quarta-feira, 20 de março de 2013

OVOS DE PÁSCOA?


E por algum acaso coelhos botam ovos? E ainda mais de chocolate? É óbvio que não! O ovo é um ícone antigo que simboliza o nascimento. É mais antigo que o próprio cristianismo. Foi o cristianismo que emprestou da cultura pagã essa idéia do nascimento. “Costumava-se pintar um ovo oco de galinha de cores bem alegres, pois a Páscoa é uma data festiva que comemora a ressurreição de Jesus Cristo, sendo o ovo um símbolo de nascimento. Outros povos como os gregos e os egípcios também coloriam ovos de galinha oco, porém em datas diferentes”. (Wikipédia)

            Eu gosto, demais do ovo de Páscoa nem tanto pelo que representa e nem tampouco por aquilo que simboliza, mas porque são feitos de chocolate e eu gosto demais de chocolate. É óbvio que logo após degustar uma quantidade considerável dessa forma na qual o chocolate se apresenta eu sou visitado com glamour pela famosa enxaqueca. Mas terá valido a pena, sinceramente!

            Nessa época do ano, no calendário litúrgico eu nem penso em Páscoa, e tampouco me preocupo com a questão dos tais ovos de chocolate. Páscoa é festa, celebração judáica e não cristã. A primeira Páscoa aconteceu quando Israel ainda era cativo no Egito. Foi exatamente quando Deus puniu o Egito com a décima praga que o mesmo Deus terrível em seu juízo se mostrou misericordioso e amoroso em poupar os primogênitos daquelas casas em que se celebrou a primeira Páscoa. Quem celebra a Páscoa hoje ainda sacrifica o cordeiro, ainda espera o Messias, mas para nós os cristãos, Cristo é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, o Messias que veio, viveu e morreu sendo  ele o último sacrifício.

            Não me preocupo muito quando algums cristãos dizem que vão se reunir para celebrar a Páscoa. Quando os cristãos dizem isso eles não estão afirmando que celebrarão a Páscoa do mesmo modo, e sob a mesma perspectiva com que os Judeus fazem isso. Os cristãos celebram aquilo que a Páscoa representava e da qual era tipo, ou seja, os cristãos celebram a morte do Cordeiro Pascal, que é Jesus, e sua maravilhosa e incomparável benção da ressurreição. Os cristãos celebram o fato de que pela morte e ressurreição de Jesus, que é o Agnus Dei (Cordeiro de Deus), um novo e vivo caminho se abriu diante deles em seu relacionamento com Deus. À semelhança de cada israelita no Egito, todo cristão, vivia morto em seus delitos e pecados, era escravizado pelo mundo, pela carne e pelo diabo, e estava totalmente alienado de qualquer possibilidade de intimidade com Deus, mas agora, pela morte de Jesus, que é a essência da Páscoa, o cristão pode orar, meditar nas Escrituras, adorar, sabendo que Deus o acolhe e o aceita, mesmo sendo ele um pecador.

            Assim, prezado leitor, podemos sim comer muitos ovos de "Páscoa", principalmente para aqueles que gostam de chocolate como eu. Assim prezado leitor, podemos comemorar a ressurreição de Jesus, aquele que foi morto na Cruz, sepultado, mas ressuscitou dos mortos sendo as primícias dos que dormem. Com ele, morremos nós e com ele ressuscitamos nós para vivermos em novidade de vida e para aguardarmos, após atravessarmos os portais da eternidade, a nossa ressurreição literal, no mesmo corpo com que viemos a esse mundo, corpo agora ressurreto e glorificado, onde corrupção de nenhuma forma, quer seja moral ou física poderá ter poder sobre nós.

sexta-feira, 8 de março de 2013

UMA NOVA CRIATURA



“Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram eis que tudo se fez novo”. II Cor. 5.17

É interessante observar o uso dos verbos de ligação, estar e ser, neste versículo da Bíblia. A informação é que se alguém está em Cristo, ele é nova criatura e como consequência natural as coisas velhas passaram, tudo se fez novo.

