sexta-feira, 12 de setembro de 2014

PORTA DA IGREJA OU PORTA DO INFERNO?

Nos últimos anos tenho ouvido muito falar em crescimento de Igreja. Inclusive há congressos que tratam desse tema. Creio, que não estou equivocado, quando afirmo que esses congressos, em minha denominação, começaram no final da década de 80 quando eu estava me formando Bacharel em Teologia e sendo Ordenado Ministro de Cristo na IPB. Não devemos deixar de lado essa preocupação com o crescimento, mas a questão é a correção na abordagem. A questão é procurar discutir, avaliar e fazer isso com as ferramentas adequadas. Com a principal dessas ferramentas - a Bíblia Sagrada.

O que tenho visto, todavia, é que esses congressos versam sobre experiências de homens que transformaram pequenos grupos em Igrejas com milhares de membros. E o que se faz é ver e estudar o que estes homens fizeram e procurar mimetizar sua estratégia visando o crescimento da Igreja local. Não há, necessária e essencialmente, nada de tão errado com essa abordagem a não ser ver que a maioria dessas propostas são marcadas pelo pragmatismo, ou seja, não importam os meios desde que os fins (objetivos) sejam alcançados. 

Com o passar do tempo, sem que se perceba, a Igreja se transformou em empresa. Assim, quanto maior for o templo (vide o templo de Salomão recém inaugurado), quanto mais diversa for a "liturgia", carregada de novidades, a grande e massacrante maioria totalmente estranha à Bíblia, melhor. O que seduz são o tamanho do templo e o número de membros da Igreja. Um Pastor bom é aquele cuja Igreja tem um grande templo e mais de 500 membros, por exemplo. Lembro-me de uma ilustração interessante sobre um velho Pastor que foi convidado para pregar em uma Igreja enorme em sua cidade. Sentados à frente do povo de Deus o Pastor da Igreja local perguntou ao velho Pastor. - Quanto membros tem sua Igreja? O velho Pastor respondeu: - Temos aproximadamente 80 membros em nossa comunidade. O Pastor daquela Igreja então, como que espantado perguntou. - E como é possível ser Pastor de uma Igreja tão pequena? - O velho Pastor percebendo a empáfia respondeu: - É que em nossa Igreja não importa quantos membros somos, mas que tipo de cristãos somos.

A questão é: Que valor há em uma Igreja cheia de gente vazia? Muitos poderão dizer: Mas como é possível crescer se não for algo de Deus? A resposta é: Isso é claramente possível. Torcidas de futebol crescem, a adesão a outras religiões cresce (veja o muçulmanismo no mundo atual), peças de teatro atraem milhares, shows de músicas emocionam milhares e milhões. Quando a Igreja se assemelha a teatros e casas de show é possível confundir o que é temporal com o que é eterno. Nos tempos do Império Romano, os imperadores eram adorados como divindades. Havia templos erigidos aos imperadores. E o Império Romano foi o maior em longevidade e territorialmente falando. Eis, todavia, que teve o seu ocaso, como todos os outros impérios. Não é a quantidade que conta nem a forma, mas a qualidade e o conteúdo do cristianismo que devemos considerar.

A Igreja de nossos dias tem se distanciado da Bíblia e perdido de vista que ela deve existir para Adorar e Agradar a Deus e não aos homens. Li no Facebook uma charge onde um jovem, no final do Culto, procurou seu Pastor e disse: - Pastor; não gostei do Culto hoje. O Pastor solertemente respondeu: - Meu filho; o Culto não foi celebrado para agradar você, mas sim para agradar a Deus.

Tenho percebido, que o mais trivial e comum a acontecer é ver que pessoas e instituições quase sempre acabam por perder a identidade, sua originalidade, assim como um trem que começa a sair dos trilhos e por fim descarrila. Foi assim com a Igreja cristã quando se deixou seduzir pelo poder nos tempos de Constantino. Quando olhamos, hoje, para a Igreja de Atos 2.42-47 e alguns depoimentos sobre a Igreja em Atos, e a comparamos com a Igreja de hoje ficamos boquiabertos ao ver como aquele identidade original foi abandonada. O mais terrível é que mudou para pior.

A Igreja de Atos 2.42-47 tinha doutrina e perseverava nela. 

Hoje se você falar em doutrina (ensino, reflexão) você será, com grande probabilidade, rechaçado e se tornará impopular. - Que "doutrina" que nada, vamos pregar a respeito de Jesus o salvador e isso basta. Foi isso que eu ouvi saído da boca de um certo ministro falando a centenas de jovens. E o pior foi que gostaram do que ouviram. 

Veja o que Charles Haddon Spurgeon um dos maiores pregadores batistas de confissão reformada no século XIX disse certa vez: "A apatia está por toda parte. Ninguém se preocupa em verificar se o que está sendo pregado é verdadeiro ou falso. Um sermão é um sermão, não importa o assunto; só que quanto mais curto melhor". Suas palavras se encaixam perfeitamente a alguns contextos hoje, nos quais podemos até digerir heresias conquanto que ousamos rapidamente a impetração apostólica anunciando o final do culto e voltemos para nossas vidas embriagados pela futilidade, superficialidade e prolixidade. 

Estudo bíblico doutrinário? Nem pensar! Vamos pegar os instrumentos e tocar, cantar e dançar...Vamos rodear as muralhas de Jericó, atravessar o Mar Vermelho (uma piscina de água suja), e muitas outras coreografias tais como uma barba comprida, uma manto nas costas e um Kipá na cabeça em um ato judaizante que beira a idiotice teológica.  

