quinta-feira, 16 de abril de 2015

AS TRINTA MOEDAS DE JUDAS

Judas Escariotes, ou seja, Judas homem da cidade de Cariotes (Yehudhah ish Qeryoth) foi um personagem que desempenhou um papel de vilão na história da redenção humana. Foi ele o responsável por entregar Jesus às autoridades da religião judaica. Ele traiu Jesus e isso se tornou um eufemismo. Quando queremos chamar alguém de traidor nós o chamamos de Judas. 

Todavia, o que Judas fez é muitas vezes repetido dentro das fronteiras da religião cristã. Vejamos: Judas foi um dos doze discípulos de Jesus. Ele viu, ouviu e foi testemunha de muitos milagres que Jesus fez. Judas gozou da intimidade de Jesus, pois viajou, comeu, bebeu e dormiu ao lado do Mestre. Ele era identificado como um dos discípulos de Jesus. Ninguém podia, em sã consciência, afirmar que Judas faria o que fez.

Hoje há, nos limites da Igreja Cristã, muitos que se dizem e confessam serem cristãos. Com isto estão dizendo que são discípulos de Jesus. E muitos são assim interpretados. Afinal de contas eles frequentam com relativa assiduidade os trabalhos da Igreja Cristã. Eles cantam hinos e cânticos espirituais. Eles oram, dão ofertas e dízimos, desenvolvem até determinadas funções e ocupam cargos dentro da Igreja. Ninguém em sã consciência poderia dizer que tais pessoas não são Cristãos autênticos, discípulos de Jesus de verdade.

O que aconteceu com Judas? Quais os fatores que o levaram a trair Jesus e mudar de lado? Por que, afinal de contas Judas aceitou a ofertas das autoridades religiosas de Jerusalém? 

Bem: Judas caiu porque se deixou seduzir pelo brilho de trinta moedas de prata. Não é possível estabelecer um parâmetro de quanto valeriam hoje essas trinta moedas de prata, mas podemos ter uma ideia. Quando Judas percebeu o seu terrível pecado, ele devolveu às autoridades judaicas, as trinta moedas, e essas autoridades percebendo o sangue naquelas moedas as usaram para comprar um cemitério. Alguns estudiosos acham que um cemitério com aproximadamente 2000 sepulturas custaria uns cinquenta mil reais naqueles dias. As autoridades que o ajudaram a se corromper disseram a Judas - "Que nos importa? Isso é contigo.”( Mateus 27:4b). Seu remorso foi tão terrível que ele suicidou, tirou sua própria vida. Devemos ter em mente, ao pensarmos em Judas, que ele era o tesoureiro do círculo de discípulos de Jesus. Era ele que cuidava da grana.

Há nos limites da Igreja essa síndrome que acomete algumas pessoas valorosas. Parece-nos que as trinta moedas daqueles dias continuam a seduzir alguns de tal maneira que elas acabam por "trair" Jesus. Algumas dessas pessoas começam a ver a Igreja com espírito muitíssimo crítico e indiferença. Elas começam a se distanciar aos poucos porque suas agendas já não permitem que elas convivam em comunhão com os irmãos em Cristo. 

Trinta moedas de prata podem ser dinheiro mesmo. O famoso dim dim, do qual gostamos a largos sorvos, mas também podem ser personificadas pelos títulos, honras e status. 

Trinta moedas podem ser a intelectualidade aplaudida e reverenciada. Trinta moedas podem ser os títulos que angariamos. Qualquer coisa que nos afaste de Jesus podem ser as trinta moedas de prata.

O que tem te distanciado de Cristo e esfriado tua fé? O que tem ocupado tua agenda de tal maneira que não há nela mais lugar para a oração, a leitura bíblica e meditação? O que tem ocupado teus dias e horas de tal maneira que não tens mais tempo para a comunhão com os irmãos (Salmo 133, Ef. 4.1-6)? O que tem ocupado teus dias e horas de tal maneira que já não testemunhas mais de Cristo como Senhor e Salvador? (Atos 1.8) Sempre serão TRINTAS MOEDAS DE PRATA independentemente de como elas vieram personificadas, e normalmente o resultado do seu brilho se torna em escuridão de densas trevas.


terça-feira, 14 de abril de 2015

COMO IMUNIZAR ADOLESCENTES CONTRA O VÍRUS DA CRIMINALIDADE.