Ser nova criatura é uma consequência natural de todo aquele que realmente está em Cristo Jesus e em quem Jesus está. Isso não é brincadeira, não é filosofia, nem o resultado de uma vida contemplativa, nem tampouco de uma vida de autoflagelação e mutilamento, ou mesmo de prática de “boas obras e caridade”. Em absoluto! Estar em Cristo é ser unido a Ele misticamente. Sabe como isso ocorre? Bem, quando o Espírito Santo convence e converte o coração do pecador ele é levado a enojar-se das coisas que praticava, dos seus valores, projetos de vida, dos seus ideais, dos seus imundos pensamentos, da forma vã com que levava sua vida. Com a conversão surge, então, um forte desejo de deixar tudo aquilo que Deus considera transgressão, pecado. Eis então a morte do velho homem e o renascimento de um novo homem. O velho homem é crucificado com Ele e o novo homem vem à lume. O velho homem morre e é sepultado com Cristo, mas um novo homem ressuscita com Cristo passando a viver em novidade de vida.

Por isso é uma aberração teológica admitir que alguém morreu e ressuscitou em Cristo e não amar a santificação. É um equívoco declarar que alguém está em Cristo e que esse alguém continua vivendo do mesmo jeito imoral e indecente como vivia. Uma criança recém-nascida revela ter saúde quando seu organismo se desenvolve dentro do que é esperado de acordo com o que preceitua a ciência. A criança recém nascida não tem passado. O cristão recém-nascido em Cristo, também é assim, alguém cujo passado, passou, pura e simplesmente. Tudo se faz novo. Uma criança começa a engatinhar e depois passa a andar. Balbucia as primeiras palavras, mas logo domina o linguajar. Com o cristão recém-nascido também é assim. Ele engatinha espiritualmente falando, mas progride ao ponto de poder andar em pé sobre suas próprias pernas. Ele fala com dificuldade sobre ele mesmo e sobre Deus, mas com o passar do tempo, a vida de leitura Bíblica, meditação e oração, comunhão com os santos, vai fazer dele uma pessoa com mais fluência em falar de Jesus e de sua nova vida.

A salvação, o novo nascimento, a regeneração, é obra divina, da economia do Deus eterno. Ele faz isso por conta de sua inexplicável misericórdia e maravilhosa graça. Ele enviou Jesus, seu único filho para pagar o preço que nossos pecados cobravam. Jesus morreu por nós (para expiar nossos pecados) e em nosso lugar (vicariamente). Entretanto, a santificação é um processo no qual participamos ativamente. Deus nos oferece os meios da sua graça para nosso progresso e crescimento espirituais de tal maneira que a cada dia que passa, por meio da santificação, nos pareçamos mais e mais com Jesus seu filho amado.

Veja o notável exemplo de Paulo. Um homem zeloso de sua origem, de sua formação teológica, de sua posição dentro do Judaísmo (fariseu), de seu cuidado em observar a Torá, a Lei de Deus, perseguidor da Igreja imaginando que ela era uma heresia e que Jesus não era o Messias que tanto os judeus esperavam. Mas Jesus, mesmo contra a vontade do próprio Paulo, veio a ele e o converteu de perseguidor dos cristãos a um nos mais notáveis cristãos da história do Cristianismo. Assim como foi com Paulo, ocorre o mesmo com milhares e milhares de pessoas. Por conta da graça de Deus elas são regeneradas e feitas novas criaturas que passam a amar a Lei de Deus e a ter fome e sede da justiça de Deus. Essas pessoas passam a  ansiar pelo crescimento espiritual, a desejar se parecer com aquele que por elas morreu na Cruz.

