sábado, 28 de julho de 2012

O QUE SÃO PEDRAS PARA DEUS?

O QUE SÃO PEDRAS PARA DEUS?

Carlos Drummond de Andrade escreveu um poema intitulado No Meio do Caminho no qual ele fala sobre uma pedra no meio do caminho.  


No meio do caminho tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho
Tinha uma pedra
No meio do caminho tinha uma pedra.

Nunca me esquecerei desse acontecimento
Na vida de minhas retinas tão fatigadas.
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
Tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho
No meio do caminho tinha uma pedra.

Na verdade eu não sei que pedra era essa no caminho do poeta. Sei, todavia, o quão doloroso é tropicar em uma pedra. Sei também, por experiência própria o estrago que uma pedra faz nos pés quando dentro do sapato.

As pedras podem ser problemas para os homens, mas não são para Deus.

A Bíblia nos conta a notável história de um pequeno pastor de ovelhas que decidiu lutar contra um gigante chamado Golias. Ele era o campeão do exército filisteu, e afrontava os exércitos de Israel. Davi decidiu enfrentá-lo. O rei Saul lhe ofereceu uma armadura, mas Davi não conseguia mobilidade com ela. Decidiu lutar portando, apenas, sua funda (um tipo de estilingue), seu cajado de pastor com que cuidava dos rebanhos do seu pai Jessé, e escolheu cinco pedras lisas do ribeiro, pondo-as no seu alforje.

Davi precisou de apenas uma pedra que atirada encravou-se na testa do gigante. Este caiu com rosto por terra. Davi então correu até ele, tirou-lhe a espada e com ela, cortou sua cabeça separando-a do corpo. (I Samuel 17.31-54)

Pedras nunca foram obstáculos para Deus, sejam elas de que tamanho for, Deus as usa sempre para manifestar o seu grande poder e a sua maravilhosa glória.

Quando aquela multidão, ávida por fazer “justiça” se municiava de pedras para com elas alvejar aquela mulher pega em flagrante adultério, Jesus dirigiu-se à turba inflamada e disse: “Aquele que dentre vós estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire pedra”. (João 8.7) A multidão se dissolveu e a mulher pela intervenção sábia do Mestre dos mestres, sobreviveu.

Em outra ocasião Jesus estava saindo do templo e os seus discípulos se aproximaram dele para lhe mostrar (orgulhosos) as construções do templo. Jesus, porém, lhes disse: “Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derribada”. (Mateus 24.1-2). No ano 70 depois de Cristo, o Marechal Tito destruiu o templo, vitória essa que foi celebrada com a construção do monumento intitulado Arco de Tito. De fato, não ficou pedra sobre pedra lançando assim, Deus, o orgulho dos judeus por terra.

Pedras, não representam obstáculos para Deus. Não o foram em Betânia há dois mil anos.

Em Betânia, Lázaro já estava sepultado há quatro dias. Os olhos dos enlutados já estavam secando. Então Jesus chegou àquele vilarejo e se dirigiu àquele lugar onde Lázaro estava sepultado.

Jesus ordenou: - Tirai a pedra (que selava o túmulo onde Lázaro havia sido sepultado). Marta alertou a Jesus: - Senhor, já cheira mal porque já é de quatro dias. Jesus respondeu: - Não te disse eu que, se creres verás a glória de Deus?

Tiraram, então, a pedra. Jesus orou a Deus o Pai e depois clamou em voz alta: - Lázaro vem para fora!

Só foi preciso um chamado. Lázaro ouviu seu nome. Seus olhos se abriram debaixo do lenço que cobria seu rosto. As mãos enfaixadas se ergueram. Os joelhos levantaram-se, pés tocaram o chão, e o morto saiu.

Para Deus, pedras não representam problemas.

Jesus havia sido crucificado e morto na sexta-feira. As mulheres, então obedeceram ao dia de descanso e no primeiro dia da semana, no domingo, alta madrugada, se dirigiram ao túmulo onde Jesus havia sido sepultado.

Ao chegar ali elas observaram que a pedra do sepulcro de Jesus havia sido removida. Nisso apareceu-lhes varões com vestes resplandecentes que lhes perguntaram: - Porque buscais entre os mortos ao que vive? Ele não está aqui, mas ressuscitou. (Mateus 24.5)

Aqui há algo que me intrigava, mas para a qual eu encontrei uma linda explicação. Se pedras não são obstáculos para Deus, porque Ele removeu a pedra que selava o sepulcro de Jesus? Não poderia Jesus atravessar aquela pedra? A resposta é: A pedra foi removida não para Jesus sair, mas para que as mulheres e todos os discípulos que foram até o sepulcro, pudessem entrar e conferir que de fato Jesus havia ressuscitado.