O tema da maioridade penal é apaixonante e tenho lido o que posso a esse respeito. Não sou psicólogo, psiquiatra, não tenho diploma em medicina, não sou sociólogo, historiador, assistente social. Sou formado em Filosofia, Pedagogia e Teologia, tenho 60 anos de idade, sou pai e avô. Sou Ministro Presbiteriano desde 1989. Minhas considerações a respeito desse tema são baseadas no amor ao próximo independentemente da idade, do gênero, da cor da pele, do grau de instrução e intelectualidade, da condição sócio econômica e dai por diante. 

Minhas áreas de atuação sempre foram as pessoas, os seres humanos, os recursos humanos. Minha especialidade (veja não estou dizendo que sou um especialista) é a alma humana. Tenho visto e ouvido pessoas que me relatam seus problemas e muitas vezes sinto-me incapaz de ajudar já que em muitos casos o problema que a pessoa relata eu mesmo carrego há anos sem nunca conseguir me ver livre dele. Nesse caso eu apenas ouço e o compromisso com a justiça me faz calar. Nesses casos eu apenas oro pelo consulente (e por mim também).

Voltemos a questão da maioridade penal. Sou totalmente a favor de que imputem responsabilidades ao menores de 18 anos simplesmente pelas seguintes razões:

1) Não é a idade que faz o criminoso. É só você ver reportagens, ler jornais e periódicos, conversar com pessoas, ou seja, deixar de ser um alienado e ficar atento ao que acontece bem pertinho de você. Criminoso é todo aquele que comete crimes. Bem; você pode rotular o camarada que cometeu um crime com qualquer outro adjetivo, mas é o que ele fez que conta e não o nome que dão para sua ação. Para cada tipo de crime há um determinado tipo de punição e ninguém deve pagar mais do que deve, mas também ninguém pode deixar de dar satisfação à sociedade pelo crime cometido dentro da proporcionalidade justa. Dar menos é misericórdia; dar mais é injusto. Deve-se penalizar o indivíduo de acordo com o crime e delito cometidos.

2) Nosso sistema prisional é medíocre, mas quando leio sobre isso em outros países vejo que a situação não é lá muito diferente. Para ser sincero tem país que é bem pior, apesar disso não justificar a miserável situação do nosso sistema. Estou apenas dizendo, com isso, que não devemos ficar comparando. Não importa quantos anos o sujeito tem de idade; se ele cometeu um crime ele deve pagar. dar satisfações dos seus atos. Se o seu padrão de comportamento demonstrou que o sujeito é nocivo, um parasita do sistema, um sujeito que não se integra e não respeita as leis, ele deve ser, de alguma forma, excluído do convício normal com a sociedade. Então, eu concluo esse ponto dizendo que devemos parar com essa ladainha de que nossos presídios não prestam (bem isso todo mundo sabe) e com isso deixar criminosos do lado de fora. Temos é que criar juízo e melhorar o sistema, mas prisão não é spa e nem colônia de férias, como também não deve ser um purgatório, um pré-inferno. Cadeia não é lugar de descanso e de lazer constante, mas também não deve ser um lugar onde o indivíduo se animaliza ainda mais. 

3) A questão  básica, em se tratando de crimes, não é a idade. A questão básica e fundamental é o crime cometido. Não podemos ser loucos a ponto de prender em uma cadeia onde há criminosos de alta periculosidade alguém, independentemente da idade, que roubou um pedaço de pão para matar a sua fome ou a fome de alguém que lhe é próximo. A questão é o crime cometido, seu grau de dolosidade, sua contumácia, e nessa questão me perdoem os mais "sensíveis"; tem carinha de 10 anos que dá de dez a zero em muitos adultos com 70. Para ser mais franco, eu creio que seria melhor não colocar alguns criminosos de 16 anos com adultos, mas mais por conta da letalidade do de 16 anos do que o contrário. Quem conhece sabe que há bandidos de 16 anos que são muito, mas muito, muito piores que alguns adultos. Alguns já são doutores em crimes. Sinceramente, soa hipocrisia esse tipo de discussão. O Champinha que matou e estuprou com requintes de crueldade, o Batoré, a quem contabilizam mais de 15 assassinatos estão reclusos na Fundação CASA, privados de conviver com outros de sua idade, por quê? Porque a idade cronológica deles é uma, mas a idade criminal é pior do que a de muitos adultos. Repito: a questão é o crime cometido, o seu grau de dolosidade e sua contumácia, não propriamente a idade.