Conta-se que Agostinho bispo de Hipona viveu, antes de sua conversão, uma vida de licenciosidade e pecados de toda natureza. Após sua conversão, Agostinho caminhava por uma rua quando ouviu a voz de uma mulher a chama-lo: - Agostinho, Agostinho. Identificando a voz e sabendo de quem era e ainda mais, que aquela mulher fizera parte de um passado do qual ele não se orgulhava ele mudou de lado da rua. A mulher insistiu em chama-lo: - Agostinho, Agostinho. O bispo de Hipona acelerou seus passos. A mulher atravessou a rua, acelerou seus passos, se aproximou de Agostinho e tocou em seus ombros dizendo: - Agostinho, sou eu Agostinho. Ele então olhou para aquela mulher e com firmeza respondeu: - Mas eu não sou Agostinho. O que ele queria dizer com estas palavras? Bem, ele queria dizer: - Eu não sou mais aquele Agostinho, agora eu sou um outro Agostinho.

Há alguns anos certa dançarina e “cantora” se declarou evangélica. Mas não passou nem muito tempo e ela estava estrelando um filme pornográfico. Questionada a esse respeito deu algumas “explicações” absurdas que só revelaram mesmo que ela até podia ser membro de uma igreja evangélica qualquer, mas não alguém que realmente havia nascido de novo.

Olhe para o retrovisor da história. Olhe para quem você era e para quem você passou a ser depois de sua regeneração (conversão). O quanto de mudança para melhor aconteceu em seu caráter em sua personalidade? O seu linguajar é mais puro? Seus pensamentos são levados cativos ou sua mente ainda continua sendo reduto das paixões da carne, do mundo e do diabo? Você melhorou como filho (filha)? Passou a honrar seus pais como prescreve a Bíblia Sagrada? Você melhorou como marido e passou a amar sua esposa como Cristo amou a Igreja a ponto de se sacrificar por ela? Você é uma esposa que honra seu marido colocando-se no honrado posto de ajudadora idônea ou continua tentando usurpar a liderança que cabe a ele? Vocês são melhores pais ou continuam provocando a ira em seus filhos pela péssima forma como os disciplinam? 

Se não houve mudança radical é provável que não houve conversão. Se não há lágrimas agora em seu rosto é provável, ou que você não nasceu de novo, ou está calejado por uma vida de pecados e descompromisso com Deus. Pare e pense! Reflita e busque em oração, jejum, viver uma vida nova, Com Cristo, Em Cristo e Para Cristo de tal maneira que você possa se expressar como fez Paulo: “Porque eu, mediante a própria lei, morri para a lei, a fim de viver para Deus. Estou crucificado com Cristo; logo já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a sim mesmo se entregou por mim”. Gálatas 2.19,20

De uma coisa você pode ter a mais absoluta certeza: “ninguém poderá ser o mesmo depois de ter sido encontrado por Cristo”.

quarta-feira, 6 de março de 2013

LÁGRIMAS....



Deus criou as glândulas lacrimais. Essas glândulas estão alojadas na fossa da glândula lacrimal, no osso frontal, recebendo inervação simpática e parassimpática do Sistema Nervoso Autônomo. Sua função é produzir o fluido lacrimal para a lubrificação e limpeza do globo ocular. Sem você saber, ou mesmo controlar, o sistema nervoso autônomo produz a lágrima que irá lubrificar o globo ocular evitando o ressecamento, e para proteger os olhos contra substâncias estranhas e infecções. Em momentos de tristeza ou profusa alegria, quando as emoções invadem nosso ser, é comum que os olhos lacrimejem e as lágrimas escorram sobre nossa face.

Homem que é homem não chora! Bem eu penso o contrário. Penso que homem que é homem, chora e chora sempre por razões justificáveis. Afinal das contas os homens também têm as glândulas lacrimais. A Bíblia diz que Jesus chorou. Interessante! Jesus que conhece as possibilidades todas, sabe o que foi é e será, chorou. Chorou em Jerusalém. Um choro lamentoso de saber o que seria da cidade de tantas oportunidades. Chorou ao ver a tristeza de Maria e dos judeus após a morte de Lázaro, mesmo sabendo que na economia divina Lázaro iria ressuscitar sob sua ordem e poder.

