são frouxos demais e criam filhos sem limites e com muita iniciativa principalmente naquilo que é pouco recomendável.

Sim, a criança é fruto do meio em que está inserida. Há questões de ordem genética, mas um bom ambiente é mais do que necessário para formatar um bom caráter. Uma casa onde pai e mãe são exemplos de vida amorosa, de compromisso com a ética e a moral, onde o linguajar é sadio, onde a comunicação se concretiza, é um bom terreno para se lançar a semente ou se plantar uma muda de qualquer árvore frutífera.

O segundo passo é regar esse solo onde repousa a semente ou onde a muda foi plantada.

Regar significa amar essa criança, cuidar dela em todos os períodos visando seu desenvolvimento, tanto intelectual, espiritual quanto físico. Uma criança não pode ser um estorvo. Uma criança não poder ser um empecilho nas pretensões dos genitores. Uma criança não pode ser uma pedra no caminho. Uma criança não pode ser um ser domesticável pela babá ou pelos avós, ou pela creche, ou por qualquer outra instituição. Avós e creches têm seu valor, mas nada, absolutamente nada, substitui o relacionamento diário dos pais com seus filhos, quando pensamos no processo de formação do caráter e da personalidade de uma criança.

Um filho é uma réplica dos pais e devem ser tratados com todo carinho, atenção e cuidado. O filho ou filha não deve ser resultado de um descuido na relação sexual, mas mesmo que venha sem ter sido planejado, em hipótese alguma deve ser rejeitado. A educação começa no relacionamento da mãe com o feto. Venha o filho ou filha como vier e em que circunstância vier, jamais deve ser rejeitado. A Bíblia diz que os filhos são herança do Senhor (Salmo 127.3-5). Temos filhos se Deus assim o desejar. Se Deus não o desejar, ninguém terá filho. Seja em que circunstâncias forem os filhos devem ser acolhidos com extremado amor e com os corações cheios de gratidão a Deus pela oportunidade de trazerem ao mundo a vida em forma de uma criança.

Regamos o solo com horas de amor ao lado dos filhos. Pais que não se dedicam aos seus filhos perdem-nos. Eu gostei demais do aparentemente despretensioso filme de Hollywood dirigido pelo magnífico Steven Speilberg – HUCK – A VOLTA DO CAPITÃO GANCHO. Nessa obra cinematográfica, conta-se a história de um homem de negócios representado por Robin Willians, que não tem tempo para a família e principalmente para o casal de filhos e quase os perde para o Capitão Gancho, tão bem interpretado pelo magnífico Dustin Hoffmann. Aquele homem de negócios, chefe de família e pai, vai perceber a importância da infância quando descobre ser nada mais, nada menos que Peter Pan, a eterna criança que habita dentro de cada um de nós. Ao descobrir isso, se tornou amigo dos seus filhos e os reconquistou já que quase os perde para o maligno e mal intencionado Capitão Gancho.

Regamos o solo com educação. Principalmente a educação ministrada em casa. É no convívio com os pais que a criança deve aprender, pelo exemplo, e também pelo discurso, os mais elementares princípios que regulam o relacionamento entre os seres humanos. É nesse convívio que eles devem aprender a ouvir e a falar somente quando lhes for permitido. Que devem dizer “por favor”, “muito obrigado”, “ com licença” e outras expressões que denotam educação. É nesse convívio que nossos filhos devem aprender a cumprimentar as pessoas, a não trazerem nada que não lhes pertence para casa, que há tempo para brincar e também tempo para cumprir suas tarefas. Educação é como regar o terreno dando condições para que a semente germine ou que a muda plantada extrai do solo a seiva bruta que fará suas folhas serem verdes, as flores surgirem e os frutos nascerem.

Não há educação sem amor e dedicação. Não há educação sem sacrifício. Não há educação sem bons exemplos de gente educada. Não há educação sem investimento no tempo e do bolso. Não há educação sem empatia e simpatia. Não há educação sem disciplina.

Como é bom ver uma criança educada, mas também é igualmente triste ver uma criança mal educada. Os pais são os primeiros educadores e devem desempenhar a contento sua tarefa porque a instituição formal a que chamamos escola é um ambiente de pesquisa, de informação e de formação intelectual. Para que uma criança se torne uma boa pessoa, um bom cidadão, bom caráter, boa personalidade é preciso que veja nos seus pais, no ambiente familiar, os exemplos maiores e viáveis. Os pais precisam saber que um exemplo é superior a qualquer discurso. Os pais precisam estar lembrados que não educamos na base do “faça o que eu falo, mas não faça o que eu faço” porque as crianças vão acabar fazendo o que os eles fazem e em muitos casos, os culparão por suas atitudes.