4) Já existe prisão para menores de dezoito anos. O nome é Fundação CASA. E PELO AMOR DE DEUS; aquilo lá não funciona. Aquilo é uma desculpa. É lugar onde o camarada tem toda a liberdade para estudar crime. Veja a quantidade de reclusos da Fundação CASA que retornam para lá e aqueles que continuam cometendo crimes depois que se tornam maiores de 18 anos. Fundação CASA não ressocializa, não reforma. Esquece!!!! E custa bastante para a sociedade. Na verdade esse sistema sim tem dado mostras de falência. E o clamor para a mudança da política de mudança da maioridade penal reside, também, no fato de que Fundação CASA NÃO FUNCIONA.

Então concluo que, independentemente de a quantas andam nossas prisões, não tem jeito mesmo; 

(1) Criminoso tem que ir para a prisão. A situação está tão caótica que precisamos trabalhar com prioridades e eu creio que a primeira delas é tirar de circulação pessoas inaptas para viver em sociedade. 

(2) Devemos correr atrás do prejuízo e investir na construção e no aparelhamento de outras unidades prisionais. 

(3) Devemos também ver o código penal e tornar os processos mais ágeis. 

(4) Devemos aumentar o número de escolas, melhorar o salários dos professores da rede pública municipal, estadual e federal (que tal diminuir os salários dos deputados e senadores e reverter esse montante à educação?) para poder agir profilaticamente procurando educar e possibilitar que nossos educandos se intelectualizem e possam competir com maiores possibilidades um lugar ao sol no mercado de trabalho. 

(5) Os pais devem voltar aos tempos em que punir os filhos com palmada não era crime. Eu apanhei dos meus pais e estaria disposto a morrer por eles. Eu os amei e a lembrança deles sempre me é agradável. Veja; não estou advogando a agressão dos filhos, mas sim aquilo que a Bíblia preceitua, ou seja, umas varadinhas no quadrante superior da região glútea faz um bem que só em muitos casos. Os pais precisam saber que o prazer de por filhos ao mundo jamais virá desassociado do compromisso intransferível que é educá-los. Pais frouxos, filhos duros, pais duros demais filhos frouxos. É preciso disciplinar com amor. Aliás, a disciplina correta é um ato de amor.

Eduquei meus filhos com a Palavra de Deus e tentei ser exemplo para eles. Nunca humilhei meus filhos quando os disciplinava. Disciplinar não quer dizer que você é superior ao outro, mas que você está se esforçando em ajudá-lo a pegar o caminho que você entende ser o melhor a ser trilhado. Disciplina que humilha produz revolta. A disciplina baseada na Palavra e no exemplo pessoal continua sendo o mais eficiente método de educação.

Espero que meu escrito possa de certa forma contribuir para a discussão e o encaminhamento de uma solução para esse problema grave que acomete nossa sociedade de tal maneira que ninguém mais ouse dizer que foi um menor que matou um prefeito e então toda uma sociedade é levada no bico sem a menor desfaçatez.

sexta-feira, 3 de abril de 2015

O MAIS IMPORTANTE DE TODOS OS DIAS


O DIA MAIS IMPORTANTE DE TODOS OS DIAS

1 Cor. 15.50-58
Mateus 25.1-13

INTRODUÇÃO

Certamente em tua agenda há dias que você não pode esquecer. O Dia do aniversário de tua esposa, dos teus filhos, o dia do aniversário do teu casamento, o dia em que pessoas queridas da família morreram.  Esses e outros dias se tornaram, por uma ou outra razão, inesquecíveis.

Eu quero falar sobre Dia Inesquecíveis e sobre o Dia Mais Importante de Todos os Dias.

A históriada da humanidade registra DIAS INESQUECÍVIES

I DIA

O primeiro dia inesquecível foi aquele em que nossos primeiros pais movidos pelo egocísmo desobedeceram e comeram do fruto proibido. A pena para tal ato foi a morte física, espiritual e eterna. Toda a natureza foi terrivelmente afetada pela desobediência de Adão e Eva. Paulo diz que toda a criação geme aguardando sua plena restauração.
II DIA

            O segundo dia inesquicível foi aquele em que Jesus nasceu. Os magos vieram de longe, a estrela iluminou o céu, os pastores (gente sem muita importância) foram os primeiros a receber as boas novas. Herodes tentou evitar, mas os planos de Deus não podem ser frustrados. O bebe cresceu e se tornou um varão poderoso em atos e palavras.