E já chorei, por várias razões, circunstâncias e motivos. Já chorei de tristeza, já chorei de alegria. Recentemente acordei de madrugada e em meu encontro com Deus, na escuridão do meu quarto e diante de mim mesmo, chorei copiosamente. Dormi, com lágrimas em meus olhos. Esqueci-me disso. Foi minha esposa quem me lembrou não só que chorei, mas as razões que fizeram brotar, em meus olhos, as lágrimas.

Lembro-me de ter lido a notável obra do romancista Aloízio de Azevedo intitulada Uma Lágrima de Mulher. Preocupado com a realidade cotidiana, seus temas prediletos foram a luta contra o preconceito de cor, os vícios, o anticlericalismo, o adultério, o povo humilde. Foi seu primeiro romance. Obra que recomendo. 

Jesus disse: “Bem-aventurados os que choram porque serão consolados”. Mateus 5.4 Choram porque percebem o quão pecadores são, o quão frágeis são, o quão transitórios são. Choram porque sabem que nada possuem de si mesmos que possa conquistar o coração daquele que é Santo, Todo-Poderoso, Eterno e Glorioso.

Com a mais absoluta certeza o homem orgulhoso não chora. Ele na verdade anda satisfeito com “suas” conquistas. Seu auto-conceito é exacerbado  ele anda altivo e se posta em um pedestal esperando que os demais pobres mortais o reverenciem.  Ele é um deus para si mesmo e se julga objeto de adoração. A empáfia dos imperadores romanos era tamanha que eles permitiam até a edificação de templos onde sua personalidade era adorada como se fossem verdadeiras divindades. 

Todos nós precisamos subir ao monte onde Jesus se assentou e aprender com Ele. Precisamos ouvir novamente sua doce voz e acolhê-la com carinho e atenção. Precisamos chorar! As lágrimas, nesse caso, não lubrificam apenas os olhos; essas lágrimas lavam nossa alma. Essas lágrimas não impedem apenas que os germes se acumulem em nossos olhos e evitem as infecções. Essas lágrimas lavam a alma do mais danoso de todos os vícios – o orgulho. Chorar é diminuir a profundidade da dor, disse William Shakespeare. Quando a consciência diz quem somos,  ela nos leva a chorar. Então estamos a caminho de encontramos cura. Sim porque o Salmista disse: “...o choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã”. Sl. 30.5

Se chorar, sob essa perspectiva, faz bem, então, mãos à obra, senhoras e senhores, jovens e crianças....choremos! Tenham a mais absoluta certeza de que essas lágrimas são justificáveis. Melhor chorar agora, e por esse motivo, do que chorar em uma eternidade onde as lágrimas não terão sentido.                                                                                                                                                        
Rev. Mauro Sergio Aiello

HUMILDADE – PRATIQUE



A humildade é a mãe de todas as virtudes. Jesus começou a descrição do homem realmente feliz (Bem-Aventurado) em Mateus 5.1-12 ao citar a porta por onde passam as demais virtudes: “Bem-aventurados os humildes de espírito porque deles é o Reino dos Céus”.  (Mateus 5.3)


A versão lucana diz: “Bem-aventurados vós, os pobres, porque vosso é o reino de Deus”. (Lucas 6.20). É claro que Lucas não está se referindo ao estado sócio/econômico da pessoa, mas sim ao empobrecimento espiritual porque em ambos, os casos, Mateus e Lucas, a crítica de Jesus é contra a arrogância, soberba, autosuficiência. Está provado que tanto ricos, quanto pobres, financeiramente falando, são possuídos pelo orgulho, soberba, impáfia e autosuficiência, espirituais.


Somente Deus pode dizer: EU SOU. Eu e você somos absolutamente nada e é a partir da compreensão de nossa pobreza espiritual que Deus tem as condições favoráveis para fazer de nós alguma coisa realmente útil e na qual nós mesmos tenhamos prazer. Deus cria, mesmo no caos. Deus cria do nada.