Aquela pedra foi removida mesmo tendo ali uma escolta própria para garantir que o corpo de Jesus não fosse roubado e então os discípulos de Jesus dissessem que Ele havia ressuscitado. Aquela pedra podia ser um obstáculo para os homens, mas não para o poder de Deus. Mais uma vez Deus humilha os orgulhosos homens. Ele fez rolar a pedra, não para que Jesus saísse, mas para mostrar o seu poder em fazer Jesus ressuscitar e para que todos pudessem entrar e constatar que Jesus não podia ser retido pela morte.

Pedras de fato não representam obstáculo e nem problema para o grande e poderoso Deus.

Max Lucado conta-nos uma interessante história de uma condessa de Hanover. Ele não nos fornece o seu nome, mas nos informa que tratava de uma pessoa conhecida por sua descrença em Deus e pela convicção de que ninguém podia tirar vida de um sepulcro. Antes de sua morte, ela deixou instruções específicas de que seu túmulo fosse selado com uma laje de granito; pediu que blocos de pedra fossem colocados ao redor de seu túmulo e que os cantos dos blocos fossem presos uns aos outros e à laje de granito por pesados grampos de ferro.

A seguinte inscrição foi colocada no granito: Este sepulcro, comprado por toda a eternidade, nunca deve ser aberto.

Tudo o que qualquer pessoa pudesse fazer para selar o túmulo, foi feito. A condessa havia assegurado que seu túmulo servisse de zombaria para a crença na ressurreição. Mas uma pequena bétula, entretanto, tinha outros planos. Sua raiz conseguiu passar entre as lajes e afundar-se no chão. Com o passar dos anos, ela forçou passagem até que os grampos de ferro se soltaram e a tampa de granito foi erguida. A cobertura de pedra descansa agora contra o tronco da bétula, o epitáfio jactancioso permanentemente silenciado pela obra de uma árvore resoluta... Ou um Deus poderoso.

Quero finalizar minhas considerações sobre pedras, citando a passagem no final do Sermão do Monte quando Jesus nos apresenta dois homens que desejam construir suas casas. O primeiro constrói sobre a areia. Vem então a tempestade e é grande a ruína da casa. Jesus disse que esse é o homem imprudente porque ouve sua Palavra, mas não faz caso dela.

O outro construtor sábio e prudente, edifica sua casa sobre a rocha (pedra duríssima). Isso não impede que ele enfrente as vicissitudes normais da vida e da existência humana. Esse é o homem que ouve a Palavra de Jesus e procura diligentemente praticá-la. Então, vem a tempestade que bate duramente contra aquela casa, mas ela sobrevive, fica em pé.

Minha oração sincera é para que Deus remova a pedra da incredulidade que insiste em fazer com que você olhe para você mesmo fazendo-o acreditar que é possível ser salvo por seus próprios recursos.

Eu oro para que você olhe para a Cruz de Cristo, levantada naquele monte chamado Gólgota e veja naquele homem sofredor, o teu Salvador, aquele sobre o qual diz a Escritura: Eis que ponho em Sião (Jerusalém) uma pedra angular, eleita e preciosa, e quem nela crer não será de modo algum envergonhado. I Pedro 2.6 cf. Isaías 28.16.

Sim, para Deus as pedras não representam problemas. Ele as usa para a sua própria glória, Ele as remove para mostrar o seu grande poder.

Que você seja uma pedra viva e proclame com sua vida e com seus lábios que Jesus é teu salvador e senhor de sua vida.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

AMAR O DINHEIRO É PECADO I Timóteo 6.6-10

NÃO SE LIVRE DO DINHEIRO..USE-O PARA A GLÓRIA DE DEUS
“De fato, grande fonte de lucro é a piedade com o contentamento. Porque nada temos trazido para o mundo, nem cousa alguma podemos levar dele. Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes. Ora, os que querem ficar ricos caem em tentação, e cilada, e em muitas concupisciências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição. Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores”. I Timóteo 6.6-10


Olhe ao seu redor. Não há nenhuma dúvida de que o deus que a sociedade humana adora e a quem presta culto, é o dinheiro, Estou cansado de ver pessoas cultuando disfarçadamente a esse deus. Muitos cristãos não assumem mas ousam dividir a adoração que dizem prestar a Jeová, ao grande Eu Sou, com esse deus. Não são poucos os que se deixaram seduzir pelo vil metal e por aquilo que ele proporciona. Mas Deus não permite que tenhamos qualquer outro ser ou coisa entre nós e Ele. O primeiro mandamento é enfático e seu conteúdo é inegociável: “Não terás outros deuses diante de mim”. Êxodo 20.3.


Estou cansado de ver pessoas com frases como: “Se o dinheiro não traz felicidade, dê-me o teu e seja feliz”. Oscar Wilde escreveu: “Quando eu era jovem, pensava que o dinheiro era a coisa mais importante do mundo. Hoje, tenho certeza”. Triste, não?