Por certo o natal de Jesus foi um dia importante para a história da humanidade. Com seu nascimento foram inaugurados aqueles que são chamados de “os últimos dias”. Esses “últimos dias” já somam aproximadamente 2015 anos.

Durante esse período a Igreja Cristã, foi inaugurada por Cristo e é composta de todos aqueles que se tornaram seus discípulos.

Seus primeiros discípulos foram: Mateus, Bartolomeu, Tiago filho de Zebedeu,  João irmão de Tiago, Simão Pedro e seu irmão André, Judas Iscariotes, Tomé, Tiago filho de Alfeu, Tadeu, Simão o zelote e Filipe.

O número de discípulos de Jesus aumentou. Os discípulos de Cristo são aqueles que Deus escolheu antes da fundação do mundo e pelos quais Deus enviou seu Filho Jesus para ser o resgatador fiel.

Jesus nasceu como homem e viveu entre nós com a ressalva de que ele nunca pecou. Ele foi morto por crucificação. Seu corpo foi sepultado em uma sexta-feira e na madrugada de domingo ele ressuscitou dentre os mortos.

Ele morreu, mas não deveria e nem merecia ter morrido. Então devemos perguntar: Se ele não merecia a morte por que então Ele morreu? A resposta a essa pergunta nos arremete ao terceiro dia inesquecível.

III DIA

          O terceiro dia inesquecível foi aquele em que Jesus morreu crucificado naquela cruenta cruz. Diz a Escritura que houve trevas da hora sexta até a hora nona. O véu do templo se rasgou de cima abaixo. As multidões que tinham ido para ver o “espetáculo” sairam lamentando e batendo no peito como que agoniados.

A Bíblia diz, em Romanos 6.23, que “.....o salário do pecado é a morte, .....mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor”. Se Jesus não pecou ele não merecia ter morrido, mas Ele morreu.

Ora, Jesus morreu para que pudéssemos ter os nossos pecados perdoados e assim pudéssemos reatar nosso relacionamento com Deus. Deus é santo e somente um povo santo pode comparecer diante dele e ser aceito. Por isso o escritor da carta aos Hebreus escreveu: “Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus...”. (Hebreus 10.19)

Jesus morreu em nosso lugar; ele morreu a nossa morte para que pudéssemos ter a vida eterna. Paulo escreveu: E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou”.

A morte de Jesus foi vicária, ou seja, Jesus morreu em lugar dos pecadores eleitos por Deus.

Sua morte foi expiatória, ou seja, Jesus morreu para pagar a dívida que tínhamos com Deus já que era preciso que uma satisfação, pelo pecado, fosse dada.

A Bíblia implicitamente ensina que se Jesus não tivesse nascido, vivido e morrido por nós e em nosso lugar, nós morreríamos em nossos delitos e pecados e estaríamos perdidos eternamente.

Tanto o dia do nascimento de Jesus quanto o dia em que ele foi cravado naquela cruenta cruz, são muito importantes para todos aqueles a quem Deus escolheu antes da fundação do mundo.

Jesus nasceu, viveu e morreu por nossos pecados. Isso só teria bastado, mas não foi o suficiente. Era preciso que Jesus ressuscitasse! E isso tem a ver com o quarto dia inesquecível para nós cristãos.

IV DIA

          O quarto dia foi aquele domingo em cuja madrugada, pelo poder de Deus o Pai, Jesus ressuscitou. A grande pedra que selava o túmulo e os guardas colocados ali não foram suficientes para impedir que Jesus saisse. A pedra não precisava ser removida, Jesus simplesmente poderia tê-la transposto, mas eu penso que foi assim para que todos pudessem olhar para dentro e ver que Jesus não estava mais ali. Foi assim para provar que nenhum ato humano pode impedir que os planos Eternos de Deus se cumpram integralmente.

É isso que comemoramos hoje, A RESSURREIÇÃO DE JESUS.

TODOS OS DEMAIS LÍDERES RELIGIOSOS MORRERAM COMO JESUS, MAS SOMENTE JESUS RESSUSCITOU.

Jesus nasceu como qualquer outro. Jesus viveu como outros viveram. Jesus sofreu como todos sofremos e ele, como qualquer outro homem, morreu.