Regar o solo onde está a semente ou a muda plantada é importante. Assim também fornecer o alimento em qualidade e em quantidade equilibrada aos filhos é extremamente relevante. O alimento que damos aos nossos filhos é importante para seu desenvolvimento. Deixar de alimentar uma criança, como convém, é um crime contra a infância período onde se estabelecem as plataformas do edifício tanto intelectual quanto físico.

Tenho visto muitas pessoas investindo em bem materiais perecíveis e transitórios e deixando de investir monetariamente na educação e na alimentação de seus filhos como é mais do que necessário que se faça. Lembro-me, saudoso, do meu falecido pai, que ao receber seu salário, a primeira atitude que tomava era ir ao mercado fazer compras para abastecer a dispensa de tal maneira que não nos faltasse o alimento tão vital.

Amor, carinho, disciplina, educação, alimentação, bons exemplos, são como regar o solo onde está a semente ou a muda plantada. Se quisermos que nossos filhos se tornem árvores frondosas e carregadas de frutos é bom que estejamos atentos a esses fatores indispensáveis.

O terceiro passo é cuidar para não permitir que as ervas daninhas e as pragas matem o caule e sufoquem o sonho de ver a árvore frutificar.

As ervas daninhas insistem em crescer ao lado da semente que germinou, da muda que você plantou. Elas competem com o espaço e roubam seiva bruta. É provável que haja comprometimento no desenvolvimento da árvore e os frutos não venham. É provável que a árvore se torne má e, se assim for, os frutos não serão bons.

As pragas comem a casca do caule e as folhas verdes. Matam a árvore.

Ervas e pragas podem ser o tipo de amizade que seus filhos cultivam. Você sabe quem são os amigos do teu filho ou filha? Você sabe quem são aqueles que “fazem a cabeça do teu filho ou filha?”.

Olhe as fotografias deles e você verá quem eles consideram seus amigos de verdade. Olhe as agendas dos celulares deles. Olhe o perfil no facebook, por exemplo. Aliás, olhe muito mais do que isso porque olhar para os filhos é obrigação dos pais. Pais que não olham, não veem, e pais que não veem, se surpreendem. Dê atenção ao seu filho ou filha porque essa afetividade é insubstituível.

Se os amigos do teu filho ou filha determinam o tipo de lugar que eles irão frequentar é preocupante. Se os amigos do teu filho ou filha determinam o tipo de música que eles irão cantar é preocupante. Se os amigos do teu filho ou filha determinam o tipo de roupa que eles irão usar é preocupante. Eu gosto de fazer uma distinção entre colega e amigo. Colegas são amizades fugazes, mas amigos participam de nossa intimidade e com eles compartilhamos nosso mundo. Pais, com quem seus filhos têm compartilhado o mundo deles, seus sentimentos, valores morais e éticos?

Pois é, há muitos “capitães ganchos” nas fotos e nas agendas dos celulares de alguns filhos, nas escolas, no clube e no condomínio onde você mora. São eles que ensinam nossos filhos que “ficar” não é pecado, é só uma amizade colorida. São eles que ensinam nossos filhos que sexo antes do casamento não é pecado se praticado com “responsabilidade”, ou seja; é só usar camisinha. Afinal das contas sexo não é pecado, desde que se evite a gravidez. São eles que ensinam que beber Coca-Cola com vodca, não é pecado, é apenas uma bebida mais forte que deixa soltinho, alegre. E são eles que vão ensinar que “dar uma pegadinha” no baseado é apenas um barato a mais e que isso não é tão grave assim. Afinal das contas tem até político defendendo a liberação do uso dessas coisas.

Ah! Já sei! Você vai dizer que muitos amigos dos teus filhos ou filhas são filhos de gente boa. Sim, e é possível mesmo que seja. Mas vale a pena lembrar que aqueles jovens que atearam fogo no índio Galdino da tribo Pataxós em Brasília, há dez anos, eram filhinhos de gente boa.

No livro dos Provérbios de Salomão encontramos a seguinte parênese: “Filho meu, ouve o ensino de teu pai e não deixes a instrução de tua mãe, porque serão diadema de graça para a tua cabeça e colares para o teu pescoço. Filho meu, se os pecadores querem seduzir-te, não o consintas. Se disserem: - Vem conosco, embosquemo-nos para derramar sangue, espreitemos, ainda que sem motivo, os inocentes; traguemo-los vivos, como o abismo, e inteiros, como os que descem à cova; acharemos toda sorte de bens preciosos; encheremos de despojo a nossa casa; lança a tua sorte entre nós; teremos todos uma só bolsa. Filho meu, não te ponhas a caminho com eles, guarda das suas veredas os pés, porque os seus pés correm para o mal e se apressam a derramar sangue”. (Provérbios 1.8-17)

Algumas amizades são verdadeiras ervas daninhas e pragas. Será lamentável constatar tardiamente que você deveria ter impedido certos relacionamentos que seus filhos cultivaram.