A humildade faz com que olhemos para dentro de nós mesmos, em primeiro lugar. Se você olhar para dentro de você e não se envergonhar do que vê, então você não é mesmo uma pessoa humilde. A humildade começa com essa introspecção, com esse olhar de fora para dentro. É por isso que Jesus disse que são bem-aventurados os que choram. Não dá para não chorar se realmente descobrirmos o monstro que nos habita por causa de nossa situação como pecadores. Fato: ao olharmos para dentro de nós eu e você devemos dizer: EU NÃO SOU O QUE DEVERIA SER e não dizer EU SOU porque somente um pode se identificar dessa maneira.


Essa consciência do que, e de quem, realmente somos, além de nos fazer chorar, leva-nos a uma atitude extramente possitiva – mansidão. Pessoas mansas não são pessoas indiferentes, mas sim aquelas que realmente sabem que são nada e por isso não se desequilibram quando alguém lhes aponta essa realidade. Na verdade uma pessoa mansa é aquela que se surpreende quando alguém lhe aponta alguma virtude. 


A humildade gera outra virtude – misericórdia. O fato de saber que não somos nada nos leva a olhar o outro com empatia e simpatia. O orgulhoso sempre tem olhar altivo. O orgulhoso é sempre auto-suficiente. O orgulhoso, no dizer nos jovens hoje, “se acha a última bolacha do pacote”. O orgulho precede a queda. 


Lembro-me de ter lido uma interessante história sobre o Cardeal frances, De Richileu. Vitimado por uma apendicite teve que ser operado. Chamaram então o mais renomado cirurgião frances que cuidava das classes mais pobres naqueles dias. Ao entrar na sala cirúrgica o tal cirurgião foi interpelado pelo Cardeal: - Veja lá senhor cirurgião. Não vá me tratar como um dos seus pobres e mendigos clientes. De bate pronto o médico, mostrando ser habilidoso também com as palavras respondeu: - Tranquilize-se, pois todos os meus pobres e mendigos clientes são tratados como se fossem cardeais.


                Somente Jesus, sobre a questão da humildade, pode dizer: “..aprendei de mim que sou manso e humilde de coração”. Foi ele quem se prontificou a lavar os pés dos discípulos e quando Pedro tentou impedi-lo de lavar os seus pés Jesus lhe advertiu: - Se eu não te lavar, não tens parte comigo.
 

                Ninguém conseguirá ser suficientemente humilde, mas isso não nos tira a responsabilidade de tentarmos e pedirmos ao Espírito Santo que produza essa virtude em nosso caráter. Somente o Espírito de Deus pode nos fazer olhar para dentro de nós. O Salmista disse: Sonda-me, Ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece os meus pensamentos; vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno”. Sl 139.23,24

"Ser forte não é andar escorado no bordão da autoconfiança, mas depositar sua confiança naquele que tem todo poder e autoridade no céu e na terra". Hernandez Dias Lopes em seu livro - A FELICIDADE AO SEU ALCANCE. Recomendo.

Rev. Mauro Sergio Aiello

SEJA BEM-VINDO E BOA LEITURA!

Fico feliz em que você visite o Blog Conteúdo. Faço parte dessa comunidade de gente que gosta de escrever e expor o que escreve sem nenhum receio de ser lido e contestado. Fique a vontade nessa minha sala de leitura. Espero, sinceramente, que meus escritos ajudem você de alguma maneira, mas principalmente do ponto de vista espiritual. Se você quiser me ajudar ore por mim e peça a Deus que me mantenha firme na fé cristã. Se você não é um cristão como eu, eu gostaria de conhecer você e falar para você sobre minha fé. É só ir na seção dos comentários e fazer contato.

Um abraço.


FAMÍLIA.....

FAMÍLIA.....
O MAIOR PATRIMÔNIO DE UM HOMEM É SUA FAMÍLIA

FILHOS

FILHOS
QUERIDOS