Essas são experiências comuns. Todos nós as conhecemos. Abraão, José do Egito, Moisés, Buda, Maomé, Confúcio, e tantos outros líderes de religiões, nasceram, viveram sofreram e morreram. Cada um deles pregou sua filosofia de vida e muitos creem nessas filosofias. Mas com Jesus aconteceu algo mais, e de superior importância; Jesus venceu a morte; Ele ressuscitou.

Ao fazê-lo ressuscitar, Deus deu mostras inquestionáveis de que aprovou a vida, obra e morte de seu Filho. Ao fazer Jesus ressuscitar Deus deu mostras evidentes de que se satisfez com a morte vicária e expiatória de seu Filho.. O que eu e você precisamos ter em mente quando pensamos na pessoa de Jesus, sua vida, obra e morte e RESSURREIÇÃO é que:

1.   A Ressurreição de Jesus é a coroa de toda a sua obra e ministério. Se Jesus tivesse apenas nascido, vivido sofrido e morrido ele poderia ser aceito como um grande líder de uma religião, mas seria mais um dentre tantos outros. O que o diferencia dos demais, além de ter vivido sem pecado, foi o fato de que Ele ressuscitou.


2.   A Ressurreição de Jesus foi demonstração do poder de Deus. O Deus da Bíblia fez Jesus ressuscitar dentre os mortos para mostrar que Ele é Senhor da vida e Senhor da morte. Deus o fez ressuscitar para mostrar que não há nenhum poder ou potestade que lhe possa resistir. Paulo escreveu: “...Tragada foi a morte pela vitória. Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão?” I Cor. 15.54b,55


3.   A Ressurreição de Jesus foi uma demonstração inequívoca da Pureza e Impecabilidade de Jesus. Moisés, Abraão, Buda, Maomé, Confúcio e todos os outros líderes religiosos morreram. Eles morreram por causa dos seus pecados. Mas Jesus não tinha pecado. Ele morreu, como vimos, vicariamente. Ele morreu expiatoriamente. Então Deus ao olhar para a vida e obra de seu filho as considerou perfeitas e assim o fez ressuscitar.


4.   A Ressurreição de Jesus é importante porque nela encontramos razões para crer na sua promessa de que Ele voltará. “Esse Jesus que dentre vós foi assunto ao céu virá do modo como o vistes ir”. Atos 1. 11b

O dia da Ressurreição de Jesus é o QUARTO  dia inesquecível da história da humanidade principalmente para os eleitos de Deus.  

Mas eu gostaria de falar de um dia que suplanta todos os demais dias em importância. Quero falar a respeito do Dia Glorioso da Volta de Jesus. Esse é o dia mais importante e que colocará fim nos últimos dias iniciando uma nova era de justiça e paz eternas.

V DIA 
Esse dia será o último dia dessa era. Será o momento em que todos ressuscitarão. Alguns para a glória de Deus (o trigo e os peixes bons cf. Parábolas do Joio e do Trigo e da Rede – Mateus 13.1-12, 18-23, 47-52) e outros para o horror eterno (joio e peixes maus). Será o dia do grande julgamento!

Esse será o dia em que Jesus irá recolher todos os seus discípulos dos quatro cantos do mundo e irá instalar novo céu e na nova terra.
         
Esse será o dia das Bodas do Cordeiro com a Noiva que é a Igreja.

Esse dia é retratado por Jesus no seu Sermão Profético na Parábola das Dez Virgens.

Como vimos dez virgens aguardam o noivo e ele vem de surpresa. Cinco virgens estavam preparadas, mas cinco não se prepararam. O noivo saiu em cortejo com apenas as cinco virgens que estavam preparadas.

Para entendermos essa Parábola das Dez Virgens devemos saber que o casamento na cultura judáica acontecia em quatro etapas distintas.

1.    A primeira etapa era o noivado. Era o momento em que o noivo ia à casa da coisa e oficializava seu compromisso de desposá-la. Esse noivado era solene e era celebrado com testemunhas presentes. Se porventurta ele desistesse das bodas com ela, ele tinha que pedir carta de divórcio. (Jesus é o Noivo e em seu nascimento, vida, obra e morte ele desposou a Igreja. Ele teve uma nuvem de testemunhas que o viram assumir o compromisso de desposar a Igreja, sua noiva).