Há um ditado popular que diz: “Diga-me com quem tu andas que eu te direi o que tu és”. Eu diria: - Diga-me com quem tu andas, a quem tu ouves, e eu te direi o que tu fazes. O Salmo 1 diz que uma pessoa bem sucedida é aquela que não dá ouvido aos conselhos dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores e nem se assenta na roda dos escarnecedores, pelo contrário ela ama e medita na lei de Deus. Assim essa pessoa é comparada com uma árvore que dá seu fruto no tempo certo e suas folhas nunca murcham.

Pais: estejam atentos aos seus filhos e às amizades que eles cultivam. Sejam bons exemplos de vida piedosa e de amor a Deus porque é na educação dos filhos que se revelam as virtudes dos pais, como disse Coelho Neto, pois afinal das contas a autoridade sem sabedoria é como o machado pesado sem corte, que esmaga em vez de cortar.

Ter filhos, cria-los e educa-los e como plantar árvores frutíferas. Seja apenas uma, ou tenha você um pomar, o que você espera é que os frutos venham, porque frutos representam sementes e sementes representam a perpetuação da espécie.

Havia perto da casa onde eu morava, uma chácara com muitas árvores frutíferas. A dona daquela chácara cuidava dela com carinho. Um homem era pago para regar, limpar o terreno, aparar os galhos e folhas no tempo certo, de tal maneira que as árvores sempre produziam os frutos na estação própria. Jamais me esquecerei daquela chácara e daquelas árvores. Lamentei muito ver que aquela chácara acabou sendo adquirida por uma incorporadora que transformou aquele lugar em várias casas geminadas. Para essas casas mudaram muitas pessoas o que tornou o lugar mais populoso. Entretanto, com o passar do tempo e no convívio com os novos moradores, me convenci que aquele lugar continuava a ser um pomar, pois pessoas são árvores que geram frutos e sementes.

Meus filhos já não estão mais conosco. Eu e minha querida esposa vivemos, dizem alguns, a experiência do ninho vazio. Tolice, o ninho está se enchendo dia-a-dia. Agora os filhos nos visitam e trazem consigo seus filhos. E quando eles vêm nossos corações de avós se enchem de alegria, de regozijo ao ver o crescimento de novas arvorezinhas a que com muita alegria chamamos de netos. Netos são filhos dos filhos, são a semente daquelas árvores que plantamos e que frutificaram, e ver os netos, filhos dos filhos é, como preceitua as Escrituras, benção de Deus.

Que Deus te dê filhos e que você seja um exímio e cuidadoso agricultor.


Rev. Mauro Sergio Aiello

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

CONFLITOS E CONTENDAS




Todos sabem como os conflitos e as confusões começam. O que não sabemos, ao certo, é como eles terminam.  Uma palavra que não devia ter sido dita, ou um silêncio covarde no momento em que se deveria dizer alguma coisa. Uma atitude intempestiva. Uma reação desproporcional a uma ação simples. Um grito ao invés de um diálogo pacífico. Um depoimento injusto, ou mesmo justo, mas que não deveria ser feito. Um ato de violência verbal, coação moral, humilhação velada ou mesmo pública. Enfim, são multiformes as ações que provocam o surgimento de conflitos nos relacionamentos causando distanciamento entre as pessoas.

Jesus ensinou como esses casos devem ser tratados. Encontramos esses ensinamentos no texto de Mateus 18.15-35. Em primeiro lugar Jesus ensinou que o ofendido, ou mesmo aquele que se sentiu ofendido, deve procurar o seu ofensor e acertar tudo, visando a restauração da paz e do relacionamento. Jesus disse que se o caso for acertado entre ambos, o ofendido ganhou o irmão.

Em primeiro lugar ele deve estar plenamente cônscio se houve mesmo ofensa, quer seja dolosa ou acidental. É preciso que se tenha a mais absoluta certeza disso porque se não houve realmente uma ofensa, não há necessidade de retratação. O julgamento precipitado é sempre temerário. A questão aqui é saber discernir o que realmente aconteceu.

