segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

IN MEMORIAN DE VINCENZO AIELLO, MEU PAI

Ele veio da Calábria, Itália. Mais precisamente da província de Catanzaro. Lá ele cuidava das cabritas do meu avô, seu pai, Francesco Aiello. Era apaixonado pela música e aprendeu a tocar Trombone de Vara. Ele ensinou música aos seus demais irmãos.

Sua família veio para o Brasil de navio, fugindo de Mussolini, o fascista.

Viveram no interior de São Paulo. Taquaritinga, Marília, Jaú. Não sei muito a respeito da mocidade de meu pai. Eu só sei que ele conheceu mamãe no Tênis Clube de Marília e se casaram. Ele era mais velho que mamãe 16 anos. Ele com 38 anos e ela com 22.

Meu irmão nasceu em 1952 e eu em Julho de 1954. Meu irmão em Marília e eu em São Paulo, capital, mais precisamente no Hospital e Maternidade Leonor Mendes de Barros no bairro do Tatuapé divisa com o Belém em uma noite fria, chuvosa, as 19h00. Era uma segunda-feira.

Vivi com papai 19 anos. Eu o amava e o amo ainda hoje. Sua morte não matou meu amor, pelo contrário, só o fez aumentar. Quanto mais amadureço, mais eu amo meu Papai.

Jamais me esquecerei daquele dia.

Há dias que marcam para sempre nossas vidas. Eu estava em minha sessão na Philco e meu chefe me chamou e me disse que meu irmão José Luiz estava na portaria da fábrica e que tinha vindo me buscar porque meu pai havia piorado no hospital.

Então eu lhe disse: - Não meu pai não piorou. Ele melhorou e muito. Ele descansou de suas lutas e morreu no Senhor. Ele olhou para mim, e sorriu sem graça.

Meu irmão foi quem me deu a notícia. - Mauro; papai morreu. Fui invadido por uma mistura de tristeza que palavras não podem explicar e uma paz que somente Deus consegue entender. Afinal das contas foram anos de luta do meu papai contra o câncer, dores, noites mal dormidas e sonhos interrompidos.

Papai tinha somente 59 anos de idade. Era um homem bonito. Olhos azuis como o céu de brigadeiro. Músico refinadíssimo. Marido que amava apaixonadamente sua esposa. Pai amorosíssimo, sem igual. Homem cujas mãos eram mãos de artista. Coração sentimental, pés de Fred Astaire, alma limpa, coração cheio de fé.

No dia de sua partida, quando o enfermeiro veio para dar-lhe seu banho, ele disse: - Capriche, porque esse é meu último banho. Era por volta das 10h00. As 13h00 papai fechou seus olhos aqui para abri-los na eternidade.

O médico chefe da ala onde papai estava internado no Hospital Brigadeiro, chamou toda sua equipe e disse: Façamos um minuto de silêncio porque hoje morreu um homem nesse hospital.

"Papai, isso já faz tanto tempo. Exatamente 42 anos e eu não o esqueço, e jamais o esquecerei. Você era meu amigo. Talvez, aqui nessa terra dos homens, o único amigo mesmo que eu já tive.

Obrigado por me chamar e dizer que confiava em mim e que eu seria um grande homem. Obrigado por me chamar carinhosamente de "Maurinho".

Em meu coração você viverá para sempre.

Para sempre, até que nos encontremos na glória de nossa eterna morada. Um milhão de beijos, papai".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SEJA BEM-VINDO E BOA LEITURA!

Fico feliz em que você visite o Blog Conteúdo. Faço parte dessa comunidade de gente que gosta de escrever e expor o que escreve sem nenhum receio de ser lido e contestado. Fique a vontade nessa minha sala de leitura. Espero, sinceramente, que meus escritos ajudem você de alguma maneira, mas principalmente do ponto de vista espiritual. Se você quiser me ajudar ore por mim e peça a Deus que me mantenha firme na fé cristã. Se você não é um cristão como eu, eu gostaria de conhecer você e falar para você sobre minha fé. É só ir na seção dos comentários e fazer contato.

Um abraço.


FAMÍLIA.....

FAMÍLIA.....
O MAIOR PATRIMÔNIO DE UM HOMEM É SUA FAMÍLIA

FILHOS

FILHOS
QUERIDOS