2.    A segunda fase, ou etapa, era aquela em que o noivo, depois de desposar sua noiva, se retira para a casa dos seus pais e a noiva fica na casa dos seus pais, ambos se preparando para uma terceira etapa. (Jesus o noivo foi preparar lugar para a Noiva. “Vou preparar-vos lugar. E se eu for e vos preparar lugar voltarei e os levarei para mim para que vocês estejam onde eu estiver”. João 14.2b,3)
  
3.   A terceira etapa é aquela em que o noivo vem buscar sua noiva. Ele vem de surpresa. Ela deve estar preparada para receber o noivo. Uma noiva preparada se desqualifica, mas uma noiva preparada recebe com alegria o noivo que vem de surpresa. Esse é o quinto e inesquecível dia; o mais importante de todos da história da humanidade principalmente para os remidos, os que estão, à semelhança das cinco virgens prudentes, preparadas para a chegada do noivo. (Jesus virá para as bodas, para tomar por esposa sua noiva a quem confiou o anel do compromisso, com quem fez uma aliança)
  
4.   A quarta etapa tem a ver com as bodas. É tempo de festa e regozijo de alegria e felicidade. É o último dia dos últimos dias e o primeiro da eternidade em que habitaremos no novo céu e na nova terra, onde não haverá dor e nem tristeza, em um lugar onde a morte não mais entrará. Assim como Adão e Eva foram proibidos de voltar ao Jardim do Éden depois de sua expulsão, da mesma maneira a morte está impedida de entrar no Novo Céu e na Nova Terra. (Apocalipse 21 retrata esse momento de uma forma soberba)

A questão toda diante de tudo que acabamos de dizer é a seguinte:

CONCLUSÃO

Você está preparado para esse dia? Talvez você responda simplesmente que sim, mas eu gostaria de perguntar a você: suas obras, sua agenda, seus relacionamentos, sua vida de devoção e compromisso com o Reino de Deus, seus negócios, seu lazer, suas amizades, dão demonstrações inequívocas de que você estará entre aqueles a quem Jesus dirá “:Vinde, benditos do meu pai, possuí por  herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo;”? (Mt 25.34)

Como você tem vivido o presente século? Como tem sido seu relacionamento com Deus? Como tem sido sua vida no que consiste à observância da lei e dos preceitos de Deus em um compromisso de vida santificada? Você tem levado um pouco mais de azeite para que sua candeia permaneça acesa para que mesmo que o noivo demore encontre você brilhando? Ou será que tua candeia se deixou apagar pelos ventos do secularismo, consumismo, mundanismo e materialismo?
         
          Lembrem-se que todas as dez eram virgens. Todas queriam experimentar as bodas com o noivo, mas na verdade, apenas cinco delas estavam devidamente preparadas.

          O fato de você ter nascido na Igreja; o fato de você ter feito sua pública profissão de fé; o fato de você ocupar cargos eclesiásticos e ser visto como uma referência em sua Igreja e denominação; o fato de você conhecer e ser zeloso com respeito as doutrinas de sua denominação; o fato de você saber ler a Bíblia e cantar hinos, simplesmente não são suficientes.

Não era suficiente ser virgem. Era preciso de fato ter quantidade de azeite a mais para fazer suas lâmpadas brilharem até o noivo vir.

Jesus o noivo nasceu, viveu, morreu e ressuscitou. E ele irá voltar. Você está preparado para esse que será o mais importante dia na história da Humanidade.

Paulo escrevendo a esse respeito disse: “Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor, nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor. Consolai-vos, pois, uns aos outros com estas palavras”. (I Ts. 4.16-18)

Que Deus em sua graça renove nossas forças e revigore nossa fé para sabermos viver santa e piedosamente até aquele que será o dia mais importante de todos.

SEJA BEM-VINDO E BOA LEITURA!

Fico feliz em que você visite o Blog Conteúdo. Faço parte dessa comunidade de gente que gosta de escrever e expor o que escreve sem nenhum receio de ser lido e contestado. Fique a vontade nessa minha sala de leitura. Espero, sinceramente, que meus escritos ajudem você de alguma maneira, mas principalmente do ponto de vista espiritual. Se você quiser me ajudar ore por mim e peça a Deus que me mantenha firme na fé cristã. Se você não é um cristão como eu, eu gostaria de conhecer você e falar para você sobre minha fé. É só ir na seção dos comentários e fazer contato.

Um abraço.


FAMÍLIA.....

FAMÍLIA.....
O MAIOR PATRIMÔNIO DE UM HOMEM É SUA FAMÍLIA

FILHOS

FILHOS
QUERIDOS