segunda-feira, 1 de junho de 2015

PASTOREAI......APASCENTAI.....PRESBITERIAI......BISPAI.....E POR AÍ VAI.

 I PEDRO 5. 1-4

"Rogo, pois, aos presbíteros que há entre vós, eu, presbítero como eles, e testemunha dos sofrimentos de Cristo, e ainda co participantes da glória que há de ser revelada: Pastoreai (apascentai).....o rebanho de Deus que há entre vós, não por constrangimento, mas espontaneamente, como Deus quer; nem por sórdida ganância, mas de boa vontade; nem como dominadores dos que vos foram confiados, antes, tornando-vos modelos do rebanho. Ora, logo que o Supremo Pastor se manifestar, recebereis a imarcescível coroa da glória".

Esse tem sido meu texto de cabeceira. Eu sou Pastor, ou melhor, tento ser e ser dessa maneira. 

Pedro diz que devemos apascentar um rebanho que não é nosso. Somos mordomos sobre o rebanho que pertence a Deus. Devemos cuidar das ovelhas que pertencem a Deus e Ele irá cobrar esse Pastoreio. Quando vejo Pastores que vivem brigando com outros Pastores, que se postam de juízes e que arrogam para si o título de guardiões da ortodoxia, mas são liberais na forma como julgam, como vivem da ostentação e tratam as ovelhas como subservientes, agem com arrogância como se as ovelhas fossem suas, têm seus olhos sempre altivos, amam os seus soldos e buscam cada vez ganhar mais e mais, fazem sempre opção pelos mais abastados, se deixam seduzir pelos elogios e vivem à busca deles e do reconhecimento humano. 

Não sei se era exatamente isso que acontecia naqueles dias e se foi essa síndrome que levou Pedro a escrever essa séria exortação aos Presbíteros (bispos, pastores, apascentadores), mas entendo que ela se aplica muito aos dias de hoje. Ergo meus olhos para o cenário brasileiro, interdenominacional e me entristeço ao ver quanta negligência, quanta insanidade.

Pedro que diz que os Presbíteros devem apascentar o rebanho de Deus.....

(1) Espontaneamente, voluntariamente. No reino de Deus o trabalho deve ser feito de forma voluntária. Ninguém deve ser constrangido. 

(2) Com a motivação correta. A motivação deve ser a Glória de Deus e o engrandecimento do Seu Reino. Sórdida ganância pode ser amor do dinheiro, desejo de poder e de reconhecimento humano, destaque pessoal e vanglória. 

(3) Com autoridade fundamentada no exemplo de vida. No Pastorado não há lugar para grosseirismos e atitudes truculentas próprias de um tirano desalmado. O apascentador, aquele que pastoreia, não deve pregar com base no "faça o que estou falando, mas não faça o que estou fazendo". 

Lamentavelmente dentro dessa classe chamada Pastores, não são poucos aqueles que se sentem como se estivessem em um patamar teológico acima das ovelhas do rebanho de Deus e se esquecem que eles também fazem parte desse rebanho. A questão que os distingue das demais ovelhas é que sua função é a de supervisão, cuidado atento e zeloso, dedicação redobrada, das outras ovelhas do rebanho que pertence a Deus e não a ele. 

Lamentavelmente não são poucos aqueles que mais tosquiam as ovelhas do que alimentam, zelam e cuidam para que elas se mantenham saudáveis produzindo outras ovelhas. Vivemos dias terrivelmente difíceis. Há determinados segmentos chamados evangélicos em cujo nicho o sujeito é guindado a esse status de "pastor" só porque é descolado, fala e se comunica bem, tem bom poder de comunicação e tem carisma. Muitos se esquecem que carisma sem caráter é como um belo esquife guardando um cadáver. E esses tais produzem terríveis danos ao rebanho ou à imagem da Igreja de Cristo já que não são poucos os que consideram todos os pastores, farinha do mesmo saco

Mas há também em alguns outros segmentos onde o preparo para o pastorado é como uma prensa. O sujeito é submetido a toda uma sorte de testes. Todavia, eu que venho de um meio como esse, tenho visto que o que ocorre com muita facilidade é que muitos passam a dar mais ênfase à intelectualidade teológica do que à uma sadia espiritualidade. Espiritualidade sem intelectualidade é algo possível assim como intelectualidade sem espiritualidade também. O correto mesmo é uma espiritualidade demonstrada em uma vida de real piedade e amor ao próximo e não uma intelectualidade que faz do indivíduo um sujeito que julga com enorme critério ao outro e não usa o mesmo recurso para julgar a si mesmo. A intelectualidade sem a espiritualidade faz da pessoa alguém arrogante, cheio de soberba e jactância. 

Que Deus nos livre de cometermos os lamentáveis equívocos encontrados aqui nesse alerta escrito justamente por Pedro, o mais colérico dos discípulos de Jesus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SEJA BEM-VINDO E BOA LEITURA!

Fico feliz em que você visite o Blog Conteúdo. Faço parte dessa comunidade de gente que gosta de escrever e expor o que escreve sem nenhum receio de ser lido e contestado. Fique a vontade nessa minha sala de leitura. Espero, sinceramente, que meus escritos ajudem você de alguma maneira, mas principalmente do ponto de vista espiritual. Se você quiser me ajudar ore por mim e peça a Deus que me mantenha firme na fé cristã. Se você não é um cristão como eu, eu gostaria de conhecer você e falar para você sobre minha fé. É só ir na seção dos comentários e fazer contato.

Um abraço.


FAMÍLIA.....

FAMÍLIA.....
O MAIOR PATRIMÔNIO DE UM HOMEM É SUA FAMÍLIA

FILHOS

FILHOS
QUERIDOS