A Igreja de Atos 2.42-47 insistia na comunhão. Hoje, para enorme tristeza minha como Ministro do Evangelho, encontro um contingente enorme de gente que vai à Igreja quando não têm coisa "melhor" (entre aspas e itálico com muita tristeza misturado a ironia) para fazer. Hoje, os cristãos se vão à Escola Dominical, não vão ao Culto Vespertino ou o contrário. Raciocinam assim: "Para que ir na Igreja duas vezes no mesmo dia? Uma vez só está muito bom. Não vamos ser fanáticos". E quando vão, com raras exceções na EBD e CV, não prestam a devida atenção, não demonstram nenhum fervor e devoção.  Estão de corpo presente na Igreja, mas seus corações estão bem distantes de Deus como disse Deus por boca do profeta Isaías (Isaías 29.13,14). 

Reuniões nos lares, ou mesmo qualquer evento oficial que a Igreja promova no meio da semana? Nem pensar. Estão muito cansados, envolvidos com questões profissionais ou sociais. O resultado não podia ser mais funesto do que tem sido, ou seja, perdem o prazer de estar na "casa de Deus", de ter comunhão com os irmãos, se tornam muito críticos da liderança, infrutíferos, inertes, inseguros (muitos deles desenvolvem algumas patologias espirituais e pensam que são problemas psicológicos). 

A Igreja de Atos 2.42-47 perseverava na comunhão, (partiam o pão de casa em casa) em meu entendimento. Isso era mais do que fazer refeições juntos. Essa expressão tem forte conotação com a celebração da Ceia do Senhor onde se mantinham vivas na memória o fato tanto de morte de Jesus quanto de sua ressurreição. Jesus mesmo disse que seus discípulos deveriam fazer isso como sacramento e memorial. Fazer isso é o mesmo que dar suporte à identidade. Por isso mesmo o Salmista se expressou nos seguintes termos: "O que ouvimos e o que aprendemos, o que nos contaram nossos pais, não o encobriremos a seus filhos; contaremos à vindoura geração os louvores do Senhor, e o seu poder, e as maravilhas que fez". (Salmos 78.3,4).

A Igreja citada, perseverava em oração. Alguém já disse com muita sobriedade: - Se você quiser testar a espiritualidade de uma Igreja, convide-a para orar. Eu particularmente creio que se há uma dos exercícios de nossa fé, esse é orar. Fechamos os olhos, falamos com alguém invisível, cuja existência é costumeiramente contestada, não ouvimos nenhum som, mas a Bíblia diz que quando fazemos isso devemos fazer com fé porque Deus é galardoador daquele que assim O buscam. (Hebreus 11.6) Hoje cantamos mais do que oramos. E que sentido há em cantar algo que não se vive, não se experimenta. Isso é só passar o tempo.

A Igreja de Atos 2.42-47 era composta de gente que tinha, verdadeiramente, o temor de Deus em seus corações. E somente aquele que teme a Deus tem condições de caminhar em santidade na Sua presença. Deus é santo e deseja que usemos dos recursos que Ele mesmo disponibiliza para que busquemos a santidade e possamos nos apresentar perante Ele como seus filhos e irmãos em Cristo Jesus.

Não se fala mais de santidade, de santificação de uma vida realmente compromissada com o Reino de Deus e todas as suas implicações que passam pela perseguição por causa da justiça, por causa de Cristo, por causa da Palavra. Quem vai expor um cristianismo no qual Jesus disse que o resultado de se tornar um cristão pode ser até o desprezo dos mais próximos? Quem vai expor um evangelho que implica em de-cisão? Quem vai expor um cristianismo que diz que cristão é Sal da Terra e não terra, é Luz do Mundo e não trevas? Quem vai expor um evangelho que é considerado loucura? Não se fala mais de Missão Evangelizadora. Muitos hoje confundem ação social com missão evangelizadora. É bom lembrar que quando Paulo teve a visão do varão Macedônio que o chamava a passar pela Macedônia e ajudá-los ele não pensou em cestas básicas, mas sim em pregar o Evangelho que redimi, que salva. Não estou dizendo que não devamos fazer ação social. Podemos e devemos fazer isso, mas só isso não é evangelizar.

Louvamos a Deus porque ainda há alguns que não se curvaram diante dos profetas de Baal e do próprio Baal. Louvamos a Deus por aqueles que, mesmo vivendo no isolacionismo, no ostracismo e excluídos, não se deixaram seduzir e iludir. Louvamos a Deus porque a verdadeira Igreja Cristã ainda permanece lutando contra as portas do inferno ainda que ela venha sutilmente travestida de porta de Igreja.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SEJA BEM-VINDO E BOA LEITURA!

Fico feliz em que você visite o Blog Conteúdo. Faço parte dessa comunidade de gente que gosta de escrever e expor o que escreve sem nenhum receio de ser lido e contestado. Fique a vontade nessa minha sala de leitura. Espero, sinceramente, que meus escritos ajudem você de alguma maneira, mas principalmente do ponto de vista espiritual. Se você quiser me ajudar ore por mim e peça a Deus que me mantenha firme na fé cristã. Se você não é um cristão como eu, eu gostaria de conhecer você e falar para você sobre minha fé. É só ir na seção dos comentários e fazer contato.

Um abraço.


FAMÍLIA.....

FAMÍLIA.....
O MAIOR PATRIMÔNIO DE UM HOMEM É SUA FAMÍLIA

FILHOS

FILHOS
QUERIDOS