Após o ofendido ter absoluta certeza da ofensa, deve perguntar a si mesmo qual a motivação que o levará procurar o ofensor. O senso de auto-justiça? Ele quer vingança ou deseja que a comunhão entre ele e seu irmão ofensor retorne ao que era antes da ofensa? O ofendido precisa questionar a si mesmo qual a motivação que o leva a procurar o ofensor. Se não houver honra nessa sua atitude, é melhor se manter à distância e em oração. A questão aqui é saber as razões que levam o ofendido a buscar o seu ofensor.

Outra observação tem a ver com a metodologia. Nessa questão não é bom que deixemos muito para frente as tratativas assim como não é bom que sejamos rápidos demais. “O apressado come cru” e “o lento come queimado", são ditados que se aplicam aqui. Nem tão lento e nem tão rápido. O ideal e orar e esperar uma oportunidade em que o ofendido procure o ofensor em um momento no qual haja condições de reconciliação. Em Provérbios 25.11 lemos: “Como maçãs de ouro em salvas de prata, assim é a palavra dita a seu tempo”. A questão aqui é saber qual é o melhor momento para o diálogo em busca da reconciliação.

Outra questão importante tem a ver com a forma como acontece o diálogo entre ofendido e ofensor. Não basta ter razão é preciso saber mostrar que se tem razão. Provérbios 15.1,2 diz: “A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira. A língua dos sábios adorna o conhecimento, mas a boca dos insensatos derrama a estultícia”. Não basta termos razão, nem sabermos escolher o melhor momento para buscarmos a reconciliação, a retratação; é preciso também saber fazer bom uso das palavras. “A morte e a vida estão no poder da língua; o que bem a utiliza, come do seu fruto”. Provérbios 18,21

Que Deus nos ajude a termos sabedoria em momentos nos quais nos sentimos ofendidos. Que nossa reação jamais seja como a de Pedro que sacou da espada, mas sim como a atitude serena de Jesus que curou aquele que o prendeu injustamente.

A VISÃO É IMPORTANTE.

"Erguei os olhos e vêde os campos, pois já branquejam para a ceifa".
João 4.35b        
       
               Alguém já se expressou nos seguintes termos: “Se tu te vês como Deus te vê, então estás pronto a receber aquilo que Ele te dá, a saber: seu Cristo”.   E isso deve fazer diferença na forma como você vê as pessoas ao teu redor. Missão sem visão é ativismo, visão sem missão é comodismo.

     Quando Jesus veio até nós ele reunia em si tanto a visão quanto a missão. Ele olhou as multidões e se compadeceu delas. Andavam errantes e precisavam de orientação. Ele mesmo disse apontando para si mesmo: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida, ninguém vem ao Pai se não por mim”. (João 14.6)

                O olhar do mestre era sempre carregado de sentido. Ele não olhava simplesmente por olhar, mas ele viu o homem de mão ressequida e o curou, mesmo sendo sábado e aparentemente escandalizando os fariseus; seu olhar foi diferente ao ver a multidão que não tinha o que comer e isso o levou a multiplicar pães e peixes; ele olhou Jerusalém com a dor da rejeição; ele olhou da cruz, a multidão que era conduzida pelos religiosos e orou por ela; ele olhou a multidão pronta para apedrejar uma mulher apanhada em flagrante adultério e a perdoou, dando uma lição naqueles que a queriam matar.

     Como é que você olha o mundo ao seu redor? Como você vê seus vizinhos, parentes e amigos? Como você interpreta aquilo que acontece no seu mundo, no seu tempo? Como você vê os corações à sua volta? O desespero e o universo em desencanto não te incomodam? As notícias de violência, conflitos e tragédias na televisão, rádio, jornais, não ti atingem?  Se ti perguntarem a respeito do mundo de hoje, como você o vê e interpreta, qual será a tua resposta?

                O que precisamos como cristãos é olhar o mundo ao nosso redor, da mesma forma como Jesus o fez. Somente esse olhar, somente essa visão de um mundo carente de Deus poderá despertar em nós uma atitude, mais do que uma mera contemplação. Somente quando olhamos o mundo sob a ótica divina é que nos sentimos impulsionados à ação.

                Precisamos pedir a Deus que nos dê a visão do mundo ao nosso redor da mesma forma como o bom samaritano viu o judeu jogado naquela estrada, semi-morto. O sacerdote e o levita o viram, mas se acomodaram, preocupados com os aspectos éticos de sua religião que proibia que eles tocassem em uma pessoa morta. Já o samaritano olhou com compaixão e misericórdia e essa forma de olhar fez uma grande diferença para aquele homem moribundo, jogado à beira da estrada.