Eu quero dizer algumas coisas sobre o amor que alguns nutrem pelo dinheiro.




1) O dinheiro produz falsa segurança. Quando a Providência Divina nos chama, o dinheiro se encolhe. Zaqueu acreditou durante sua vida que ter dinheiro e patrimônio era algo muito importante, até que certo dia Jesus passou por sua cidade (Jericó) e esteve em sua casa, entrou em sua vida.


2) O dinheiro produz orgulho e auto-suficência. Não se deixe seduzir pelo dinheiro. Se você o tiver não permita que ele te possua. Conheci pessoas que lutaram a vida toda para poder acumular riquezas, agigantar o patrimônio e quando chegaram lá eles se tornaram orgulhosos, arrogantes, autossuficientes e não poucos deles se desviaram completamente do caminho do Senhor. Na verdade eles só mudaram o deus a quem servem.


3) O amor do dinheiro separa casais e irmãos. Quantos casais não se separam porque as finanças não são mais as mesmas e as expectativas de uma boa posição na sociedade se desvaneceram. Quantos irmãos não lutam até as raias de tirar a vida um do outro por causa de heranças e patrimônio deixado pelos pais.

4) O amor do dinheiro afrouxa os valores morais e éticos e animaliza o ser humano. Por que é que você acha que dois indivíduos se aproximam de um carro estacionado no farol, apontam uma arma para a cabeça do motorista, assalta e mata? Ora, por causa do amor do dinheiro. Por que ele deseja tanto o dinheiro que o quer de modo fácil, não como fruto do trabalho, mas na "mão grande". Por que você acha que um político se deixa corromper? Pelo amor ao dinheiro. 


É bom que nos convençamos de que o homem mais pobre do mundo é aquele que só tem dinheiro.


Ayrton Sena, piloto da Fórmula 1 e de poucas palavras, mas um silente filantropo disse: “Dinheiro é um negócio curioso. Quem não tem está louco para ter; quem tem está cheio de problemas por causa dele”.


Nelson Rodrigues, notório por suas ironia disse: “O dinheiro compra até o amor verdadeiro”.


Millor Fernandes, talvez pensando na classe política disse: “O dinheiro não é só facilmente dobrável como dobra facilmente qualquer um”.


Arthur Schopenhauer, disse: “O dinheiro é uma felicidade humana abstracta; por isso aquele que já não é capaz de apreciar a verdadeira felicidade humana, dedica-se completamente a ele”.


Se em tuas entranhas você nutre admiração pelo dinheiro.


Se você dedica suas energias, suas potencialidades e seus esforços apenas para ganhar e ter mais dinheiro; se você pensa que tendo mais dinheiro você será mais feliz; se você é daqueles que pensa que o propósito de nossa existência é ficar rico; se você pensa que ter pouco dinheiro é humilhação.


Lamento! Você nunca terá o suficiente.


Lamento! Mas você nunca será plenamente feliz mesmo que tenha muito dinheiro.


Lamento! Mas de nada adianta um bolso cheio de dinheiro e um coração vazio de Deus.


Lamento! Mas de nada adianta todo dinheiro do mundo se você vive assombrado e escravizado pela avareza.


Lamento! Mas se o teu dinheiro te possui então você é um fracasso e um mendigo.

Lamento! Mas se pensa você que ter dinheiro é o maior de todos os negócios, com a mais absoluta certeza você não saberá o que fazer com ele quando o tiver sobrando.


Olhemos para Jesus. Aprendamos com ele. Ele mesmo despiu-se de toda a glória, se fez humano para suportar a cruz. 

Não doe seu dinheiro, ganho com honestidade, fique com ele, mas se você é rico e abastado, seja grato e use tudo isso para a glória de Deus e não a sua.


Rev. Mauro Sergio Aiello

sexta-feira, 20 de julho de 2012

EVANGELIZAR É O EXERCÍCIO ESSENCIAL PARA NOSSA SAÚDE ESPIRITUAL. EVANGELIZE PORQUE EVANGELIZAR É PRECISO.

EVANGELIZAR É PRECISO        João 4.31-38
                O encontro de Jesus com a mulher samaritana nos ensina preciosas lições sobre levar almas à Jesus. No encontro com a mulher samaritana Jesus nos ensina o quão importante é a evangelização. Jesus nos ensina 


Evangelizar é essencial: Os discípulos deixaram Jesus e foram comprar alimento. Ao voltar eles encontram o mestre conversando com aquela mulher. Interromperam aquela conversa para pedir a Jesus que comesse. Eles revelaram cuidado e carinho com seu mestre. A resposta de Jesus foi surpreendente: “Uma comida tenho para comer que vós não conheceis. A minha comida consiste em fazer a vontade daquele que me enviou e realizar a sua obra”. Assim como a comida é essencial para produzir energia, e assim podermos realizar nossas tarefas, da mesma forma evangelizar (realizar a obra de Deus), é esssencial para a manutenção do vigor espiritual. Crente que não envageliza adoece assim como adoecemos quando não nos alimentamos.


Evangelizar exige paixão: Uma pessoa apaixonada nunca age preconceituosamente. O texto diz que era necessário que Jesus passasse por Samaria. Havia pelo menos três caminhos que ligavam a Judéia à Galiléia. Apesar do caminho que passava por Samaria ser o mais curto, os Judeus o evitavam. Havia forte animosidade entre Judeus e Samaritanos. Há 700 anos eles eram inimigos. Mas Jesus sabia que na agenda divina Ele tinha um encontro marcado com aquela mulher, naquele poço em Sicar. O mesmo aconteceu com Jesus em Jericó ao dizer a Zaqueu que descesse daquela árvore. Alguém que ama, não vê distância, nem outros impeditivos para alcançar o coração daquele que é objeto do seu amor. Nada adianta termos boa teologia, bom governo eclesiástico, sermos organizados como denominação (seja ela qual for), se não amarmos as pessoas e sermos apaixonados por nossa missão proclamadora do evangelho.


Evangelizar exige visão de fé: Jesus disse aos seus discípulos que os campos já estavam  brancos e prontos para a colheita, mesmo faltando quatro meses para isso se tornar realmente visível ao olho humano. O que Jesus está dizendo aqui é que o semeador lança a semente ao solo porque tem fé de que a semente semeada se tornará em fruto a ser colhido. Aquele que semeia o trigo, vê na semente, o pão sobre a mesa. Isso é fé. Muitas coisas podem acontecer entre a semeadura e o tempo da colheita, mas a colheira é certa quando feita com amor.

  
O cristianismo perde terreno quando confunde eclesiologia com missiologia. O cristianismo se robotiza e se torna cerimonialista quando se permite reduzir ao momento estanque da liturgia comunitária. O cristianismo se paganiza quanto se constitui em um balacão de negócios onde o homem traz a oferenta à divinda e esta responde com bênçãos. O cristianismo se apequena quando transforma a Eclésia em um gueto, em trincheira, em teatro onde nos ensimesmamos. 


O cristinismo só tem sentido eclesiológico quando demonstra responsabilidade no ato de proclamar “as virtudes daquele que nos chamou das trevas para sua maravilhosa luz”. (I Pedro 2.9b). O culto cristão revela legítimo fervor quando o cristão faz da proclamação do evangelho seu ato de adoração. Ir à Igreja tem sentido quando somos a Igreja Proclamadora onde colocamos nossos pés. O cristianismo se torna bíblico quando Deus é adorado por ser Deus e não por Sua capacidade de realizar milagres e resolver problemas humanos. Jesus não ocultou daquela mulher mulher samaritana que ela era uma pecadora. O cristianismo não é um negócio. O cristinismo revela quem eu sou e naquilo que, em Cristo, posso me tornar.  O cristianismo é estilo de vida. Ser cristão na Igreja, não é tarefa difícil, mas viver como cristão nos outros segmentos em que atuamos, (trabalho, família, escola, clube, shoppings, por exemplo), é tarefa difícil. É fácil ser cristão onde nossa intimidade é fugaz, mas ser um cristão nos ambientes onde as pessoas nos conhecem intimamente é muito difícil, mas temos que ser discípulos de Jesus em qualquer lugar, sob qualquer circunstância.


Evangelizar é preciso, porque é essencial para nossa saúde espiritual. Evangelizar é demonstrar paixão pela missão e pelo alvo e objetivo dela (pessoas, sejam quem for) que é ver pessoas conhecendo Jesus como Salvador e Senhor. Evangelizar é uma questão de ter fé em que a semente que semeamos irá frutificar de acordo com a vontade de Deus que é o dono da lavoura.


Não dê desculpas. Evangelize porque isso é preciso.
Rev. Mauro Sergio Aiello

SEJA BEM-VINDO E BOA LEITURA!

Fico feliz em que você visite o Blog Conteúdo. Faço parte dessa comunidade de gente que gosta de escrever e expor o que escreve sem nenhum receio de ser lido e contestado. Fique a vontade nessa minha sala de leitura. Espero, sinceramente, que meus escritos ajudem você de alguma maneira, mas principalmente do ponto de vista espiritual. Se você quiser me ajudar ore por mim e peça a Deus que me mantenha firme na fé cristã. Se você não é um cristão como eu, eu gostaria de conhecer você e falar para você sobre minha fé. É só ir na seção dos comentários e fazer contato.

Um abraço.


FAMÍLIA.....

FAMÍLIA.....
O MAIOR PATRIMÔNIO DE UM HOMEM É SUA FAMÍLIA

FILHOS

FILHOS
QUERIDOS