                Missão com visão nos leva à termos uma mensagem relevante e visão com missão nos tira de uma existência cheia de folhas como a figueira estéril nos fazendo frutificar, tirando-nos da nossa zona de conforto, do nosso mundo pequeno e abrindo enormes possibilidades de alcançarmos outras pessoas de realidades tão diferentes, mas pecadores que precisam do salvador.   

      Com certeza você não irá salvar todas as pessoas do mundo. Nem Jesus o pode fazer, mas certamente se você olhar as pessoas ao teu redor e amá-las como Deus em Cristo te amou, então para essas pessoas você fará uma enorme diferença.

                Com certeza não temos condições de salvar todas as pessoas do mundo, mas temos o compromisso de olhar o mundo e amar a todos indiscriminadamente alertando-os para o que os espera do outro lado se não tiverem Jesus como seu Salvador e Senhor. O fato de não podermos salvar a todos não pode nos impedir de sermos instrumentos para a salvação daqueles que vivem ao nosso redor e também aqueles até onde a nossa vista pode alcançar.

                 

PROVERBIOS PARA A VIDA

Não basta ter razão teológica. Isso é intelectualidade mera, se o que você diz crer, não for transformado em vida. Saber e viver são duas coisas distinhas.
 
Orar não vai mudar o coração de Deus, mas com certeza se você orar Deus vai mudar o teu coração.
 
É bem provável que eu não faça tudo exatamente como esperam de mim, mas podem ter a mais absoluta certeza de que eu farei o melhor que puder ser feito.
 
Estou convencido, que se há uma experiência terrível em nossas vidas essa é olhar para trás e ver que perdemos tempo com temas tão banais, que gastamos nosso dinheiro com tantas futilidades, que hasteamos algumas bandeiras cujos ventos jamais fizeram tremular, que perdemos o trem porque dormimos na estação, que deixamos a oportunidade cair pelo chão porque resistimos em não tentar. É melhor errar tentando do que cometer o erro de nunca tentar. Se há tempo e condições de retomar de onde paramos, para dar a volta por cima e sacudir a poeira, façamos isso. Pode ser que tenhamos pouco tempo pela frente, mas como vida é uma questão de qualidade, vivamos com dignidade o tempo que nos resta.
. levar em conta que é melhor errar tentando do que cometer o erro de nunca tentar. Se há tempo e condições para retomar de onde paramos, para dar a volta por cima e sacudir a poeira, façamos isso. Pode ser que tenhamos pouco tempo pela frente, mas como vida é uma questão de qualidade vale a pena viver com dignidade o tempo que nos resta
Orgulho e presunção. Irmãos gêmeos que tem sua morada no coração daquele que não conhece Jesus. Ele disse: Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração e achareis descanso para vossas almas.
 
Quem te ama, o faz apesar de teus defeitos. Quem não te ama, o faz apesar de tuas virtudes. Se você diz que ama, esteja pronto a assumir as implicações dessa declaração.
 
O ódio e a inveja não colocam armas apenas nas mãos das pessoas, mas também em seus lábios.
 
Tão perto ainda não é o céu.- Ah! Ele (a) ouviu tanto sobre Jesus. Inclusive dizia que não tinha nada contra Ele, só não gostava da Igreja. Até ia à Igreja vez em quando e até lia a Bíblia, vez em quando. Ele procurava ser uma boa pessoa. Mas é preciso que saibamos que o batente do lado de fora da porta do céu, ainda nao é o céu.
 
A maldade adoece, enfermiza. O caminho para a cura é a santidade. Para ser santo é preciso obedecer o que a Bíblia preceitua. Pratique a Palavra e tenha saúde.
 
Pense a respeito. Reflita!   

SEJA BEM-VINDO E BOA LEITURA!

Fico feliz em que você visite o Blog Conteúdo. Faço parte dessa comunidade de gente que gosta de escrever e expor o que escreve sem nenhum receio de ser lido e contestado. Fique a vontade nessa minha sala de leitura. Espero, sinceramente, que meus escritos ajudem você de alguma maneira, mas principalmente do ponto de vista espiritual. Se você quiser me ajudar ore por mim e peça a Deus que me mantenha firme na fé cristã. Se você não é um cristão como eu, eu gostaria de conhecer você e falar para você sobre minha fé. É só ir na seção dos comentários e fazer contato.

Um abraço.


FAMÍLIA.....

FAMÍLIA.....
O MAIOR PATRIMÔNIO DE UM HOMEM É SUA FAMÍLIA

FILHOS

FILHOS
QUERIDOS